Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Janeiro 18, 2022

Sindicalização na Starbucks testa o poder dos trabalhadores dos EUA

O ambiente favorável politicamente, pós-pandemia, tem contribuído para mobilizações trabalhistas em grandes empresas dos EUA. O objetivo é combater a precarização de direitos.

Três lojas estão procurando se tornar as primeiras lojas Starbucks, a poderosa rede internacional de cafés, a se sindicalizar com mais de 8.000 locais de propriedade corporativa nos Estados Unidos. O resultado de seus esforços será determinado quando os votos dos funcionários forem contados nesta quinta-feira, 9 de dezembro.

Os trabalhadores anunciaram sua intenção de se sindicalizar no final de agosto, alegando que não haviam recebido o pagamento de periculosidade adequado durante a pandemia do coronavírus e haviam experimentado um declínio constante em suas condições de trabalho na última década. Orgulhosos de sua empresa, os trabalhadores engajados na sindicalização querem que ela volte aos patamares trabalhistas de dez anos atrás, de preferência, por meio de uma negociação coletiva.

A Starbucks pediu ao National Labor Relations Board (NLRB), o Conselho Nacional de Relações Trabalhistas, para interromper a contagem da votação de quinta-feira com o fundamento de que a votação deveria ser estendida a todos os locais da Starbucks em Buffalo. O NLRB rejeitou o apelo na terça-feira, abrindo caminho para que a contagem avance.

A Starbucks Workers United, ainda em formação, lamenta os obstáculos que a empresa tem imposto para impedir a sindicalização. Os trabalhadores acusam intimidações e hostilidade dentro das lojas contra as lideranças sindicais.

Rossann Williams, presidente da Starbucks North America, e outros gerentes de loja e executivos têm preenchido listas de eleitores sindicais qualificados, conduzindo sessões de escuta anti-sindicais e dizendo aos trabalhadores que seus benefícios desaparecerão se seus esforços de sindicalização forem bem-sucedidos.

A Starbucks nega que tenha interferido ilegalmente contra o direito de seus trabalhadores se envolverem em esforços de organização sindical. Também nega as alegações sobre o pagamento de periculosidade durante a pandemia, afirmando que aumento os salários de baristas.

Proeminentes figuras políticas progressistas, o senador Bernie Sanders e a congressista Alexandria Ocasio-Cortez, têm encorajado a luta por meio de apoio.

Um clima favorável a sindicalizações

O trabalho organizado caiu longe de seu apogeu em 1954, quando quase 35% dos trabalhadores nos Estados Unidos pertenciam a um sindicato.

Em 2018, a taxa de sindicalização era de apenas 10,5 por cento. Mas esse número aumentou ligeiramente durante a pandemia, atingindo 10,8% no ano passado, de acordo com o Bureau of Labor Statistics dos EUA (Escritório de Estatísticas Trabalhistas dos EUA).

Este ano, as condições do mercado de trabalho se voltaram decididamente a favor dos trabalhadores, à medida que os empregadores lutam para preencher um número quase recorde de vagas de emprego oferecendo melhores salários e benefícios.

O clima político em Washington há muito não era tão amigável aos trabalhadores há décadas, graças ao presidente Joe Biden fazer dos “empregos sindicais bem remunerados” um pilar de suas políticas econômicas Build Back Better.

Labour Action Tracker (rastreador de mobilizações trabalhistas) da Universidade Cornell identificou mais de 340 greves nos EUA este ano.

Algumas delas envolveram empresas de primeira linha do país. De meados de outubro a meados de novembro, os trabalhadores da Deere & Co entraram em greve antes de garantir um contrato melhor com a administração.

Até mesmo a ameaça de greve ganhou as manchetes. Em novembro, a gigante da saúde Kaiser Permanente evitou por pouco uma greve ao concordar em rejeitar uma proposta de um sistema salarial de dois níveis para corte de custos.

Mas mais greves não significa que houve um forte aumento na formação de novos sindicatos, mas houve um aumento na atividade de greve.

Este ano também assistiu a algumas derrotas sindicais de alto nível. Os trabalhadores de um depósito da Amazon em Bessemer, Alabama, votaram em abril pela não formação de um sindicato. Mas eles obtiveram um raro segundo turno no mês passado, depois que o NLRB concluiu que a Amazon interferiu nos esforços de organização.

E alguns esforços se arrastam há meses. Trabalhadores em quatro fábricas da Kellogg estão em greve desde o início de outubro. A Kellogg’s disse que começaria a contratar substitutos permanentes depois que a maioria dos trabalhadores votou contra a última oferta de contrato.

Benefícios e desvantagens

A filiação ao sindicato há muito tempo é atraente para os trabalhadores, com sua promessa de melhores salários e segurança no emprego.

Os salários dos membros do sindicato são mais de 11 por cento mais altos, em média, do que os de seus pares não sindicalizados, de acordo com um estudo do Instituto de Política Econômica Progressista.

E os benefícios vão além dos trabalhadores individuais, favorecendo toda a sociedade com um ambiente político mais democrático. Sindicatos fortes ajudam a reduzir a desigualdade na sociedade, a discriminação e o abuso de poder corporativo.

Já os setores conservadores defendem que contratos sindicais podem alimentar a inflação para os consumidores americanos e até mesmo deixar os trabalhadores em pior situação. Defendem que a sindicalização transfere empregos para o exterior ou localidades com custo de mão de obra menor. O argumento se confronta com a crescente precarização das condições de trabalho no país, nas últimas décadas, visível até para as novas gerações que sempre conviveram com ela.


por Cezar Xavier | Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

In fraudem legis

Crise avança com Bolsonaro

Clube Bilderberg

Titãs cantam: “Comida”

- Publicidade -