Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 23, 2021

Prioridades – e problemas internacionais – de Biden depois de Trump

Vale a pena investir tempo na negociação de acordos de longo prazo com um país cujas políticas variam tão drasticamente de um governo para o outro? Este é o dilema que Biden terá que enfrentar com grande parte do mundo, segundo estudiosos americanos.

por Muqtedar Khan, Garret Martin, Jennifer M. Piscopo, Joyce Mao e Julius A. Amin em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Nota do editor:

O presidente Joe Biden herda de Donald Trump um Estados Unidos que estava simultaneamente isolado do resto do mundo e abertamente hostil a partes dele. Biden – um líder com mentalidade internacional que tem relacionamentos de longa data com líderes mundiais – já começou a reingressar nos tratados e alianças abandonados por Trump.

Crises domésticas terríveis manterão a atenção de Biden voltada para casa, pelo menos no início de sua administração, mas ele diz que os EUA estão “prontos para liderar o mundo”. Aqui, os especialistas avaliam o estado das relações americanas com uma esquerda mundial cética em relação à liderança americana.

 

América latina

por Jennifer M. Piscopo, Occidental College

A fé da América Latina na liderança dos EUA, antes sustentada pela abordagem cooperativa e colaborativa de Obama, declinou sob Trump.

O governo Trump ignorou o comportamento autoritário em toda a região – exceto na Venezuela, Nicarágua e Cuba, onde impôs sanções e até ameaçou uma intervenção militar. Muitos viram essas punições, que evocam a história de interferência dos Estados Unidos nos assuntos internos da América Latina, como mais voltadas para ganhar votos de emigrantes anticomunistas na Flórida do que ajudar os cidadãos dessas nações.

O fortalecimento da fronteira EUA-México também não ajudou os interesses da região.

As políticas de imigração de Trump criaram uma crise humanitária em lugares como Tijuana

Trump tornou a imigração mais difícil enquanto cortava a ajuda externa à Guatemala, El Salvador e Honduras – nenhum dos quais abordou os motivos pelos quais as pessoas continuavam deixando a América Central. Os migrantes foram forçados a esperar o fim do processo de asilo dos EUA no México, o que levou a que campos de refugiados surgissem ao longo da fronteira. Nos Estados Unidos, crianças em busca de asilo foram separadas de seus pais. A papelada de baixa qualidade, até agora, tornou a reunificação impossível para várias centenas de famílias.

Como Trump limitou o envolvimento e apoio econômico dos EUA na América Latina, a China intensificou o seu. O dinheiro chinês paga pelas minas da região, projetos de energia, telecomunicações, agricultura, manufatura, infraestrutura, portos e, mais recentemente, acesso à vacina contra o coronavírus. Os EUA continuam sendo o maior parceiro comercial do México, mas para o resto da América Latina, a honra vai para a China.

Biden deve restabelecer o corte de apoio humanitário de Trump. E, ao contrário do investimento estrangeiro chinês, que se restringe a acordos comerciais, o dinheiro dos EUA vem com condições intervencionistas para fortalecer a democracia liberal, como exigências de combate à corrupção ou manutenção de eleições livres.

Ainda assim, o entusiasmo pela democracia na América Latina está diminuindo. O apoio à governança democrática caiu de cerca de 64% em meados da década de 2010 para 57% em 2019, de acordo com pesquisa da Universidade Vanderbilt. Do presidente brasileiro Jair Bolsonaro – apelidado de “Trump tropical” – aos líderes da linha dura em El Salvador e na Colômbia, as Américas sentem o fascínio da política do homem forte.

 

África

por Julius Amin, University of Dayton

A China também é o principal concorrente dos Estados Unidos na África.

A China estabeleceu fortes laços econômicos e políticos com o continente, realizando cúpulas com líderes africanos e fornecendo significativa assistência ao desenvolvimento, incluindo a Etiópia, África do Sul e Nigéria. Em troca de investimento, ele explorou os enormes recursos da África: petróleo, café, borracha, óleo de palma, diamantes, ouro, urânio.

Trump frequentemente agia como se a África fosse irrelevante, até insultando grosseiramente a região. Sua rejeição do Acordo do Clima de Paris e da adesão à Organização Mundial da Saúde se traduziu em uma perda significativa de dinheiro destinado a ajudar os países africanos. O mesmo aconteceu com seu corte na ajuda externa. Trump foi o primeiro presidente dos EUA neste século a não visitar a África.

Mas a África desempenha um papel importante na guerra global contra o jihadismo e tem tanto jovens democracias quanto velhas autocracias – todos interesses estratégicos dos EUA.

Biden ainda deve reverter a tendência da África em direção à China. Embora as promessas feitas na cúpula EUA-África de 2014 do governo Obama, da qual Biden participou como vice-presidente, não tenham sido cumpridas, os líderes africanos receberam de forma entusiasmada a vitória de Biden em novembro.

A nomeação de pessoal experiente em política externa para cobrir a região aproveitaria esse impulso. E desde que um grande número de profissionais do Departamento de Estado começaram suas carreiras no exterior como voluntários do Corpo da Paz na África, Biden tem um rico pool de talentos para escolher.

 

China

por Joyce Mao, Middlebury

Com a China, Biden herda os mesmos desafios que Trump enfrentou e não conseguiu resolver, de um déficit comercial maciço à acusação de suposta apropriação indevida da propriedade intelectual americana pela China.

Depois, há o Mar da China Meridional, onde as reivindicações territoriais da China por ilhas estratégicas ameaçam o acesso dos EUA aos recursos naturais e às rotas de navegação. Na última década, os EUA usaram recursos militares e retórica acalorada para conter as manobras chinesas no país, assim como países do sudeste asiático, como as Filipinas. Mas o Mar da China Meridional continua sendo uma questão controversa.

Biden prometeu “lutar como o inferno” para defender a posição global da América contra o poder crescente da China, usando uma retórica mais colaborativa do que Trump. Mas o novo presidente ainda não sinalizou uma nova grande estratégia que garantirá consistência, muito menos a primazia dos interesses americanos.

 

Europa

por Garret Martin, American University

Depois de quatro anos tumultuados sob Donald Trump, o governo Biden quer reparar as relações fraturadas dos EUA com a União Europeia, e rápido.

Imediatamente após assumir o cargo, Biden voltou a aderir aos acordos climáticos de Paris e à Organização Mundial da Saúde, tornando-o querido aos aliados europeus. Ao contrário de Trump, ele respeita profundamente a OTAN, uma parceria de segurança transatlântica de décadas que Biden chamou de “a aliança militar mais significativa do mundo”. Os parceiros europeus da América também darão as boas-vindas a um retorno a relações mais previsíveis com os EUA sob Biden e ao fim da diplomacia por meio de tweets.

Mas as mudanças no tom e no estilo não mudarão necessariamente a substância da parceria transatlântica da América. Apesar de todo o foco em Trump, a União Europeia e os EUA ainda discordam em questões importantes, como privacidade de dados, como lidar com a China e até que ponto a Europa pode tributar os gigantes americanos da tecnologia.

Os europeus continuam desconfiados da profunda polarização dos Estados Unidos. Vale a pena investir tempo na negociação de acordos de longo prazo com um país cujas políticas variam tão drasticamente de um governo para o outro?

 

Oriente Médio e Sul da Ásia

Muqtedar Khan, Universidade de Delaware

Além do conflito israelense-palestino em curso, Biden enfrenta dois problemas do Oriente Médio que se deterioraram durante a observação idiossincrática do governo Trump.

O primeiro é uma tensão emergente entre nações árabes e não árabes. O Irã e a Turquia estão desafiando dois dos aliados árabes da América, Arábia Saudita e Egito, pelo domínio político e militar da região.

Um campo de refugiados iemenita no governo de Hajjah, 23 de janeiro de 2021. Partes do Iêmen estão passando fome em massa devido à guerra civil

Trump tentou o poderio militar e a punição para controlar o Irã, saindo do acordo nuclear internacional com o Irã e assassinando um general reverenciado. Biden diz que pode voltar ao acordo com o Irã. Mas as relações americanas com o Irã raramente foram piores. A administração Trump tentou apaziguamento diplomático para administrar a Turquia, um companheiro membro da OTAN. Ainda assim, continua a minar os aliados da América no Oriente Médio e incomodar Washington ao comprar armas da Rússia. Biden pode ser menos conciliador.

O segundo grande problema com o qual Biden enfrenta no Oriente Médio são seus muitos Estados frágeis e decadentes, do Iêmen e Líbia à Síria, Iraque e Sudão. Estados falidos geram instabilidade, refugiados e crises humanitárias.

Historicamente, os EUA estão extremamente engajados no Oriente Médio. Investiu mais de US$ 2 trilhões para “levar a democracia” ao Iraque desde 2002. Os EUA negociaram com o Irã e intermediaram mais de uma dúzia de acordos de paz relacionados a Israel desde 1978. A equipe de política externa de Biden provavelmente também se concentrará na região.

À medida que o poder global da China cresce, o Sul da Ásia também se torna mais crítico para a política externa dos EUA.

É o lar de duas potências nucleares – Índia e Paquistão – e a maior democracia liberal do mundo, a Índia. Trump era próximo ao primeiro-ministro indiano Narendra Modi, e seu governo reconheceu a Índia – junto com a Austrália e o Japão – como a chave para conter o poder chinês crescente no sul da Ásia. Biden pode endossar uma política mais branda da China, o que mudaria, e potencialmente enfraqueceria, as relações dos EUA com a Índia.

Finalmente, há o Afeganistão. Em fevereiro de 2020, os EUA assinaram um acordo de paz com os insurgentes do Talibã para encerrar sua guerra de 19 anos ali. Para que as tropas americanas restantes voltem para casa, no entanto, o Talibã também deve fazer um acordo com o governo afegão, que há muito tenta derrubar. A paz está longe de ser garantida.


por Muqtedar Khan, Garret Martin, Jennifer M. Piscopo, Joyce Mao e Julius A. Amin, em The Conversation    |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Muqtedar Khan, Professor do curso de Islam e Assuntos Globais da Universidade do Delaware
  • Garret Martin, Professor sênio e co-diretor do Centro de Política Transatlantica, na American University School of International Service
  • Jennifer M. Piscopo Professora associada de Politica, na Faculdade Occidental
  • Joyce Mao, Profe,ssora associada de history, Middlebury
  • Julius A. Amin, Professor do Departamento de Historia da Universidade de Dayton

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -