Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Dezembro 2, 2022

Redimissão

quebrar-vicios

Às vezes em homem …
Às vezes em saudoso…às vezes em cantor, às vezes em mentor.
Às vezes adúltero…
Às vezes em poeta…

Sabia que os vícios o destruíam, mas não aguentava a monotonia das cores da vida, era preciso colorir a sua existência visitando o fim do arco-íris e com alguma sorte encontrar o pote de ouro (morte). Tinha decidido desta vez confiar e aceitar a ajuda daqueles seres que sempre subestimou, mas nunca deixaram de estender-lhe as mãos, mesmo quando flutuava nas nuvens e parecia imortal

– De que nos servem estes breves instantes de seriedade? Para quê as limitações? … Perguntava…
Desta vez tinha mesmo de se regenerar… Negar os nossos instintos é negar aquilo que nos faz humanos… ( Pícaro).

Vidas são momentos de mudança que anunciam a chegada de uma nova condição.

É esta condição que impingia a mudança, estava apaixonado pela vida, notara que há muito deixara de viver. Para no mundo das setes cores sobreviver, bebia, fumava e consumia estupefacientes, para demonstrar a sua revolta contra o mundo cruel em que vivia.

Mas desta vez estava sem forças, a droga torturava-o com a dependência, demência e escravidão.
As pessoas que o admiravam passaram a ter pena e compaixão, ele que no seu mundo era um grande herói, que combatia e derrubava cavaleiros negros e dragões brancos, chegando a degustar manjares celestiais no banquete dos deuses … como assim, pena? Esses míseros mortais doarem empatia a um quase deus ?

E depois veio o conflito de personalidades, já não sabia o que o identificava, como saber se já mal conseguia respirar, de repente tudo era claustrofóbico e quando se mandava ao país das “maravilhas” já nem conseguia empunhar a espada.

Tinha de ser menos egoísta, tinha de regressar para os seus e em última instância ir ao encontro da sua felicidade suprema. A família que se encontrava perdida e desorientada a algures do seu lar.

A mãe dos Setinhos – Luanda – Angola

Redimissão: neologismo derivado de redimir: o acto de redimir-se

A autora escreve em PT Angola

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -