Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Dezembro 6, 2022

Pessoas em situação de rua durante a pandemia

Pacientes sem-teto com COVID-19 muitas vezes voltam à vida nas ruas após os cuidados hospitalares, mas há uma maneira melhor.

por J. Robin Moon, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Em 2019, cerca de 567.715 desabrigados viviam nos Estados Unidos. Embora esse número tenha diminuído constantemente desde 2007, nos últimos dois anos começou a aumentar. Para a cidade de Nova York, mesmo antes da Covid-19, 2020 já estava se revelando um ano recorde para moradores de rua. Mas, quando a quarentena começou em meados de março, os 60.923 moradores de rua que estavam no sistema de abrigos da cidade se viram desproporcionalmente afetados pela pandemia.

Isso não são todos os sem-teto da cidade, é claro; os mais de 60.000 não incluem moradores de rua escondidos em listas de pacientes e salas de espera do departamento de emergência. Em 2019, a contagem anual da cidade de desabrigados em hospitais mostra mais de 300 em qualquer noite que são pacientes ou usam o hospital como abrigo temporário.

Como profissional de saúde, educador e pesquisador na área de saúde pública e epidemiologia social que atua na cidade, tenho plena consciência dos desafios enfrentados e das tragédias já vistas. Em 31 de maio, o Departamento de Serviços de Desabrigados de Nova York relatou 926 casos confirmados de Covid-19 em 179 locais de abrigos e 86 mortes confirmadas de Covid-19. Só em abril, o DHS relatou 58 mortes de desabrigados por Covid-19, 1,6 vezes mais do que a taxa geral da cidade. Embora não haja dados análogos confiáveis ​​para outras cidades, o que acontece em Nova York pode ser uma lição para outras.

Um protesto em apoio aos sem-teto que receberam acomodações temporárias no Lucerne Hotel, em Nova York, no Upper West Side

 

Abrigos para sem-teto são vulneráveis

A suscetibilidade da população de rua à Covid-19 não é exclusiva da cidade de Nova York. Abrigos para sem-teto em quase todos os lugares são particularmente vulneráveis ​​à transmissão de doenças. Os abrigos normalmente não estão equipados, são muito traficados e geralmente são incapazes de fornecer cuidados seguros, especialmente para quem está se recuperando de cirurgias, feridas ou doenças.

Adicione a isso a incapacidade de isolar, colocar em quarentena ou distanciar fisicamente os desabrigados uns dos outros durante o Covid-19. A cidade de Nova York respondeu usando quase 20% de seus hotéis como abrigos temporários, com um a dois clientes por quarto. Isso ajudou, mas dificilmente era uma situação perfeita.

Portanto, a questão é: para onde vão os pacientes sem-teto para convalescer quando recebem alta do atendimento médico urgente, especialmente na era pós-Covid-19?

Pacientes sem-teto que recebem alta de hospitais ou clínicas que vão para centros de acolhimento, abrigos ou para a rua às vezes não se recuperam totalmente de suas doenças. Alguns inevitavelmente voltam ao hospital. O resultado é um ciclo prejudicial e caro para os pacientes e para o sistema de saúde.

E a situação continua a piorar: entre julho de 2018 e junho de 2019, 404 dos desabrigados da cidade morreram – 40% a mais que no ano anterior e o maior aumento ano a ano em uma década. Não há dados desde o início do surto, mas as primeiras evidências sugerem que o número de mortes é maior entre junho de 2019 e junho de 2020. Um hotel de Nova York em Wall Street se converteu em um abrigo para sem-teto.

Um antigo Radisson Hotel na cidade de Nova York foi convertido em um abrigo para sem-teto

 

Trégua médica: uma solução possível

A pausa médica é um cuidado residencial de curto prazo para pessoas sem-teto muito doentes ou frágeis para se recuperar nas ruas, mas não o suficiente para ficarem em um hospital. Ele fornece um ambiente seguro para recuperar e ainda acessar o gerenciamento de cuidados pós-tratamento e outros serviços sociais. Assistência médica temporária pode ser oferecida em instalações independentes, abrigos para desabrigados, casas de repouso e alojamentos provisórios.

A pausa médica funcionou em municípios dos Estados Unidos; os resultados de saúde para os pacientes melhoraram, e hospitais e seguradoras, especialmente o Medicaid, economizaram dinheiro. Mas esses programas são poucos e distantes entre si. Em 2016, havia 78 programas operando em 28 estados. A maioria dos programas é pequena, com 45% com menos de 20 leitos.

Os modelos de atendimento variam, mas essencialmente oferecem leitos em espaço destinado à convalescença, apoio em consultas de acompanhamento, gestão de medicamentos, alimentação clinicamente adequada e acesso a serviços sociais como navegação habitacional e auxílio-benefícios. Alguns programas oferecem atendimento clínico no local.

A pesquisa mostra que os pacientes sem-teto na cidade de Nova York permanecem 36% mais tempo no hospital e custam em média US $ 2.414 a mais por internação do que aqueles com moradia estável. Ao dar alta aos pacientes para programas de descanso, os hospitais reduziram as visitas de emergência após a alta em 45% e as readmissões em 35%. O New York Legal Assistance Group, conduzindo uma análise de custo-benefício, mostrou economia de quase US $ 3.000 por internação temporária (o provedor economizou US $ 1.575, os pagadores economizaram US $ 1.254) por meio da redução das readmissões hospitalares e do tempo de internação.

Estudos fora de Nova York também mostram melhores resultados de saúde de várias maneiras. Um observou que 78% dos pacientes receberam alta do repouso “com saúde melhor”. Os pacientes apresentaram aumentos de 15% a 19% em relação aos cuidados primários após a alta para descanso médico. Além disso, pelo menos 10% e até 55% dos pacientes de descanso médico que receberam alta eventualmente foram para situações de habitação permanente ou melhorada.

 

Próximos passos

Embora existam padrões nacionais acordados para descanso médico, os modelos de programas podem se adaptar para atender às necessidades de uma comunidade específica. Já existem dezenas de modelos de descanso em todo o país, tanto nas grandes cidades como nas pequenas vilas. Uma complicação, entretanto, é a amplitude da abordagem de descanso médico. Por cruzar moradia, falta de moradia e assistência médica, a pausa médica não se encaixa perfeitamente em um único sistema e exigiria colaboração e acordo entre várias agências municipais e estaduais.

Ainda assim, um número crescente de comunidades está buscando alívio médico para preencher a lacuna. Chicago está fazendo parceria com prestadores de serviços para fornecer assistência médica aos desabrigados. Isso inclui o fornecimento de instalações residenciais temporárias e clínicas para ajudar a atenuar o impacto da Covid-19.

Há uma necessidade urgente de ajudar os desabrigados com moradia e assistência médica. A pausa médica é uma solução potencial. Forneceu com sucesso habitação de recuperação e cuidados médicos durante uma pandemia. Por que não deveria se tornar uma parte permanente de nosso sistema de serviço?


Andrew Lin, Desenvolvedor de Programa de Habitação de Apoio no BronxWorks, um grupo sem fins lucrativos que oferece serviços de apoio a moradores de rua e moradias no Bronx, contribuiu para este artigo


por J. Robin Moon, Professor adjunto associado da City University of New York    |   Texto original em português do Brasil com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -