Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Agosto 5, 2021

Quinze vírus que mudaram a história da humanidade

Alguns vírus transformaram a medicina, outros a economia e até o sexo. Uns descobriram novos mundos, outros encerraram velhos mundos. Alguns foram responsáveis até por afetivas lembranças da infância. Mas todos deixaram sua marca para sempre.

por Raúl Rivas González, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

O toque real foi um procedimento vão de imposição de mãos praticado por reis franceses e ingleses durante a Idade Média e a Renascença. Seu objetivo era curar as doenças fatídicas de seus súditos. Embora tenha sido usado especialmente contra a tuberculose, durante um tempo sua prática se estendeu a outros tipos de doenças, tanto de origem bacteriana quanto viral.

Cemitério Longbyearbyen (Ilhas Svalbard, Noruega), onde um grupo de mineiros jaz vítima da epidemia de gripe de 1918

Durante o reinado de Elizabeth I, o costume foi novamente restrito à área da escrófula, um processo infeccioso que afeta os gânglios linfáticos.

Elizabeth I foi uma rainha ousada, contundente e poderosa e a última monarca da dinastia Tudor a governar a Inglaterra e a Irlanda. Tanto sua aparência física quanto seus hábitos cosméticos eram muito característicos. Naquela época, maquiar-se era um sinal de distinção e a rainha o fazia profusamente com chumbo branco veneziano, pigmento branco também conhecido como chumbo branco.

A maquiagem deu a ela uma aparência imaculada, quase virgem e branca e combinava com seu apelido, “a Rainha Virgem”. É aquela foto de pele esbranquiçada que passou para a posteridade e sobreviveu até hoje.

Retrato de Isabel I (de autoria anônima, por volta de 1589), comemorando a derrota do exército espanhol. Wikimedia Commons

A razão pela qual Elizabeth I usou tanta maquiagem foi para esconder as marcadas e numerosas marcas faciais que lhe deram uma doença mortal que contraiu aos 29 anos: a varíola. Ela conseguiu sobreviver, mas as cicatrizes que o vírus deixou em seu corpo a acompanharam por toda a vida.

Como o da varíola, muitos outros vírus desempenharam um papel essencial em episódios importantes da história, seja na literatura, na arte, na ciência, na política ou em muitas outras facetas terrenas que constituem os limites de nossa existência como espécie. Estes são apenas alguns exemplos.

 

Varíola e a primeira campanha de vacinação em massa

A varíola é a doença causada pelo vírus varíola, um ortopoxvírus altamente contagioso que matou o todo-poderoso Ramsés V, quarto faraó da 20ª dinastia do Egito, e o imperador asteca Moctezuma.

O María Pita, navio fretado para a expedição, partindo do porto da Corunha em 1803 (gravura de Francisco Pérez). Wikimedia Commons

A propagação da varíola fatal durante os séculos 18 e 19 levou o médico militar espanhol Francisco Javier de Balmis y Berenguer em 1803 a organizar a “Expedição Filantrópica de Vacinas Real”, apelidada de Expedição Balmis. Seu objetivo era vacinar contra esta doença a todos os súditos do Império Espanhol.

A ação foi apoiada e custeada pelo rei Carlos IV, comprometido com a causa depois de ver sua filha, a infanta María Teresa, morrer de varíola. A façanha, ocorrida entre 1803 e 1814, foi a primeira campanha de vacinação em massa da história.

Em 1980, a Organização Mundial da Saúde (OMS) certificou a erradicação da varíola como consequência de uma excepcional campanha global de vacinação liderada pelo epidemiologista Donald Henderson.

 

O vírus do mosaico do tabaco e o desenvolvimento da virologia

Dmitry Ivanovsky. Wikimedia Commons

Em 1882, o alemão Adolf Mayer descreveu pela primeira vez a doença do mosaico do tabaco. Ao mesmo tempo, em São Petersburgo, Dmitri Ivanovsky também estudava patologia. Ivanovsky mostrou que o agente causador passou por um filtro esterilizante, sem perceber que havia descoberto um novo tipo de agente infeccioso: os vírus.

O vírus do mosaico do tabaco possibilitou o desenvolvimento da virologia. Ele também contribuiu significativamente para a compreensão da natureza genética do RNA, o código genético e o avanço da biologia molecular e a compreensão das propriedades físico-químicas e antigênicas das macromoléculas.

 

Vírus da imunodeficiência humana e AIDS: a primeira grande pandemia da mídia

No final do século 20, o vírus da imunodeficiência humana (HIV) teve um impacto devastador nas esferas social, econômica, sanitária e demográfica do planeta, tornando-se a primeira grande pandemia que a sociedade tecnologicamente avançada enfrenta.

Em seus estágios mais avançados, é comum ter uma das mais de 20 infecções oportunistas ou cânceres relacionados à disseminação do vírus. Naquela época, afirma-se que a pessoa sofre da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS).

Fotomicrografia do HIV-1 (verde) em uma cultura de linfócitos. Wikimedia Commons / C. Goldsmith / CDC

Até o momento, cerca de 35 milhões de pessoas morreram de causas relacionadas à AIDS. Entre eles, celebridades como Freddy Mercury, Rock Hudson ou Anthony Perkins, que ajudaram a tornar a doença visível.

A presença do vírus mudou o mundo, modificando costumes, comportamentos, hábitos de saúde, uso de drogas, métodos de prevenção, práticas médicas e relações sexuais de milhões de pessoas.

 

O vírus do mosaico da tulipa e o “negócio do ar”

O vírus do mosaico da tulipa causa uma redistribuição de pigmentos na flor da tulipa, criando espécimes maravilhosos e únicos. Em meados do século XVI, afetou pela primeira vez o cultivo de tulipas na Holanda, dando origem a variedades imprevisíveis e irrepetíveis que acenderam a ganância e o desejo dos compradores.

A posse de uma daquelas tulipas vistosas era um símbolo de opulência e poder. Assim, em 1623, o preço de um único bulbo era cinco vezes o salário anual de um artesão.

Em 1637, as especulações de bulbos de tulipas entraram em colapso. As falências se espalharam por todo o país, a economia holandesa quebrou e a paisagem social foi reorganizada. O fenômeno ficou conhecido como windhandel (negócio aéreo) e constituiu a primeira grande bolha econômica da história.

 

Enterobacteriófago T4

O bacteriófago T4 ou fago T4 é um vírus que infecta a bactéria Escherichia coli e um dos organismos modelo mais amplamente utilizados em laboratórios científicos.

É fácil e seguro de crescer, por isso seu estudo se intensificou desde meados do século XX. Como resultado, muitos dos princípios básicos e gerais da biologia molecular e da evolução desses patógenos foram descobertos. O pequeno vírus mudou o curso da pesquisa científica e da ciência elementar em todo o mundo.

 

Qual o papel do sarampo na colonização da América?

O sarampo é uma doença viral altamente contagiosa que pode causar complicações graves, como cegueira, encefalite, diarreia grave, infecções de ouvido ou pneumonia.

De acordo com estimativas da OMS e dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, em 2018 mais de 140.000 pessoas morreram de sarampo em todo o mundo.

Chegou ao continente americano no século 15, junto com os colonizadores espanhóis. Os indígenas não estavam imunizados contra a doença, de modo que as epidemias de sarampo e varíola facilitaram aos conquistadores Hernán Cortés e Francisco Pizarro, apoiados por apenas algumas centenas de soldados, a subjugar poderosos exércitos bem estabelecidos como os astecas de Moctezuma, no México, ou o Inca de Huayna Cápac, no Peru.

 

SARS-CoV, um ponto de inflexão na economia asiática

O SARS-CoV é um coronavírus detectado pela primeira vez em 2002 na província chinesa de Guangdong. É responsável pela síndrome respiratória aguda grave (SARS). De acordo com a OMS, mais de 8.000 pessoas adoeceram com a SARS durante o surto de 2003. 774 morreram.

A nova doença fez com que o governo chinês impusesse quarentenas e isolamento a grande parte da população, impedindo o desenvolvimento de práticas comerciais normais. Como resultado, algumas empresas começaram a promover o comércio eletrônico.

Por exemplo, o negócio da plataforma Alibaba cresceu 50%. A empresa lançou o Taobao que em apenas dois anos ultrapassou o eBay, tornando-se o líder do mercado chinês e facilitando o desenvolvimento do próspero comércio eletrônico de hoje.

 

Como a febre amarela interrompeu a construção do Canal do Panamá

Obras de construção do Canal do Panamá em 1913. Wikimedia Commons / Thomas Marine

A febre amarela é uma doença viral aguda e hemorrágica, causada por arbovírus do gênero Flavivirus e transmitida por mosquitos infectados dos gêneros Aedes e Haemogogus. No final do século 19, a doença atrapalhou as obras do Canal do Panamá. Como os trabalhadores adoeceram ou deixaram o trabalho por medo de contágio, sua construção foi atrasada 33 anos.

De fato, a febre amarela, a malária e a gestão desastrosa levaram ao abandono do projeto e ao fim do “canal francês”. Isso fez com que o governo dos Estados Unidos financiasse o projeto, ao obter os direitos de exploração e construção. Finalmente, foi inaugurada em 15 de agosto de 1914, tornando-se uma das obras de engenharia mais importantes da história.

 

Peste suína africana: um entrave no mercado de suínos em 2018

A peste suína africana (PSA) é uma doença altamente contagiosa causada por um vírus DNA da família Asfarviridae. Não representa uma ameaça à saúde humana, mas é letal para porcos domésticos e javalis de todas as idades.

Vírus da peste suína africana. Wikimedia Commons

Como a PSA é uma doença de notificação obrigatória à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), quando um surto aparece em uma granja de suínos, todos os porcos devem ser abatidos e medidas sanitárias rigorosas devem ser implementadas. Ações que causam perdas econômicas diretas e indiretas e consequências sociais nas regiões afetadas.

Em agosto de 2018, um surto de ASF apareceu no nordeste da China e se espalhou rapidamente por todo o país. Apesar de a China ser um dos maiores produtores e consumidores de carne suína do mundo, a doença matou 40% desses animais no país. Centenas de milhões de animais morreram ou tiveram que ser sacrificados.

O resultado foi uma escassez crônica de carne suína e preços disparados. As importações de carne suína aumentaram, mas, como não havia suínos suficientes no mundo para abastecer a China, os preços em todos os países aumentaram.

Diante da impossibilidade de criar suínos, a China priorizou a produção de frangos. Além disso, deixou de comprar cereais e soja para ração no mercado externo, alterando todos os mercados do mundo.

 

A vacina da poliomielite, inspiração musical

Roosevelt, seu cachorro Fala e sua neta Ruthie Bie fotografados em 1941. Wikimedia Commons / Margaret Suckley

O vírus da poliomielite é transmitido de pessoa para pessoa, na maioria das vezes pela via fecal-oral, mas também pode ser transmitido por meio de alimentos ou água contaminados. Durante o século 20, a doença atingiu proporções epidêmicas. Combatê-lo era o objetivo preferencial para tentar sua erradicação.

Em 1921, Franklin Delano Roosevelt contraiu poliomielite, e o vírus o deixou em uma cadeira de rodas para o resto de sua vida. Portanto, quando se tornou presidente dos Estados Unidos em 1933, ele deu início à conhecida “guerra contra a poliomielite”. A popularidade de Roosevelt era tão grande que lhe permitiu ser o único presidente a vencer quatro eleições americanas.

Em 1963, o governo realizou uma agressiva campanha publicitária em favor da vacinação contra a poliomielite com a vacina Sabin. Administrar isso a um de seus filhos inspiraria o compositor Robert Sherman a criar uma das músicas mais famosas da história do cinema: A Spoonful Of Sugar, de Mary Poppins.

 

Adenovírus humano tipo 12

Os adenovírus foram descobertos pela primeira vez em 1953 por Wallace Rowe. Eles foram isolados de cultura de células de tecido adenóide, daí o sobrenome Adenoviridae.

Estes são pequenos vírus que incluem 7 espécies de adenovírus humanos (A a G) e 57 sorotipos imunologicamente distintos. Em 1962, John Trentin e seus colegas descobriram que, em condições de laboratório, o vírus causava câncer em hamsters bebês. Esta foi a primeira demonstração de atividade oncogênica causada por um vírus humano.

Os adenovírus ajudaram os cientistas a estudar as funções dos genes. Também para entender o splicing do RNA mensageiro, poliadenilação alternativa, potenciadores e inativação de proteínas de genes supressores de tumor.

 

Vírus da gripe H1N1, gripe espanhola e baby boom

A gripe sazonal é uma doença viral conhecida e temida. Algumas de suas cepas causaram terríveis pandemias. A mais notável, conhecida como gripe espanhola em 1918, causou a morte de mais de 40 milhões de pessoas.

Cartaz sobre a epidemia de gripe de 1918 publicado pelo Conselho de Saúde de Alberta (Canadá). Wikimedia Commons / Conselho de Saúde de Alberta

O agente causador foi o tipo de vírus influenza H1N1. Isso, ao desencadear uma tempestade descontrolada de citocinas, levou a um sistema imunológico descontrolado e danos irreversíveis e inflamação do pulmão.

A pandemia revelou que as doenças infecciosas eram um problema que precisava ser tratado no nível da população. Nos anos que se seguiram, muitos países mudaram sua estratégia de saúde pública. Por um lado, optaram por adotar o conceito de medicina socializada; de outro, fortaleceram os sistemas de vigilância e atendimento médico.

O dramático declínio populacional foi compensado nos anos seguintes pelo efeito baby boom. Estimulado pelas estratégias de governos de diversos países, promoveu a natalidade e as características das famílias numerosas em meados do século XX.

 

Vírus John Cunningham

O vírus John Cunningham ou vírus JC é muito comum. Na verdade, está presente entre 50 e 70% da população humana. Embora seja contraído durante a infância, parece permanecer dormente até que alguma circunstância (como a supressão do sistema imunológico) o reative e permita sua proliferação, o que pode levar a infecções cerebrais graves.

Existem pelo menos 14 subtipos de vírus associados a diferentes populações humanas. Devido à sua presumida codivergência com humanos, o vírus JC tem sido utilizado como marcador genético para a evolução e migração humana. Observou-se que aqueles presentes nos povos nativos do Nordeste da Ásia são muito semelhantes aos dos nativos norte-americanos. Esta situação apoiaria a hipótese de uma migração arcaica da Ásia para a América do Norte através da ponte de terra Beringia.

 

Qual é a relação entre o personagem de Branca de Neve e catapora?

A varicela é uma infecção sistêmica aguda causada pelo vírus varicela-zóster que geralmente aparece na infância. Suas epidemias ocorrem tanto no inverno quanto no início da primavera e se repetem em ciclos de 3 ou 4 anos.

Aparentemente, a infecção guarda certa relação com a personagem Branca de Neve: sua história é inspirada na figura de Maria Sophia Margaretha Catharina von Erthal, princesa alemã órfã de mãe, que durante a infância sofreu cegueira parcial após contrair varicela. A bondade de Catharina, juntamente com sua deficiência, conquistou o apreço e o afeto incondicional do povo.

Anos mais tarde, a história chegou aos ouvidos dos irmãos Grimm, que construíram e forneceram um conto magnífico em torno dela. Assim, sem querer, a varicela deu origem a uma história maravilhosa que nos acompanha desde a infância.

 

A atual pandemia de SARS-CoV-2 e a indústria holandesa de vison

O surto atual da doença Covid-19 causada pelo coronavírus SARS-CoV-2 foi relatado pela primeira vez em Wuhan, China, em 31 de dezembro de 2019. Desde então, o vírus matou mais de 1.300.000 pessoas e acelerou mudanças profundas em nossa sociedade, como o comportamento habitual, a forma como nos relacionamos e até mesmo as linhas de negócios de diferentes países.

Fazenda de vison na Dinamarca. Shutterstock / BigDane

Muitos animais são suscetíveis à infecção por SARS-CoV-2. Especialmente visons, que apresentam problemas respiratórios semelhantes aos humanos.

A Holanda é o quarto país do mundo em produção de vison (cerca de 6 milhões de animais por ano). Embora o Senado holandês tenha votado em 2012 para proibir sua criação por motivos éticos e permitido um período de transição de 12 anos, a situação mudou radicalmente: a rápida disseminação do SARS-CoV-2 infectou mais de um terço de todas as fazendas de vison holandesas mostrando evidências de transmissão animal-humana do SARS-CoV-2 dentro das fazendas de vison.

Por esta razão, o governo holandês foi forçado a antecipar o fim dos programas de criação de visons de 1º de janeiro de 2024 até o final de março de 2021.

Em suma, muitos vírus modificaram nossa história. Tenhamos certeza de que no futuro eles continuarão sendo os protagonistas de nossas vidas.


por Raúl Rivas González, Professor de Microbiologia da Universidade de Salamanca    |   Texto original em português do Brasil com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -