Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Janeiro 30, 2023

ONU classifica 2022 como ano mais mortal para palestinos

Ataques foram praticamente diários, mas seis grandes eventos demonstraram o aumento do uso da força por Israel

O assassinato de uma das jornalistas mais respeitadas da Palestina foi apenas um dos grandes eventos mais importantes que aconteceram em Israel e na Palestina em 2022. Outros muitos ainda maiores configuraram um cenário de escalada de força israelense contra territórios palestinos.

Foi por eventos assim que as Nações Unidas declararam o ano mais mortal para os palestinos na Cisjordânia, ocupada desde 2006, em meio a uma nova mudança para a extrema direita no país.

Observadores, diplomatas e grupos de direitos humanos expressaram “preocupação” com o uso excessivo de força letal por Israel na Cisjordânia este ano, levando ao alto número de assassinatos.

O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos observou anteriormente que as forças israelenses “muitas vezes usam armas de fogo contra palestinos por mera suspeita ou como medida de precaução, em violação dos padrões internacionais”.

Sempre Gaza

Menos de 15 meses após o bombardeio israelense anterior na Faixa de Gaza, o território bloqueado foi atacado por aviões de guerra israelenses por três dias no início de agosto, matando pelo menos 49 palestinos , incluindo 17 crianças.

Outro evento foi a prisão de um líder da Jihad Islâmica Palestina (PIJ) na Cisjordânia pelas forças israelenses , que levantou temores de uma escalada, levando Israel a reforçar sua presença militar na fronteira entre Israel e Gaza.

Em 5 de agosto, aviões de guerra israelenses lançaram uma onda de ataques aéreos a Gaza, à qual o PIJ respondeu disparando foguetes contra Israel.

Embora houvesse um medo real de que a eclosão dos combates levasse a um conflito prolongado, especialmente após a morte dos comandantes do PIJ, o conflito finalmente parou após três dias, depois que uma trégua mediada pelo Egito entrou em vigor.

Uma das principais razões para a não escalada do conflito foi a decisão do Hamas, que governa Gaza há 15 anos, de ficar fora dos combates.

Apesar disso, houve danos consideráveis em Gaza, que mal foi reconstruída desde o conflito de 11 dias de 2021. E a ameaça de outro surto de violência prolongada não desapareceu, deixando os palestinos em Gaza constantemente com medo do que muitos sentem ser o inevitável próxima guerra.

Nova resistência armada

Uma das principais mudanças na Cisjordânia em 2022 foi o crescimento de pequenos grupos armados de resistência centrados nas cidades do norte de Jenin e Nablus.

O fenômeno começou em setembro de 2021 com a formação do primeiro grupo, as Brigadas Jenin, no campo de refugiados da cidade após a morte do lutador Jamil al-Amouri por Israel em junho.

Seguiu-se em 2022 a criação das Brigadas Nablus, da Cova dos Leões, das Brigadas Balata, das Brigadas Tubas e das Brigadas Yabad. Enquanto os grupos são formados por membros de vários partidos palestinos tradicionais, os novos grupos se recusam a se alinhar com qualquer partido ou movimento específico, o que torna tudo ainda mais preocupante.

Embora os grupos sejam limitados em termos de suas capacidades, eles têm se concentrado em entrar em confronto com as forças israelenses em resposta aos ataques quase diários e também dispararam contra postos de controle militares israelenses. Eles também assumiram a responsabilidade por ataques que mataram soldados e colonos israelenses.

O surgimento desses grupos é o primeiro desde a segunda Intifada (2000-05), quando grupos organizados lutaram contra as forças israelenses na Cisjordânia. No final daquela Intifada, ou levante, a maioria das armas no território passou para a posse da Autoridade Palestina (AP).

Ataques e assassinatos diários

Após uma série de ataques individuais em Israel que começaram em março, Israel lançou uma campanha militar chamada “Quebre a Onda”, que incluiu ataques quase diários, prisões em massa e assassinatos na Cisjordânia, com foco em Jenin e Nablus.

Civis confrontando o exército israelense durante ataques e transeuntes não envolvidos foram mortos, assim como combatentes palestinos em assassinatos seletivos e durante confrontos armados.

As forças israelenses mataram pelo menos 170 palestinos na Cisjordânia e ocuparam Jerusalém Oriental em 2022, segundo o Ministério da Saúde palestino, incluindo mais de 30 crianças. Pelo menos 9.000 outras pessoas ficaram feridas.

Vários dos assassinatos causaram indignação particular entre os palestinos, incluindo recentemente em 12 de dezembro, quando uma jovem de 16 anos em Jenin foi morta a tiros enquanto estava no telhado de sua casa assistindo a um ataque do exército. Um palestino de 23 anos também foi morto por um soldado israelense em público em 2 de dezembro. O assassinato foi filmado e os palestinos o descreveram como uma “execução”.

Assassinato de Shireen Abu Akleh

Em 11 de maio, as forças israelenses mataram a tiros a veterana jornalista da Al Jazeera Shireen Abu Akleh enquanto ela cobria uma operação militar no campo de refugiados de Jenin.

Abu Akleh era uma correspondente de TV palestina-americana de 51 anos da emissora árabe e cobriu a ocupação israelense dos territórios palestinos por mais de 25 anos. Sua morte levou a um clamor internacional e provocou ondas de choque em todo o mundo.

A repórter foi homenageada em um cortejo fúnebre de três dias que contou com uma manifestação de pesar e respeito, com seu corpo sendo transferido de Jenin para Jerusalém.

Em Jerusalém Oriental, as forças israelenses atacaram os enlutados que carregavam seu caixão . Apesar dos esforços das autoridades israelenses, milhares de palestinos lotaram as ruas de Jerusalém para o funeral.

Múltiplas investigações descobriram que Israel é o responsável por seu assassinato, e Israel acabou admitindo em setembro que havia uma “grande possibilidade” de que um de seus soldados tivesse matado Abu Akleh. No entanto, as autoridades israelenses se recusaram a iniciar uma investigação criminal.

Em dezembro, a Al Jazeera apresentou um pedido formal ao Tribunal Penal Internacional (TPI) para investigar e processar os responsáveis pelo assassinato de Abu Akleh.

Ascensão da extrema-direita

Em 2022, foram realizadas as quintas eleições parlamentares israelenses em menos de quatro anos. Embora os resultados pareçam ter encerrado temporariamente a longa incapacidade de Israel de formar um governo estável, eles resultaram na criação do governo mais à extrema-direita nos 74 anos de história do país.

O primeiro-ministro designado Benjamin Netanyahu e seu partido Likud formaram uma aliança com partidos religiosos sionistas e ultraortodoxos, conquistando uma maioria de 64 no Knesset de 120 membros.

O terceiro maior bloco no resultado eleitoral foi a aliança Sionista Religiosa – fusão do partido de mesmo nome liderado por Bezalel Smotrich, e o partido Poder Judaico liderado por Itamar Ben-Gvir .

As duas figuras controversas são conhecidas por seu frequente incitamento à violência contra os palestinos e declararam publicamente suas intenções de aprofundar a construção ilegal de assentamentos israelenses na Cisjordânia.

No ano passado, Smotrich disse que os palestinos em Israel “estão aqui por engano – porque Ben-Gurion não terminou o trabalho” e os expulsou em 1948.

Enquanto isso, Ben-Gvir, que já havia pedido a deportação de cidadãos palestinos “considerados desleais a Israel”, convocou os colonos a portarem armas e criticou regularmente o exército e o governo israelense por não usarem medidas mais fortes contra os palestinos.

Aumento de ataques de colonos

Os ataques de colonos israelenses contra palestinos na Cisjordânia aumentaram e se tornaram mais descarados e coordenados em 2022.

Pelo menos três palestinos foram mortos por colonos este ano. Alguns desses ataques ocorreram enquanto as forças militares israelenses assistiam.

“Evidências perturbadoras de que as forças israelenses frequentemente facilitam, apoiam e participam de ataques a colonos tornam difícil discernir entre os colonos israelenses e a violência do Estado”, disseram autoridades da ONU em comunicado em 15 de dezembro.

“2022 é o sexto ano de aumento anual consecutivo no número de ataques a colonos israelenses na Cisjordânia ocupada”, continuou o comunicado. “Colonos israelenses armados e mascarados estão atacando palestinos em suas casas, atacando crianças a caminho da escola, destruindo propriedades e queimando olivais e aterrorizando comunidades inteiras com total impunidade.”

Entre 600.000 e 750.000 colonos israelenses vivem em pelo menos 250 assentamentos ilegais espalhados pela Cisjordânia e Jerusalém Oriental.


por Cézar Xavier | Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -