Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Fevereiro 6, 2023

Quando vi as imagens, chorei. Primeiro, de raiva e revolta; depois, de tristeza; ao fim, por justiça

Alex Saratt, Rio Grande do Sul
Alex Saratt, Rio Grande do Sul
Professor das redes públicas municipal e estadual em Taquara (RS), 1° vice-presidente estadual do Cpers, Secretário de Comunicação da CTB RS e Secretário Adjunto da CNTE

Ensina a pesquisa rápida que o etnônimo “Yanômami” (termo gentílico criado pelos antropólogos para designar o referido povo indígena) significa “seres humanos” e é o que os diferencia dos demais elementos vivos ou espirituais da natureza dentro de sua cultura e cosmovisão.

Seres humanos, vejam vocês. Nada mais distante de qualquer traço de humanidade do que as chocantes, repugnantes, ignóbeis cenas retratadas pelos agentes federais enviados à reserva tanômami, terra desde muito tempo açoitada pela ação de grileiros, fazendeiros e garimpeiros, sob a omissão e mesmo o estímulo e beneplácito de governos, empresários e da sociedade.

Em nome de uma suposta soberania ou da expansão agrícola e comercial e seus dividendos ou da ganância por ouro e pedras preciosas ou pelo simples ódio aos povos originários vimos as provas de um crime selvagem, com requintes de crueldade, coberto mal e porcamente pela rede de mentiras que governou o país.

São muitas as violações e brutalidades que vivemos na longa noite escura dos seis anos. O Golpe de 2016 desencadeou um dos mais violentos processos involutórios já conhecidos por esse chão acostumado a ter a marca de sangue e morte ao longo de seus mais quinhentos anos de existência.

Faltou a vacina, faltou o ar; faltou a comida, faltou a vida. Em plena era da suficiência, da fartura, do excesso e do desperdício, padecemos pela miséria ávara, pelo egoísmo mesquinho e pela escassez proposital e planejada, método e fim de uma política calculada de extermínio bestial.

Não foi um acaso ou um fenômeno da natureza, foi aquilo que convecionamos chamar de “necropolítica”. E sua concepção, execução e regozijo tem DNA e nome e sobrenome: Jair Messias Bolsonaro, o rufião que simula exílio para escapar da Justiça por seus inúmeros crimes à frente da Presidência do Brasil.

A tragédia dos yanômamis, seres humanos reduzidos à indigência, sofrimento e morte, é apenas a ponta de uma árvore tóxica e maligna com raízes profundas. Muitos outros povos indígenas, quilombolas, populações de periferia – majoritariamente negra – e pobres em geral viveram o Inferno na Terra com a política fascista, negacionista e genocida de Bolsonaro.

É preciso que o mundo saiba de seus crimes e se monte um grande movimento internacional para que nenhum país aceite em seu solo aquele que é o responsável por essa desgraça, permitindo que seja julgado pelos crimes contra a humanidade. Afora isso, para além das ações já em curso feitas pelo governo do presidente Lula, resta criar – como fez o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, o MST – uma potente rede de solidariedade e abastecimento que não só auxilie materialmente os yanômamis e outros povos e populações, mas de modo pedagógico ensine e recupere na mente e no espírito das pessoas os princípios humanistas e civilizacionais mais generosos e elevados.


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -