Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Setembro 18, 2021

Prossegue coleta de assinaturas para independência do povo saharaui

Saiba como declarar sua solidariedade à luta do povo saharaui, até esta quarta-feira (17), às 18h (horário de Brasília).

Entidades da sociedade civil no Brasil estão coletando apoios individuais e institucionais para uma carta dirigida à embaixada da Espanha no Brasil. Indivíduos e entidades que quiserem declarar sua solidariedade à luta do povo saharaui, podem fazê-lo até esta quarta-feira (17), às 18h (horário de Brasília).

As entidades querem que o atual governo – que se diz o mais progressista, desde o fim do franquismo – assuma a responsabilidade jurídica e histórica do país no processo de descolonização do território, e pressione o Marrocos a cessar os ataques contra a população civil nas cidades ocupadas.

Desde o fim do cessar-fogo, em novembro, a perseguição e a detenção a ativistas e jornalistas aumentou muito.

Para assinar a carta é só clicar aqui.

Leia a íntegra do texto de abaixo-assinado:

 

Prezado Sr. Fernando García Casas
Embaixador da Espanha no Brasil

Ref: Proteção de civis em territórios ocupados do Saara Ocidental

Sua Excelência o Senhor García Casas,

As organizações e indivíduos abaixo subscritos transmitem-lhe a nossa preocupação com a situação dos activistas e jornalistas saharauis que vivem nas cidades ocupadas do Sahara Ocidental, sob o controlo do Estado marroquino.

Nas últimas semanas, foram inúmeras as notícias e histórias de ataques das forças de segurança a civis que, em demonstração de liberdade de pensamento e expressão, condenam e denunciam a ocupação ilegal de seu território.

Um exemplo dramático é o da renomada ativista Sultana Khaia, que recentemente passou por tratamento médico na Espanha e, desde seu retorno à cidade ocupada de Bojador no final de 2020, tem sofrido ataques diários de policiais e agentes de segurança.

Histórias e imagens obtidas por grupos de comunicação locais como Fundação Nushatta e Equipe Media mostram o momento em que ela e sua família são covardemente atacadas com pedras na porta de suas casas. Ressalte-se que Sultana, que perdeu um olho durante a repressão policial em um protesto estudantil, é impedida de deixar sua residência por essas mesmas forças de segurança, numa espécie de prisão domiciliar absolutamente ilegal e fora do sistema de justiça.

As evidências de abuso se multiplicam a cada dia. Muitos activistas encontram-se na mesma situação de prisão domiciliária extralegal, como a que foi imposta aos membros da organização Instância Saharaui Contra a Ocupação Marroquina (ISACOM); ou sofrendo ameaças de prisão, desaparecimento ou assassinato, como tem sido o caso de jornalistas da Equipe Media e da Fundação Nushatta.

A grave situação dos sarauís nos territórios ocupados por Marrocos sempre foi fonte de preocupação por parte das organizações de defesa dos direitos humanos e está amplamente documentada. No entanto, o assédio e a perseguição política foram agravados com o fim do cessar-fogo em Marrocos e com a retomada dos confrontos militares na fronteira em novembro passado.

Organizações como a Anistia Internacional e a Human Rights Watch vêm expressando crescente preocupação com a situação nas cidades ocupadas, assim como o Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Detenção Arbitrária (UNWGAD).

No início de fevereiro deste ano, o órgão exigiu a libertação imediata do jovem jornalista saharaui Walid Salek El Batal, detido em 2019, e afirmou que existe, no Sahara Ocidental ocupado, um esquema de detenções de activistas saharauis favoráveis ​​ao direito de autodeterminação de seu povo, além de práticas discriminatórias que violam seus direitos humanos.

“O Grupo de Trabalho observa que existe uma prática generalizada de abuso contra pessoas como o Sr. El Batal, que defendem o direito à autodeterminação do povo do Saara Ocidental. O Grupo de Trabalho recorda as suas decisões anteriores em relação aos sarauís e a constatação de que as pessoas afetadas por essas decisões foram discriminadas. “

Estas constatações somam-se a muitos relatórios anteriores das Nações Unidas, que atestam as violações sistemáticas dos direitos fundamentais por parte do aparelho repressivo do Estado marroquino, em particular nas suas prisões e esquadras de polícia. Um exemplo é o extenso documento produzido em 2013 pelo próprio UNWGAD sobre a prisão do ativista saharaui Mohamed Dihani, que deixa clara a materialidade e a extensão da prática de tortura nas prisões do país.

Outro caso emblemático é o do jornalista Mohamed Lamine Haddi, condenado a 25 anos de prisão (dos quais já cumpriu mais de dez) por participar do campo de Gdeim Izik em 2010. Está isolado há 3 anos e há mais de 10 anos por mês em greve de fome para denunciar as terríveis condições a que está submetido.

Tudo isto, vale a pena sublinhar, acontece sem qualquer intervenção da Cruz Vermelha, que fez a sua última visita aos territórios ocupados em 2001, apesar dos sucessivos apelos de grupos civis saharauis e da Frente Polisário.

Lembramos que a Convenção das Nações Unidas contra a Tortura e Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes, ratificada pela Espanha e também por Marrocos, garante a possibilidade de comunicar ao Comitê contra a Tortura qualquer violação das disposições do referido tratado por qualquer parte. de outros Estados-Membros.

Como se pode constatar, estas são algumas das consequências do facto de os sarauís continuarem sem protecção, uma vez que nem mesmo a missão de paz, a Missão das Nações Unidas para o Referendo no Sahara Ocidental (MINURSO), já no território. Há três décadas, foi incumbido de monitorar a situação dos direitos humanos das pessoas sob ocupação.

Reforçamos que é fundamental garantir a segurança e integridade física dos saharauis que vivem nos territórios ocupados. Não há dúvida de que a sua vida depende da pressão que os principais parceiros políticos e comerciais de Marrocos possam exercer para garantir a sua protecção, o que é inequivocamente o caso em Espanha.

Gostaríamos de lembrar que, de acordo com três decisões da Assembleia Nacional, o Estado espanhol continua a ser a potência administradora responsável pelo processo inacabado de descolonização do Sahara Ocidental.

Portanto, não se trata apenas da protecção dos laços históricos, políticos e humanos que Espanha mantém com a população saharaui, mas sobretudo de uma responsabilidade jurídica que deve materializar-se numa posição firme e intransigente a favor do respeito pelos direitos humanos e o processo de descolonização do território.

É com o maior respeito e preocupação que nos dirigimos a você. Solicitamos que os acontecimentos recentes sejam acompanhados com o máximo rigor pelo governo espanhol e que tudo seja feito para garantir o respeito pelos direitos humanos nos territórios ocupados.

Estamos a poucos dias da data que marca a fundação da República Árabe Sahrawi Democrática, 27 de fevereiro de 1976, e assistimos ao triste retorno do conflito armado, em clara evidência do fracasso do processo de descolonização. 46 anos se passaram. Nunca foi tão urgente que o Estado espanhol reassuma o seu dever histórico e jurídico e garanta a liberdade e a protecção do povo saharaui.

A sociedade civil brasileira continuará acompanhando o caso.


por Cezar Xavier  |  Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -