Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Setembro 23, 2021

Pesquisa analisa impacto econômico da pandemia na cultura africana

Esta é a primeira pesquisa em toda a África sobre o impacto econômico da Covid-19 nas indústrias culturais.

por Ribio Nzeza Bunketi Buse, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A arte e a cultura desempenham um papel importante em todas as sociedades. Contribuem não apenas para o bem-estar social das pessoas, mas também para o desenvolvimento social e econômico dos países. Geram receitas, como mostram muitos estudos de caso, ainda que o nível de informalidade do setor na África tenda a absorver essa realidade.

De acordo com o relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento sobre economia criativa (2018), o mercado global de bens e serviços culturais dobrou de US $ 208 bilhões em 2002 para US $ 509 bilhões em 2015. Um estudo da Ernst & Young (2015) indica que as indústrias culturais na África e no Oriente Médio geram receitas de US $ 58 bilhões, empregam 2,4 milhões de pessoas e contribuem com 1,1% para o PIB regional.

Como todos os setores econômicos, as indústrias culturais e criativas em todo o mundo foram afetadas negativamente pela pandemia COVID-19, especificamente pelas medidas adotadas pelos governos para limitar a propagação do vírus.

O impacto foi bem documentado nas economias avançadas. No entanto, os dados sobre o impacto da COVID-19 nas indústrias culturais e criativas africanas são irregulares.

De acordo com a Ernst & Young, as mais lucrativas dessas indústrias na África são a música, as artes visuais e o cinema. No entanto, a baixa penetração da Internet impede o surgimento de um setor promissor como o jogo online. Isso em contraste com o alto potencial do mercado. Na verdade, as políticas culturais faltam ou não são bem implementadas em muitos países.

Usando minha experiência na realização de uma pesquisa online na República Democrática do Congo, eu pesquisei participantes nas indústrias culturais e criativas em seis países em quatro regiões da África Subsaariana.

Uma matriz de impacto econômico de COVID-19 incluída em meu estudo revela que existem vários fatores que explicam o severo impacto da pandemia nas indústrias culturais na África. Estes variam desde os níveis de informalidade e o tamanho das empresas até os tipos de contratos usados ​​e os modos de produção e consumo nas indústrias.

 

O método

Eu comparei estudos quantitativos disponíveis em quatro comunidades regionais econômicas da África Subsaariana para mapear os números. São elas a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Senegal), a Comunidade Econômica dos Estados da África Central (RD Congo), a Comunidade da África Oriental (Quênia e Uganda) e a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (África do Sul e Namíbia). Esses países são os únicos que tinham dados disponíveis resultantes de pesquisas concluídas no momento da redação da pesquisa.

Todos eles foram baseados em pesquisas online conduzidas durante os vários bloqueios que ocorreram entre março e maio de 2020. Mesmo que os questionários não fossem os mesmos em todos os países, entradas semelhantes e recorrentes ofereciam uma base de comparação. É claro que são avaliações iniciais à medida que a pandemia continua.

A autoria desses estudos é privada (associações, empresas, acadêmicos), exceto na África do Sul com seu Observatório Cultural da África do Sul, um centro de pesquisa público sediado pela Universidade Nelson Mandela.

Nossa pesquisa privilegiou dados quantitativos. No entanto, os dados qualitativos disponíveis – como estudos de caso – foram mencionados. Foram produzidos pelo Centro de Estudos Estratégicos e de Defesa do Gana e pelo Circulador, uma plataforma itinerante de investigação para os países lusófonos (Angola, Moçambique e Cabo Verde). Um mapa interativo permite a visualização de dados.

Principais conclusões

As perdas financeiras (volume de negócios) nas indústrias culturais e criativas em África durante o segundo trimestre de 2020 variam significativamente de um país para outro. Os números variam entre US $ 134.360 para Uganda e US $ 1,49 bilhão para a África do Sul, respectivamente 0,002% e 1,7% como contribuições para o PIB. O faturamento combinado durante o período de lockdown dos seis países nos quais as pesquisas online foram feitas totaliza US $ 1,5 bilhão.

Página 1. O estudo considera dados de quatro comunidades econômicas regionais na África

O subsetor mais afetado nas indústrias culturais na África foi o das artes cênicas – como música ao vivo, dança, teatro e eventos. Isso é explicado pela proibição de encontros nesses países devido à pandemia. O subsetor de conteúdo – audiovisual, cinema, artes visuais – ficou em segundo lugar.

Os estudos também lançaram luz sobre os subsetores mais lucrativos durante o período. Mídia digital, jogos online, música e conteúdo audiovisual foram capazes de ser resilientes. Suas cadeias de valor – da criação ao consumo – não exigem um alto nível de interação cara a cara obrigatória e o uso eficaz pode ser feito de ferramentas online.

Página 2. O estudo considera dados de quatro comunidades econômicas regionais na África. © Ribio Nzeza Bunketi Buse

 

Vulnerabilidade

Meu estudo revela que a vulnerabilidade das indústrias criativas e culturais africanas resultou principalmente de cinco fatores:

A predominância do setor informal (53,3% no Senegal, 51,7% na Namíbia, 80% no Quênia, 35% na África do Sul).

O número significativo de freelancers cujos recursos não resistem a choques (68% no Quênia). Em Uganda, cerca de 700 artistas foram afetados em 3.000 eventos cancelados.

O tamanho muito pequeno das empresas (47% das empresas na RDC têm entre um e cinco funcionários; 80% têm entre um e dez no Quênia). Esta é mais uma desvantagem porque as empresas maiores são provavelmente mais resilientes devido ao melhor acesso a recursos financeiros, humanos e tecnológicos.

A prevalência de empregos de meio período e contratos de curto prazo (58% das empresas no Quênia têm empregos de meio período).

O modo de produção e distribuição requer um alto nível de interação humana, especialmente para as artes visuais (como pintura e fotografia).

Os diferentes setores criativos e sua vulnerabilidade. © Ribio Nzeza Bunketi Buse

 

Início de uma jornada

A pandemia não apenas impactou negativamente o setor criativo na África, mas também expôs suas deficiências.

Para impulsionar a contribuição das indústrias culturais para as economias nacionais, é importante primeiro realizar estudos de campo regulares para mapear o setor para intervenções públicas e privadas orientadas e eficientes para permitir que o setor se recupere do revés do COVID-19. Os governos têm um papel importante a desempenhar nesse sentido.

Vale a pena criar estruturas jurídicas e de negócios mais seguras que permitirão que as indústrias criativas operem com mais eficiência. Políticas culturais sólidas, juntamente com planos de implementação, são essenciais para atingir esse objetivo.


por Ribio Nzeza Bunketi Buse, Professor associado da Universidade de Kinshasa (Congo)    |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -