Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Janeiro 31, 2023

O tornado global

Paulo Casaca, em Bruxelas
Paulo Casaca, em Bruxelas
Foi deputado no Parlamento Europeu de 1999 a 2009, na Assembleia da República em 1992-1993 e na Assembleia Regional dos Açores em 1990-1991. Foi professor convidado no ISEG 1995-1996, bem como no ISCAL. É autor de alguns livros em economia e relações internacionais.

A UE, as Nações Unidas, o NAFTA e mesmo a OTAN foram severamente abaladas e o seu futuro está em questão; o TPP (Parceria Trans-Pacífico) desapareceu; os EUA e a Rússia anunciaram uma parceria; o Presidente Republicano dos EUA substituiu os alter-mundialistas na vanguarda da guerra à mundialização e mandou às urtigas o consenso ambiental internacional.

Por outro lado, o fanatismo misógino islâmico (de várias facções) levou já um pontapé da Casa Branca e a China viu recusada a sua ocupação do mar do Sul da China.

No Médio Oriente, precipitam-se as mudanças: o mundo árabe questiona a sua manipulação pelo racismo antissemita ocidental (e aqui há noventa, não há setenta anos) e declara querer normalizar as relações com Israel, enquanto a Rússia de aliado iraniano passa a árbitro na Síria e declara apoio aos árabes contra o Irão no Iémen.

Em Davos, os dirigentes comunistas chineses apresentam-se como os líderes da globalização e do mercado livre.

Muitas destas mudanças não se vão revelar sustentáveis. Da mesma maneira que o tratado germano-soviético que tornou possível o desencadear da segunda guerra mundial não durou dois anos – os socialismos nacionais de Hitler e Estaline tinham ambições imperiais não compagináveis – muito do que foi posto agora em marcha não vai poder subsistir. Resta saber o que vai quebrar e o que vai permanecer deste caos pós tornado que se abre perante os nossos olhos.

No Ocidente, são raros os que conseguem entender o que se passa e nada mais conseguem fazer do que amaldiçoar Trump de manhã à noite, como se fazendo-o conseguissem pôr o mundo a girar como dantes. Mesmo os melhores articulistas por quem tenho a maior consideração mostram-se incapazes de reagir.

Martin Wolf, o chefe da equipa económica do Financial Times, escreveu no dia 25 um patético editorial que declamava a lição que se recebe na primeira aula de Economia Internacional sobre as vantagens do comércio livre em resposta às medidas de Trump. Como explicava um cidadão do “rust-belt” a um articulista que não entendia por que razão ele reclamava contra o fecho da fábrica numa cidade onde o hipermercado não conseguia contratar trabalhadores (cito de memória, posso enganar-me no detalhe, mas o essencial da mensagem era esta): “ganhar trinta dólares à hora numa indústria que fechou portas e reabriu no México não é o mesmo que ganhar 11 dólares à hora na Walmart”.

E esta verdade não se aprende nos bancos das faculdades. Só está disponível para quem não tenha medo de sair do seu casulo. Para que a globalização funcione, não é apenas necessário que forneça soluções mais eficientes, é também essencial que todos os parceiros possam sentir-se ganhadores com as soluções encontradas, mesmo que em proporções diversas.

Obviamente que muito do que Donald Trump prometeu (e diga-se de passagem Bernie Sanders também tinha prometido) e está a fazer, não faz sentido, e não vai ter os resultados anunciados. Abstenho-me por ora elaborar sobre este assunto porque não considero útil juntar a voz à cacofonia reinante a esse propósito.

Em vez de ladainhas ao passado, precisamos de pensar a globalização de forma diferente, assegurando que no jogo todos ganham algo e não temos apenas alguns a ganhar e muitos a perder; promovendo a prestação de contas dos que estão em cargos de decisão; acabando com a ilusão de que apenas interessa passar bem nos ecrãs de televisão sem olhar ao que de facto se faz e pensando mais na cidadania do que em tribalismos identitários.

Em vez de escarnecer Trump, melhor seria perder algum tempo a perceber por que razão ganhou ele as eleições, se não queremos ver o cenário repetido por esta Europa fora, com consequências potencialmente mais dramáticas, porque poderão passar por ver postos em causa sistemas democráticos.

Nota do Director

As opiniões expressas nos artigos de Opinião apenas vinculam os respectivos autores.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anterior
Próximo artigo
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -