Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 23, 2021

Quem lucra com o roubo dos fosfatos no Sahara Ocidental

Isabel Lourenço
Observadora Internacional e colaboradora de porunsaharalibre.org

Relatório da Western Sahara Resource Watch (WSRW) denuncia companhias da Austrália, Índia, EUA, Canadá, Nova Zelândia, Lituânia/Suíça/Rússia, Venezuela e Colômbia.

Mais de 200 milhões de dólares de rocha fosfática foram exportados dos territórios ocupados do Sahara Ocidental, no ano passado.

A denúncia minuciosa de todos aqueles que lucram com o roubo e saque por parte de Marrocos deste valioso recurso natural é publicada no último relatório da WSRW, organização que monitoriza os recursos naturais da última colónia de África. Pela primeira vez, a Índia está entre os principais importadores.

Pelo quarto ano consecutivo, a WSRW publica uma visão detalhada das empresas envolvidas na compra de fosfatos do Sahara Ocidental ocupado.

A rocha de fosfato que é explorada ilegalmente é a principal fonte de rendimento do governo marroquino a partir do território que detém, contrário ao direito internacional.

A lista apresentada neste relatório está completa para o ano civil de 2016, designando todos os embarques de fosfatos do Sahara Ocidental ocupado. Este relatório atribui as compras da produção de Marrocos no Sahara Ocidental em 2016 a oito empresas importadoras identificadas e uma desconhecida, de oito países.

Informação detalhada

O relatório detalha o volume total exportado do Sahara Ocidental em 2016 em 1,86 milhão de toneladas, com um valor estimado de US $ 213,7 milhões, embarcado em 37 navios a granel. Isso constitui um ligeiro aumento das exportações desde 2015, depois de falhas de infra-estrutura para o exportador causado números invulgarmente baixos em 2015. O maior importador em 2016 foi a Agrium Inc. do Canadá.

Vários clientes internacionais cancelaram as controversas importações no último ano. Um notável desenvolvimento de 2016 foi a entrada no jogo do roubo de uma subsidiária da OCP na Índia. A OCP é uma empresa marroquina que exportou um volume de 344.000 toneladas de fosfato para sua própria empresa na Índia, no valor de US $ 39,6 milhões. Isso fez com que a joint venture OCP fosse o segundo maior importador de exportações da OCP do Sahara Ocidental. OCP é parte-proprietária da joint-venture, juntamente com o governo.

As acções e assuntos financeiros da OCP na bolsa de mercados da Irlanda são tratados por Barclays, Morgan Stanley e JP Morgan, corporações de serviços financeiros multinacionais com sede no Reino Unida e nos EUA.

Das nove empresas importadoras identificadas em 2016, três estão registadas em bolsas de valores internacionais ou são de propriedade maioritária de empresas listadas. Todas foram sujeitas a lista negra por investidores eticamente preocupados com este comércio baseado no saque ilegal.

Das seis empresas restantes, duas são cooperativas de propriedade de agricultores na Nova Zelândia, duas são de propriedade total ou parcial do Governo da Venezuela, uma é parcialmente propriedade do Governo da Índia e uma é de propriedade privada.

Download Relatório “P for Plunder 2016” 

Imagens do relatório da Western Sahara Resource Watch

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -