Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Janeiro 27, 2022

Por que esta eleição questiona se os EUA são uma democracia?

José Carlos Ruy, em São Paulo
Jornalista e escritor.

Os EUA há muito se afirmam como a maior democracia do mundo, mas também tem uma longa história de negar às pessoas o direito de votar.

por Sam Levine, em The Guardian   |  Tradução de José Carlos Ruy

Para entender como a supressão de eleitores está moldando a eleição de 2020, basta olhar para o Texas. Embora muitos estados não exijam que os eleitores tenham um motivo para votar pelo Correio, o Texas só permite que os eleitores o façam se tiverem 65 anos ou mais ou se atenderem a outras condições. O estado não permite que as pessoas se inscrevam para votar online.

Mesmo com uma enxurrada de casos de covid, o Texas lutou nos tribunais federais e estaduais com unhas e dentes, com sucesso, para manter essas restrições. No mês passado, o governador do Texas, Greg Abbott, um republicano, emitiu abruptamente uma ordem que limita cada condado do estado a oferecer só uma urna eleitoral. A mudança significou que o condado de Harris, que apoia os democratas e cobre mais de 1.700 milhas quadradas, com 2,4 milhões de eleitores registrados, poderia oferecer apenas um lugar para os eleitores depositarem suas cédulas. O estado de Rhode Island, que é menor do que o condado de Harris, terá mais locais de votação este ano.

A batalha que está acontecendo nos EUA é, de certa forma, uma continuação de uma luta de séculos pelo acesso ao voto. Os afro-americanos tiveram o direito de voto formalmente negado na fundação do país e, mesmo quando o acesso foi concedido no século 19, os estados responderam implementando dispositivos como a cobrança de taxas de votação, testes de alfabetização e leis de privação de direitos dos criminosos, destinadas a manter os afro-americanos longe das urnas.

O Voting Rights Act  de 1965, uma joia da coroa do movimento pelos direitos civis, acabou com muitos desses instrumentos racistas, em parte ao exigir que lugares com um histórico de discriminação eleitoral, como o Texas, obtivessem as alterações nas leis de votação pré-aprovadas antes de entrarem em vigor. Mas, em 2013, a suprema corte dos EUA destruiu essa disposição, dizendo que não era mais necessária. Os estados, livres da supervisão federal, desencadearam uma onda de novas restrições de voto, incluindo novas leis de identificação do eleitor e esforços para fechar locais de votação.

“As forças que estavam bem com as taxas de votação e os testes de alfabetização são os mesmos tipos de restrições que continuem igualmente confortáveis ​​no século 21, com ‘alvejar os afro-americanos com uma precisão quase cirúrgica’ nas identificações de eleitor e exigir obstáculos extras para o voto pelo Correio, em meio de uma pandemia global”, disse Carol Anderson, professora da Emory University em Atlanta. Ela escreveu extensivamente sobre a supressão de eleitores por e-mail.

Por baixo de tudo isso, muitos veem uma tentativa cínica do partido Republicano de tentar preservar o poder enquanto torna deliberadamente mais difícil para as pessoas menos propensas a apoiá-los – grupos como minorias, jovens e os pobres – para votar. Em muitos lugares, os republicanos conseguiram escapar impunes por causa de um esforço sem precedentes em 2010 e 2011 para atrair distritos eleitorais que reforçaram seu controle sobre as legislaturas estaduais, que moldam as leis eleitorais nos EUA. Esse esforço teve sucesso em todo o país, inclusive em estados importantes como Pensilvânia, Michigan e Wisconsin.

A pandemia expôs o quão profundamente arraigada está esta estratégia no Partido Republicano. Mesmo enquanto os estadunidenses enfrentam um risco de saúde sem precedentes, as pessoas têm esperado em filas de horas em todo o país para votar pessoalmente.

Muitos estados exigem que os eleitores devolvam suas cédulas às autoridades eleitorais até o dia da eleição para que sejam contadas. Depois de atrasos generalizados no correio no início deste verão, muitos funcionários eleitorais locais encorajaram os eleitores a devolverem pessoalmente suas cédulas.

Os republicanos na Pensilvânia, Ohio, Flórida e Texas tentaram limitar o uso do voto pelo correio, tornando desnecessariamente mais difícil para os eleitores devolverem suas cédulas.

“O que tem sido preocupante para mim este ano, no que se refere à administração eleitoral, é que o bom senso, serviços práticos para os eleitores, foram politizados e transformados em armas como possíveis atividades partidárias”, disse Tammy Patrick, um conselheiro sênior do Fundo para a Democracia que trabalha em estreita colaboração com administradores eleitorais em todos os EUA. “As autoridades eleitorais em nível estadual e local, nos estados vermelho/azul/roxo, defenderam a oferta de serviços como este a todos os eleitores, na pandemia. Alguns conseguiram fazê-lo, outros foram impedidos de servir bem aos seus eleitores”.

Preocupados com os atrasos nas correspondências, os democratas e grupos de direitos de voto entraram com ações judiciais, pedindo aos funcionários eleitorais que contassem as cédulas, desde que fossem postadas no dia da eleição e chegassem nos dias seguintes. Enquanto a suprema Corte da Pensilvânia, apesar da objeção ruidosa dos republicanos, ordenou uma prorrogação de três dias, os tribunais mantiveram o prazo do dia das eleições em Michigan e Wisconsin, dois estados-chave que provavelmente moldarão o resultado da disputa em 2020. Essas decisões significam que milhares de cédulas provavelmente serão rejeitadas simplesmente porque chegam atrasadas, independentemente de quando o eleitor as colocou no correio (Trump venceu Michigan em 2016 por cerca de 10.000 votos e Wisconsin por pouco menos de 23.000).

Em todos os ataques republicanos ao direito de voto, seu aliado mais poderoso foi a Suprema Corte dos EUA, bem como os tribunais de apelação federais inferiores para os quais Trump nomeou um número sem precedentes de juízes. A suprema corte adotou uma postura descaradamente anti-eleitor, recusando-se a abrandar o prazo para recebimento das cédulas em Wisconsin, requisitos de testemunhas na Carolina do Sul ou até mesmo permitir que condados no Alabama ofereçam votação na calçada. A maioria conservadora da Suprema Corte disse simplesmente que os tribunais federais não devem interferir nas regras de votação na véspera de uma eleição e não devem questionar os legisladores estaduais, que têm autoridade constitucional para definir as regras eleitorais.

A suprema corte também se recusou a bloquear uma lei da Flórida escrita pelos republicanos que exigia que as pessoas condenadas por crimes graves pagassem suas dívidas antes de poder votar novamente. Escrevendo em dissidência, a ministra Sonia Sotomayor disse que a medida impediria as pessoas de votar “simplesmente porque são pobres”. Estima-se que 774.000 pessoas na Flórida, um dos estados indecisos no país, não podem votar porque tem dívidas em dinheiro.

As ações da suprema corte são ainda mais alarmantes porque Donald Trump provavelmente não reconhecerá a eleição (ele disse falsamente que a eleição é “fraudada” e será roubada dele). Com a confirmação da indicação da juíza Amy Coney Barrett, Trump agora tem uma maioria firme de 6 a 3 no tribunal e há poucas dúvidas de que ele tentará usar os tribunais federais para superar uma margem estreita na disputa, se for vencido. Espera-se que haja brigas legais para tentar desqualificar as cédulas por questões técnicas. Embora os especialistas alertem que há um longo caminho antes que a suprema corte seja chamada a decidir uma eleição, a série de decisões anti-eleitor do tribunal é um mau presságio.

“A suprema corte tem um papel desproporcional porque se politizou. Acho que o presidente está esperando que o tribunal espere um determinado resultado, mas não acho que esse resultado seja garantido”, disse Franita Tolson, professora de direito constitucional da University of Southern California.

Apesar de tudo isso, há algumas evidências de que os cidadãos estão reagindo. Houve uma onda gigantesca de comparecimento nas semanas que antecederam a eleição. Um número impressionante de 73 milhões de pessoas já votou, muito mais do que em 2016, de acordo com dados coletados por Michael McDonald, professor de ciências políticas da Universidade da Flórida. No Texas, um estado com um histórico de baixa participação eleitoral, o voto dos jovens está aumentando e o estado está se aproximando rapidamente da participação total de 2016. Os especialistas esperam o maior comparecimento geral em uma disputa presidencial desde 1908.

Após a eleição, os republicanos provavelmente apontarão esses números como evidência de que as alegações de supressão de eleitores são exageradas. Mas isso não é verdade – mesmo se houver um comparecimento recorde este ano, nunca saberemos o número de pessoas que foram impedidas de votar porque não queriam arriscar sua saúde ou obter uma testemunha ou ter uma identidade adequada.

Em vez disso, os EUA estão vendo uma enxurrada de cidadãos continuando a agir contra a infraestrutura de supressão de eleitores que apoia o poder republicano. A estrutura está rangendo sob um novo peso –  os EUA estão se aproximando de sua promessa democrática.


por Sam Levine, Jornalista do “The Guardian”   |   Texto em português do Brasil, com seleção de trechos e tradução de José Carlos Ruy

Exclusivo Editorial PV (Fonte: The Guardian) / Tornado


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -