Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Maio 26, 2022

Noticiário nos EUA decide não identificar atiradores em atentados

As leis negligentes sobre armas nos EUA e a falta de serviços de saúde mental são duas das razões mais discutidas para tiroteios em massa. Ainda não se sabe se evitar nomear os perpetradores, para não dar-lhes fama, ajuda a evitar os crimes.

por Thomas J. Hrach, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Um dia depois que um homem abriu fogo em uma mercearia de Collierville, Tennessee, matando uma pessoa e ferindo outras 13 antes de apontar a arma contra si mesmo, a polícia local realizou uma coletiva de imprensa improvisada para identificar o criminoso.

Mas, em vez de dizer o nome do suspeito em voz alta naquela manhã ensolarada de setembro de 2021, o tenente da polícia de Collierville, David Townsend, ergueu um pedaço de papel amarelo com o nome “Uk Thang” e a data de nascimento “10-17-91”.

Nada mais foi dito sobre o suspeito na coletiva de imprensa, a não ser que ele era um “fornecedor terceirizado” para a loja. Reportagens posteriores determinaram que ele era o operador de franquia do balcão de sushi da loja, mas não era um funcionário da Kroger.

Essa coletiva de imprensa tornou-se típica da forma como a polícia reagiu após tiroteios em massa: nunca mencione o nome do suspeito ou ofereça muitas informações sobre a pessoa. O objetivo é encorajar os meios de comunicação a evitar usar o nome do agressor e, assim, privá-lo de publicidade. Como minha pesquisa descobriu, nos últimos 10 anos a mídia de notícias seguiu o exemplo reduzindo o número de vezes que o nome de um atirador em massa é relatado.

Agora que o suspeito foi preso, será interessante ver como a mídia lida com a divulgação do nome do suposto autor do tiroteio no metrô do Brooklyn em 12 de abril de 2022. Muitos tiroteios em massa terminam com suspeitos virando as armas contra si mesmos ou sendo mortos pela polícia. O suspeito do Brooklyn inicialmente evitou a captura, então a polícia revelou o nome como parte dos esforços para prendê-lo.

Mas reduzir o número de vezes que o nome do perpetrador é usado na cobertura de notícias é de interesse público? Certamente diminui a notoriedade do perpetrador e reduz qualquer incentivo para se tornar famoso.

No entanto, quando o nome não é usado, outros detalhes mais relevantes, como motivos e antecedentes da pessoa, também podem não ser relatados.

Mudança veio em 2012

Fiquei interessado na questão depois que vários autores de tiro em massa de alto perfil não foram nomeados em voz alta pela polícia após os ataques. E parecia que a mídia de notícias seguiu o exemplo.

Analisei a frequência com que os criminosos foram nomeados em artigos de notícias dentro de uma semana de tiroteios em massa entre 1999 e 2021.

A pesquisa, ainda não publicada, examinou a cobertura de notícias de tiroteio em massa começando com os assassinatos da Columbine High School em 1999 e terminando com os assassinatos do centro FedEx de Indianapolis em 2021. Minhas descobertas confirmaram o que pesquisas anteriores haviam mostrado: quanto mais mortes havia, mais relatórios de notícias usavam o nome do perpetrador. Isso foi verdade para todo o período de tempo.

Quando a polícia usa nomes de supostos atiradores em massa com menos frequência, a mídia segue o exemplo. Jeff Gritchen/MediaNews Group/Orange County Register

Mas houve uma reviravolta em 2012. Levando em consideração o número de pessoas mortas em um tiroteio em massa, o número de vezes que a mídia usou o nome dos criminosos em reportagens começou a diminuir.

Depois de um tiroteio em massa em julho de 2012 em um cinema do Colorado, parentes das vítimas pediram que o governador do estado não mencionasse o nome do agressor em um serviço memorial onde os nomes das vítimas seriam lidos. Defensores das vítimas e familiares não queriam dar publicidade ao assassino por temer que a notoriedade fosse um dos motivos do perpetrador.

Os comentários públicos do governador se referiam ao atirador apenas como “Suspeito A”. Mais tarde naquele ano, o tiroteio em massa de crianças do ensino fundamental e funcionários da escola em Newtown, Connecticut, chocou a nação. Nesse caso, o nome do autor do tiroteio na Sandy Hook Elementary School foi amplamente divulgado em reportagens.

A decisão de evitar a identificação de autores de tiroteios em massa baseia-se na ideia de que as pessoas que se envolvem em ataques a tiros em massa o fazem pelo desejo de publicidade. Certamente, há evidências anedóticas de que alguns atiradores em massa usam a mídia para ganhar notoriedade com seus ataques. O atirador da Virginia Tech de 2007 fez uma pausa em sua matança para enviar fotos suas para a NBC News. O atirador de Isla Vista de 2014 postou um manifesto no YouTube antes de começar a matar.

Declarações policiais são a maneira mais comum de os jornalistas descobrirem as identidades de supostos atiradores em massa

Existe risco em não saber?

Certamente as organizações de notícias podem investigar profundamente os antecedentes dos atiradores em massa sem nunca nomear a pessoa. Minha pesquisa não determinou se a redução das vezes em que um atirador em massa é nomeado estava relacionado com a redução da quantidade de cobertura dos antecedentes e motivos dos atiradores em massa. Mas o nome é uma informação concreta e básica sobre uma pessoa.

Os defensores de não nomear os perpetradores argumentam que quanto menos escrito, falado ou conhecido sobre os perpetradores, melhor.  Também elimina qualquer incentivo para que os perpetradores se tornem famosos por esses atos horríveis. Se essa tendência de reduzir a nomeação de atiradores em massa ajuda a reduzir os tiroteios em massa ou talvez os torne mais prováveis, não é algo que minha pesquisa possa determinar.

Tiroteios em massa acontecem por uma série de razões. As leis negligentes sobre armas nos EUA e a falta de serviços de saúde mental são duas das razões mais discutidas. Alguns dizem que são eventos aleatórios inevitáveis ​​que não podem ser interrompidos.

Ainda não está claro quanta notoriedade é um fator para potenciais atiradores. Mas sabemos que a mídia de notícias está atendendo ao apelo para limitar a identificação de criminosos em tiroteios em massa.


por Thomas J. Hrach, Professor Associado, Departamento de Jornalismo e Mídia Estratégica, Universidade de Memphis  |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -