Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Setembro 27, 2021

“Outing” de padre ilumina o poder – e partidarismo – da mídia católica

O modo como a mídia católica americana expôs um padre homossexual revela os vieses ideológicos que se enfrentam internamente no Vaticano.

por Lilly Brown, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Tinha todas as características de uma alfinetada sensacionalista de tabloide.

Em 21 de julho de 2021, apareceu um artigo alegando que um padre sênior dos EUA, Monsenhor Jeffrey Burrill, havia usado o aplicativo Grindr, com dados do aplicativo que o colocavam em vários bares gays. Burrill, o agora ex-secretário-geral da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos, renunciou prontamente.

Mas o relatório não foi publicado por um meio de comunicação que muitos americanos associariam a tais “denúncias” de sexo. Na verdade, a maioria nunca teria ouvido falar dele. Foi o The Pillar, um pequeno boletim informativo fundado no início de 2021, que representa apenas uma pequena parte do panorama da mídia católica nos Estados Unidos

Como um estudioso do catolicismo e da cultura americanos, tenho um grande interesse pela mídia católica. Meu livro recente, “Siga sua consciência: A Igreja Católica e o Espírito dos Anos 60”, baseia-se em dezenas de artigos na mídia católica como fontes primárias de análise histórica. Embora muitos americanos possam estar familiarizados com veículos evangélicos como o Christianity Today ou o Christian Post – sem mencionar as centenas de estações de rádio evangélicas em todo o país – a mídia católica parece ter menos destaque no cenário nacional.

Mas, como mostra a reportagem do The Pillar sobre o Burrill, o jornalismo católico pode ser influente – e pode dividir a opinião da mesma forma que a mídia com um público mais amplo.

Um jornal para cada diocese

A mídia católica é composta por uma série de publicações em nível local, nacional e global. Quase todas as dioceses têm seu próprio jornal que cobre eventos locais como as primeiras comunhões – quando um católico recebe a Eucaristia, o pão e o vinho se transformam no corpo e sangue de Cristo, pela primeira vez – ou a construção de um novo ginásio escolar.

Mas muitos leitores católicos também gostam de ser informados sobre o panorama geral do catolicismo e, principalmente, do papa. Em 2014, o Boston Globe, com a ajuda do jornalista John Allen, fundou a Crux para fazer uma reportagem sobre o Vaticano para um público católico americano.

Os jornalistas católicos não apenas relatam sobre a própria igreja, mas pretendem oferecer uma perspectiva católica sobre histórias americanas mais amplas. Essa foi a premissa básica por trás de importantes revistas católicas como Commonweal, fundada por leigos em 1924, e America, uma publicação mensal dirigida por jesuítas na cidade de Nova York.

Cada vez mais, como a mídia secular, os veículos católicos foram polarizados e atraídos para a guerra cultural. Eles também assumiram posições que dividem os leitores e conquistam eleitores com visões de mundo específicas. National Catholic Reporter, no espírito do Concílio Vaticano II – a reunião dos bispos do mundo de 1962 a 1965 que introduziu mudanças como missa no vernáculo e um novo respeito pela liberdade religiosa de membros de outras religiões – é uma saída liberal que corta seus dentes nas críticas à Guerra do Vietnã e continua a promover a justiça social.

Sua contraparte, o National Catholic Register, prefere a clareza moral e as posições conservadoras oferecidas por papas como João Paulo II e Bento XIV, particularmente em questões de gênero, sexualidade e política. Seus leitores coincidem com os telespectadores da Eternal Word Television Network, uma rede crítica do mais liberal Papa Francisco.

Sobre a questão da homossexualidade, a mídia católica também expressa uma variedade de pontos de vista. A revista America apresenta consistentemente os escritos do Padre Jim Martin , um padre jesuíta que encorajou a igreja a tratar a comunidade gay com mais dignidade. O periódico First Things , por sua vez, tem o prazer de oferecer aos leitores críticas acirradas da modernidade secular por escritores católicos conservadores.

Preocupações éticas

Nessa mistura de mídia partidária surgiu The Pillar em 2021 e seu recente relatório sobre Burrill. A investigação gerou preocupações éticas sobre o uso da privacidade de dados – o relatório do Pillar se baseou em dados de geolocalização do aplicativo Grindr que ele comprou legalmente. Também houve reclamações de que as reportagens pareciam confundir a aparente homossexualidade de Burrill com o escândalo de abuso infantil na Igreja Católica.

Deixando a ética do artigo de The Pillar de lado, a reportagem usa uma tradição da mídia católica lançando uma luz sobre as questões da Igreja e elevando-a à atenção nacional.

Uma geração atrás, as reportagens da mídia católica foram cruciais para ajudar a expor o abuso sexual de crianças por padres.

Em 7 de junho de 1985, um artigo do jornalista investigativo Jason Berry no National Catholic Reporter expôs não apenas a pedofilia do padre Gilbert Gauthe, mas também a cumplicidade da Igreja em encobri-la. Berry, um católico praticante que cobriu o caso inicialmente para um jornal local da Louisiana, detalhou para um público nacional como Gauthe havia abusado de dezenas de crianças na Diocese de Lafayette a partir de 1972. Ele traçou os esforços da hierarquia local para manter o caso fora do olhos do público e como os oficiais da igreja ignoraram os relatos de abusos. O artigo de Berry ocupava várias páginas, repleto de manchetes como “PEDOFILO SACERDOTE: ESTUDO NA RESPOSTA DA IGREJA INEPT” e “MUITOS SABEMOS DO PROBLEMA DO PAI MAS NINGUÉM O PAROU”.

A imprensa nacional só pegou a história depois que ela apareceu no National Catholic Reporter.

A publicação dos escritos de Berry sobre Gauthe marcou o início de um novo e vigoroso modo de crítica nacional na imprensa católica da hierarquia da Igreja por supostamente encobrir escândalos de abuso sexual.

Reportagem sobre escândalos

Sem jornalistas como Jason Berry, a exposição da crise dos abusos do clero pode ter ocorrido em linhas muito diferentes. Para simplificar, mudou a interpretação da crise de um paradigma da “maçã podre” – aquele que os padres individuais eram culpados – para uma abordagem muito mais sistêmica que olhava para uma cultura católica que facilita o abuso.

O Pillar tentou enquadrar sua investigação de Burrill sob uma luz semelhante. Isso implica que o uso de aplicativos de conexão por Burrill pode desenvolver ainda mais uma cultura de abuso na igreja. O artigo do Pillar cita o teólogo moral padre Thomas Berg e o falecido especialista psicológico e clérigo em abuso sexual Richard Sipe, ambos argumentando que há uma conexão entre um clérigo violar seus votos de celibato com outros adultos e um potencial abuso de adolescentes. A sugestão é que incentive “redes de proteção e tolerância entre clérigos sexualmente ativos”, como sugere o Pilar.

Mas esse argumento requer uma dança fina que corre o risco de cair na armadilha de conectar o ato da homossexualidade com a pedofilia. Nem todo mundo está convencido de que o artigo do Pilar tenha traçado essa linha suficientemente.

No entanto, reacendeu um debate sobre o papel da mídia católica.

Em seu livro de 1996, ”Pedophiles and Priest“, o historiador Philip Jenkins critica a reportagem marcante de Berry por fazer parecer que todos na estrutura da Igreja da Louisiana, desde os bispos aos padres, eram culpados pelos abusos prolíficos de Gauthe. Jenkins argumenta que o artigo de junho de 1985 forneceu uma fórmula para reportagens futuras: primeiro um jornalista detalha alguns rumores, então ele ou ela escreve sobre como as alegações perturbaram os pais, então o repórter menciona a transferência de um padre para uma nova paróquia e, finalmente, o investigador cita um especialista que comenta a natureza estrutural da crise. Dessa forma, sugeriu Jenkins, os jornalistas fazem o abuso parecer mais difundido do que realmente é. Embora o livro de Jenkins tenha sido escrito em meados da década de 1990, sua análise, embora problemática, continua importante.

A crise dos abusos não é o único desafio que a Igreja Católica enfrenta – ela está atualmente em meio a uma luta entre elementos conservadores e mais progressistas. Ao tentar estabelecer uma conexão entre a aparente homossexualidade de Burrill e sua potencial futura cumplicidade na crise dos abusos do clero, The Pillar, um dos mais novos participantes no cenário da mídia católica, entrou na guerra cultural da Igreja e se colocou entre os meios de comunicação que estarão relatando isso nos próximos meses e anos.


por Peter Cajka, Professor de Estudos Americanos, University of Notre Dame  |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -