Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 24, 2021

OCDE: Desigualdade na vacinação coloca em risco recuperação econômica

Onde a economia se recupera, como países europeus, que protegeram os empregos, números mascaram a alta concentração de renda.

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) alertou, nesta terça-feira (21), para os riscos da recuperação econômica global da pandemia reduzir sua previsão de crescimento econômico mundial. Também disse que a recuperação está beneficiando os países mais ricos, em detrimento do mundo em desenvolvimento conforme a distribuição de vacinas ocorre em um ritmo desigual.

Os países que fizeram grandes avanços para vacinar a maioria de suas populações estão se recuperando muito mais rapidamente do que aqueles que ainda estão lutando para obter vacinas, disse a OCDE, levantando uma série de problemas econômicos relacionados que estão afetando as cadeias de abastecimento globais e representam um risco para o futuro.

Mas os números robustos mascararam problemas persistentes até mesmo nas economias mais ricas, onde a recuperação beneficiou as pessoas de forma desigual. O aumento da desigualdade, que vinha crescente, acirrou-se na pandemia, com alta concentração de riqueza em algumas empresas e miserabilidade no resto da economia.

Laurence Boone, o economista-chefe da organização, considera em um briefing de notícias que “o choque global que empurrou o mundo para a pior recessão, em um século, está desaparecendo”, projetando que a recuperação trará o crescimento de volta à sua tendência pré-crise.

Mas as taxas de vacinação permanecem variadas, e muitos países de baixa renda e mercados emergentes, com exceção da China, ainda estão muito atrás, acrescentou Boone. Como a campanha de imunização é uma estratégia coletiva, a assimetria nas taxas internacionais põe todo o mundo em risco.

Os avisos vieram no momento em que a OCDE divulgou sua previsão econômica semestral , na qual reduziu suas perspectivas para o crescimento global, a economia dos EUA e os mercados emergentes, mas elevou suas perspectivas para a Europa.

Crescimento global: de 5,8% para 5,7% em 2021
EUA: de 6,9% (maio) para 6%
Zona do Euro: de 4,3% para 5,3%

A organização, com sede em Paris, disse que o crescimento mais lento na Alemanha deve ser compensado por recuperações mais rápidas do que o esperado na FrançaItália Espanha.

China, a segunda maior economia do mundo, deve crescer 8,5% este ano, antes de desacelerar para 5,8% em 2022.

O crescimento deve diminuir no próximo ano, após uma recuperação extraordinária da recessão, com a economia global crescendo a um ritmo de 4,5% e os Estados Unidos crescendo a 3,9%. A economia da Europa também esfriará, para uma taxa estimada de 4,6%.

Embora o crescimento nos Estados Unidos tenha voltado aos níveis pré-pandêmicos, o emprego permanece mais baixo do que antes das restrições econômicas. Na Europa, que empregou bilhões para proteger seus negócios e trabalhadores do desemprego em massa e das falências no auge da crise, o emprego foi amplamente preservado.

E o vírus e as taxas de vacinação lentas continuam a afetar o bom funcionamento da economia global, confundindo as cadeias de abastecimento, disse a OCDE.

Inflação global

“Algumas peças não deixaram fábricas em países com surtos de vírus”, disse Boone. Como resultado, várias empresas estão ficando sem estoque e diminuindo a produção, o que, por sua vez, está elevando os preços de uma série de produtos.

Ao mesmo tempo, uma rápida recuperação na demanda aumentou drasticamente os preços do petróleo, que estão 80% mais altos do que há um ano, enquanto os custos de envio “estão disparando”, acrescentou Boone.

Esses fatores ajudaram a alimentar a inflação, que “subiu acentuadamente” nos Estados Unidos e em alguns países emergentes, disse o relatório, mas deve diminuir assim que os gargalos da cadeia de abastecimento desaparecerem.

A inflação diminuirá mais rapidamente a partir dos atuais níveis alarmantes se os programas de vacinação forem acelerados.

“Se continuarmos a vacinar e nos adaptarmos melhor à convivência com o vírus, o suprimento começará a se normalizar e essa pressão diminuirá”, disse Boone. “Mas para isso temos que vacinar mais pessoas.”


por Cezar Xavier  | Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -