Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 17, 2021

Somos todos propagandistas agora

Pesquisadora de Comunicação analisa como as elites deixaram o esforço para fabricação de consensos, para fabricar dissensos altamente destrutivos para a democracia.

por Jennifer Mercieca, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Os Estados Unidos estão em uma guerra de informação consigo mesmos. A esfera pública, onde os americanos discutem questões públicas, está quebrada. Há pouca discussão – e muita luta.

Uma razão: a persuasão é difícil, lenta e demorada – ela não produz um bom conteúdo de televisão ou mídia social – e, portanto, não há muitos bons exemplos disso em nosso discurso público.

O que é pior, uma nova forma de propaganda emergiu – e nos alistou como propagandistas.

Persuasão versus propaganda

Dou aulas de comunicação política e propaganda na América. Aqui está a diferença entre os dois:

A comunicação política é a persuasão usada na política. Ajuda a facilitar o processo democrático.

Propaganda é comunicação como força; é projetada para a guerra. A propaganda é antidemocrática porque influencia o uso de estratégias como apelos ao medo, desinformação, teoria da conspiração e muito mais.

Como hoje em dia existem poucos exemplos de persuasão em nossa esfera pública, é difícil saber a diferença entre persuasão e propaganda. Isso é preocupante porque política não é guerra, então comunicação política não é – e não deveria ser – o mesmo que propaganda.

A fabricação de consenso

As técnicas de propaganda de massa surgiram com as tecnologias de comunicação de massa como pôsteresfotos e filmes durante a Primeira Guerra Mundial.

Esse velho modelo de propaganda foi projetado pelas elites políticas para “fabricar consenso” em casa para que os cidadãos apoiassem a guerra e para desmoralizar o inimigo no exterior.

De acordo com o lingüista e crítico social Noam Chomsky, as elites acreditavam que a fabricação do consenso era necessária porque pensavam que “a massa do público é estúpida demais para ser capaz de entender as coisas … Temos que domar o rebanho desnorteado, não permitir o rebanho desnorteado a se enfurecer, pisotear e destruir as coisas.”

Durante a Primeira Guerra Mundial, o Comitê de Informação Pública de George Creel , uma agência federal, supervisionou a produção de filmes pró-guerra, como o filme mudo de 1918 ” Resposta da América “. Quando os americanos iam ver o filme nos cinemas, muitas vezes encontravam um discurso de um dos “Quatro Homens do Minuto” – os cidadãos locais que Creel recrutou para fazer discursos patrióticos durante os quatro minutos necessários para mudar os rolos do filme.

Um pôster de ‘America’s Answer’, o segundo filme oficial de guerra dos Estados Unidos. Divisão de Impressos e Fotografias da Biblioteca do Congresso Washington, DC

Após a Primeira Guerra Mundial, de acordo com Herman e Chomsky, todos os tipos de elites se voltaram para a propaganda para “domar o rebanho desnorteado”. A velha propaganda era boa em domar cidadãos. Mas houve um efeito colateral desagradável que durou quase um século de seu uso: o desengajamento. Estudiosos da comunicação política na década de 1990 e no início dos anos 2000 preocuparam-se com o que consideravam a crise da democracia, que foi o desengajamento cívico caracterizado por baixo comparecimento eleitoral, baixa filiação a partidos políticos e crescente desconfiança, cinismo e desinteresse pela política.

A fabricação de dissenso

O velho modelo de propaganda vertical controlado pela elite não resistiu às mudanças na comunicação provocadas pelos novos meios de comunicação participativos – primeiro no rádio, depois no cabo, no e-mail, nos blogs, nos chats, nos textos, nos vídeos e nas redes sociais.

De acordo com uma pesquisa recente da Pew, 93% dos americanos estão conectados à internet e 82% dos americanos estão conectados às redes sociais. Todos nós agora temos acesso direto para nos comunicarmos na esfera pública – e, se quisermos, para criar, circular e ampliar propaganda.

Muitas pessoas usam suas conexões e plataformas conscientes e inconscientes de mídia social para espalhar desinformação, falta de informação, conspiração e pontos de discussão partidários – tudo formas de propaganda. Somos todos propagandistas agora.

Em vez da fabricarão de consenso de elite, um novo modelo de propaganda surgiu no século 21: o que chamo de “fabricação de dissidência”.

Nova crise na democracia

O modelo de “fabricação da dissidência” tira proveito de nossas habilidades individuais para produzir, circular e ampliar propaganda. Ele nos coloca em movimento para, nas palavras de Chomsky, “enfurecer, pisotear e destruir as coisas”.

A nova propaganda pode surgir de qualquer pessoa, em qualquer lugar – e é projetada para criar o caos para que ninguém saiba em quem confiar ou o que é verdade.

Agora temos uma nova crise na democracia.

Os cidadãos são convocados e treinados por partidos políticos, mídia, organizações de defesa, plataformas, corporações – e muito mais – para se tornarem propagandistas, mesmo sem perceber. Embora ambos os lados do espectro político possam e tenham usado a nova propaganda, ela foi adotada mais pela direita, em grande parte para se opor à velha manufatura do modelo de consenso adotado pelo mainstream.

Por exemplo, o slogan que encabeça os e-mails diários enviados pelo ConservativeHQ , um blog de notícias conservador de longa data e influente, diz: “O lar dos conservadores de base liderando a batalha para educar e mobilizar família, amigos, vizinhos e outros para derrotar o anti-Deus, anti-América, Novos Democratas Marxistas. ”

Desta perspectiva, a política é uma “batalha”, é uma guerra e os leitores do ConservativeHQ podem lutar educando e mobilizando – espalhando a propaganda do ConservativeHQ.

Da mesma forma, o site de conspiração InfoWars diz ao seu público “há uma guerra pela sua mente”.

As plataformas de mídia social treinam os usuários a se comunicarem como propagandistas: pesquisas recentes mostram que os usuários da plataforma aprendem a expressar emoções polarizadas como indignação por meio do “aprendizado social”. Os usuários de mídia social são ensinados por meio de feedback do aplicativo – reforço positivo por meio de notificações – e aprendizagem entre pares – o que eles veem os outros fazerem – a postar indignação mesmo que não se sintam indignados e não queiram espalhar indignação.

Quanto mais indignação vemos, mais indignação postamos.

Uma captura de tela da página inicial do ConservativeHQ, onde eles se descrevem como ‘liderando a batalha para educar e mobilizar família, amigos, vizinhos e outros para derrotar o anti-Deus, anti-América, os Novos Democratas Marxistas’. https://www.conservativehq.org/

Dissidência e desconfiança

O novo modelo de propaganda de hoje tem consequências perigosas.

A insurreição de 6 de janeiro de 2021 foi um resultado direto da fabricação de dissensos. Políticos de direita, cidadãos e mídia usaram a  desinformação, a informação falsa, a conspiração, os apelos ao medo e a indignação que circularam por meio da velha e da nova propaganda para lançar dúvidas sobre o processo eleitoral do país.

O presidente Trump fez com que seus seguidores acreditassem que a eleição seria “fraudada”, o que levou as pessoas a procurar e divulgar as chamadas “evidências” de fraude.

Os tribunais e funcionários eleitorais atestaram a integridade da eleição. Os conspiradores viram isso como mais uma evidência da “trama” e apoiaram a Grande Mentira de Trump de que a eleição havia sido roubada.

Os apoiadores de Trump ampliaram a conspiração por meio de postagens em mídias sociais, vídeos, mensagens de texto, e-mails e grupos secretos – espalhando dúvidas sobre a eleição para seus amigos, vizinhos e público.

Quando Trump disse às pessoas para marcharem no Capitol para defender sua liberdade, eles o fizeram.

Política é guerra

Mas a Grande Mentira que levou à insurreição de 6 de janeiro de 2021 foi apenas parte de uma mentira ainda maior.

Desde a década de 1990 e o surgimento da fabricação de dissensos, a principal premissa da propaganda de direita é que “política é guerra e o inimigo trapaceia”. Cada notícia dessa perspectiva é uma elaboração sobre o tema, incluindo aquelas sobre as eleições de 2020.

Quando a política é vista como uma guerra e não se pode confiar no adversário, todas as eleições são vistas como terríveis e o processo eleitoral que nega a vitória do seu lado é visto como injusto. De acordo com uma pesquisa recente da Universidade de Monmouth , 30% dos americanos ainda acreditam na Grande Mentira de Trump.

A legitimidade do sistema político americano exige o consentimento real dos governados, e sua vitalidade e saúde exigem que permitamos a dissidência real. Mas nossa esfera pública quebrada não tem nenhum dos dois.

Ambos vêm da persuasão, não da propaganda.

Não se trata de nostalgia da propaganda tradicional. Tanto a velha como a nova propaganda são antidemocráticas. A velha propaganda fabricou o consenso dos americanos, usando a comunicação como força para manter as pessoas desligadas e obedientes.

A nova propaganda fabrica dissidência. Ela usa a comunicação como força para manter as pessoas engajadas e indignadas – e nos coloca em movimento para pisotear e destruir coisas.


por Jennifer Mercieca, Professora de Comunicação da Texas A&M University  |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -