Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Agosto 2, 2021

Por que Trump deve vencer no partido, em vez de criar um novo

O bipartidarismo nos EUA limita o acesso de atores diversos na política, que precisam se adequar à lógica polarizada de Republicanos e Democratas.

por Marjorie Hershey, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

O ex-presidente Donald Trump afirmou algumas vezes que vai fundar um terceiro partido político chamado Partido Patriota. Na verdade, a maioria dos americanos – 62% em uma pesquisa recente – diz que gostaria de ter a chance de votar em um terceiro partido.

Em quase qualquer outra democracia esses americanos realizariam seu desejo. Na Holanda, por exemplo, até mesmo um pequeno “terceiro” partido chamado Partido para os Animais – composto por defensores dos direitos dos animais, não cães e gatos – ganhou 3,2% dos votos legislativos em 2017 e ganhou cinco cadeiras, de 150, na legislatura nacional.

Ainda assim, nos Estados Unidos, os candidatos à Câmara dos Representantes do Partido Libertário, o mais bem-sucedido dos partidos menores dos EUA, não conquistaram uma única cadeira na Câmara em 2020, embora os libertários tenham obtido mais de um milhão de votos na Câmara. Nem o Partido das Famílias Trabalhadoras, com 390.000 votos, ou o Partido Legalize a Maconha Agora, cujo candidato do Minnesota ao Senado dos EUA obteve 185.000 votos.

Por que os eleitores americanos não têm mais de dois partidos viáveis ​​para escolher nas eleições, quando quase todas as outras nações democráticas do mundo têm?

Regras de pluralidade

Como descobri em pesquisas sobre partidos políticos , o sistema eleitoral americano é a principal razão pela qual os EUA são a única grande democracia com apenas dois partidos consistentemente capazes de eleger funcionários públicos. Os votos são contados na maioria das eleições americanas usando regras de pluralidade ou “o vencedor leva tudo”. Quem obtiver a maioria dos votos ganha a vaga única para a eleição.

Outras democracias optam por contar alguns ou todos os seus votos de maneira diferente. Em vez de, digamos, a Califórnia ser dividida em 53 distritos da Câmara dos EUA, cada distrito elegendo um representante, todo o estado poderia se tornar um distrito com vários membros e todos os eleitores na Califórnia seriam solicitados a escolher todos os 53 membros da Câmara dos EUA usando representação proporcional.

Cada partido apresentaria uma lista de seus candidatos para todas as 53 cadeiras, e você, como eleitor, selecionaria uma das chapas do partido. Se o seu partido obtivesse 40% dos votos no estado, ele elegeria 40% dos deputados – os primeiros 21 candidatos listados na chapa do partido. Este é o sistema usado em 21 dos 28 países da Europa Ocidental, incluindo Alemanha e Espanha.

Em tal sistema – dependendo da porcentagem mínima, ou limite, um partido precisava ganhar uma cadeira – faria sentido até mesmo para um pequeno partido apresentar candidatos para a Câmara dos Estados Unidos, argumentando que se eles obtivessem apenas 5% dos votos , eles poderiam ganhar 5% das cadeiras do estado na Câmara dos EUA.

Portanto, se o partido Legalize Marijuana Now obtivesse 5% dos votos na Califórnia, dois ou três dos candidatos do partido se tornariam membros da Câmara, prontos para argumentar no Congresso pela legalização da maconha. Na verdade, até a década de 1950, vários estados dos EUA tinham distritos com vários membros.

No sistema eleitoral atual, no entanto, se o partido Legalize Marijuana Now obtiver 5% dos votos da Câmara do estado, não ganhará nada. Gastou muito dinheiro e esforço sem funcionários para mostrar isso. Essa desvantagem para pequenos partidos também está embutida no Colégio Eleitoral, onde um candidato precisa da maioria dos votos eleitorais para ganhar a presidência – e nenhum candidato que não seja de um partido principal jamais conseguiu.

 

Festas comandam o show

Há outro fator que trabalha contra o sucesso de terceiros: as legislaturas estaduais estabelecem as regras sobre como os candidatos e partidos são votados, e as legislaturas estaduais são compostas quase exclusivamente por republicanos e democratas. Eles não desejam aumentar sua competição.

Portanto, um candidato de partido menor geralmente precisa de muito mais assinaturas em uma petição para chegar às cédulas do que os candidatos de partido principal, e muitas vezes também paga uma taxa de registro que os candidatos de partido principal não necessariamente precisam pagar.

Além disso, embora muitos americanos se chamem de “independentes”, as pesquisas descobrem que a maioria desses “independentes” na verdade se inclina para os democratas ou para os republicanos, e suas escolhas de voto são quase tão intensamente partidárias quanto aqueles que reivindicam uma filiação partidária.

A identificação partidária é o fator determinante mais importante das escolhas de voto das pessoas; em 2020, 94% dos republicanos votaram em Donald Trump, e a mesma porcentagem de democratas votou em Joe Biden.

O pequeno número de verdadeiros independentes na política americana tem muito menos probabilidade de mostrar interesse pela política e votar. Portanto, não seria fácil para um terceiro fazer com que os americanos deixassem de lado sua lealdade partidária existente.

 

Difícil de chegar lá a partir daqui

A ideia de um partido “de centro” tem grande apelo – em teoria. Na prática, poucos concordam sobre o que “centrista” significa. Muitas pessoas, quando perguntadas sobre isso, imaginam um partido “de centro” que reflete todas as suas próprias visões e nenhuma das visões das quais discordam.

É aí que um Trump Party tem uma vantagem. Os possíveis apoiadores do Partido Trump concordam sobre o que defendem: Donald Trump.

Ainda assim, há um caminho mais fácil para os apoiadores de Trump do que lutar contra o sistema eleitoral dos EUA, regras de acesso às urnas hostis e identificação partidária arraigada. Isso é para assumir o Partido Republicano. Na verdade, eles estão muito perto de fazer isso agora.

Trump mantém um controle poderoso sobre as políticas do partido. Seu conselheiro, Jason Miller, afirmou: “Trump é efetivamente o Partido Republicano”. Esta festa do Trump é muito diferente do GOP de Ronald Reagan. Isso não é surpreendente; os principais partidos dos EUA sempre foram permeáveis ​​e vulneráveis ​​à aquisição por facções.

Existem boas razões para os americanos desejarem mais partidos importantes. É difícil para duas partes captar a diversidade de pontos de vista em uma nação de mais de 300 milhões de pessoas.

Mas a política americana seria muito diferente se o país tivesse um sistema multipartidário viável, no qual os eleitores pudessem escolher entre, digamos, um Partido Socialista, um Partido Supremacista Branco e talvez até um Partido para os Animais.

Para chegar lá, o Congresso e as legislaturas estaduais precisariam fazer mudanças fundamentais nas eleições americanas, convertendo distritos de um único membro com regras de o vencedor leva tudo em distritos de vários membros com representação proporcional.


por Marjorie Hershey, Professor Emérito de Ciência Política na Indiana University   |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -