Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Julho 7, 2022

Os espectros de Bond

Como seria de esperar, a geografia do Spectre é bastante extensa: o passaporte de Bond leva carimbos do México, Itália, passando por Marrocos, mas também a Áustria e, como não podia deixar de ser, a nativa Inglaterra. Talvez por isso a paleta do filme imprimida por Sam Mendes seja tão variada, algures num verdadeiro espectro de cor entre os tons frios dos Alpes e areias quentes do deserto. Ah, claro, e as bond-girls de serviço. Mas já lá vamos.

E aí entramos, num outro espectro, a paleta das mulheres. Como sempre, as fêmeas que se cruzam com o agente secreto que insiste trajar de smoking são modelos lindas de morrer. Desde logo, a francesinha loira Léa Seydoux por spectre-daniel-craig-monica-belluccinão assumir o padrão a que estamos habituados, pois ela tem a possibilidade de virar a maré e fazer mesmo vacilar o nosso Bond. E aí nada como Miss Seydoux para cumprir o papel adequado. Naomi Harris transita de Skyfall para assumir uma discreta Moneypenny, embora a cereja no topo do bolo seja Monica Bellucci, apesar de só aparecer no episódio inicial. Mas este episódio é cheio de desespero, de medo e de paciência.

Aproximando-nos de um terceiro espectro temos os vilões de Bond. É verdade que Christoph Waltz é um mestre em imagem de vilão. E aqui o actor faz um dos vilões mais convincentes dos últimos tempos. A imagem do Waltz é a chave para abrir muitas portas dos filmes anteriores. Ele é o tentáculo principal para remover uma máscara do passado. Por isso mesmo, ele é o oposto e o reflexo de Bond.

O mesmo se diga dos aliados de Bond. Desde logo, com o talento técnico de Q, uma vez mais assumido por Ben Whishaw (actor presente num filme que estreia esta semana – As Sufragistas) e a paciência de um M, defendido por Ralph Fiennes, que começou a trabalhar como o boss do Bond depois de morte da personagem da Judi Dench. E esta personagem é muito interessante pois tem dúvidas. Ou seja, um M mais humano, algo que não é típico na sua profissão.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

1 COMENTÁRIO

Comentários estão fechados.

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Boa pergunta

VER…

Crónica de Trump

- Publicidade -