Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Agosto 15, 2022

Terror em Inglaterra: o que escondem o Governo e o MI5?

O título original deste interessantíssimo artigo, publicado no site do seu autor – John Pilger, um jornalista independente – é Terror in Britain: What did the Prime Minister know? Pela sua enorme relevância publicamos de imediato o texto na sua versão inglesa e também a tradução livre em Português.

Texto originalTexto em português

Terror in Britain: What did the Prime Minister know?

The unsayable in Britain’s general election campaign is this. The causes of the Manchester atrocity, in which 22 mostly young people were murdered by a jihadist, are being suppressed to protect the secrets of British foreign policy.

 

Critical questions – such as why the security service MI5 maintained terrorist “assets” in Manchester and why the government did not warn the public of the threat in their midst – remain unanswered, deflected by the promise of an internal “review”.

 

The alleged suicide bomber, Salman Abedi, was part of an extremist group, the Libyan Islamic Fighting Group, that thrived in Manchester and was cultivated and used by MI5 for more than 20 years.

 

The LIFG is proscribed by Britain as a terrorist organisation which seeks a “hardline Islamic state” in Libya and “is part of the wider global Islamist extremist movement, as inspired by al-Qaida”.

 

The “smoking gun” is that when Theresa May was Home Secretary, LIFG jihadists were allowed to travel unhindered across Europe and encouraged to engage in “battle”: first to remove Mu’ammar Gadaffi in Libya, then to join al-Qaida affiliated groups in Syria.

 

Last year, the FBI reportedly placed Abedi on a “terrorist watch list” and warned MI5 that his group was looking for a “political target” in Britain. Why wasn’t he apprehended and the network around him prevented from planning and executing the atrocity on 22 May?

 

These questions arise because of an FBI leak that demolished the “lone wolf” spin in the wake of the 22 May attack – thus, the panicky, uncharacteristic outrage directed at Washington from London and Donald Trump’s apology.

 

The Manchester atrocity lifts the rock of British foreign policy to reveal its Faustian alliance with extreme Islam, especially the sect known as Wahhabism or Salafism, whose principal custodian and banker is the oil kingdom of Saudi Arabia, Britain’s biggest weapons customer.

 

This imperial marriage reaches back to the Second World War and the early days of the Muslim Brotherhood in Egypt. The aim of British policy was to stop pan-Arabism: Arab states developing a modern secularism, asserting their independence from the imperial west and controlling their resources. The creation of a rapacious Israel was meant to expedite this. Pan-Arabism has since been crushed; the goal now is division and conquest.

 

In 2011, according to Middle East Eye, the LIFG in Manchester were known as the “Manchester boys”. Implacably opposed to Mu’ammar Gadaffi, they were considered high risk and a number were under Home Office control orders – house arrest – when anti-Gadaffi demonstrations broke out in Libya, a country forged from myriad tribal enmities.

 

Suddenly the control orders were lifted. “I was allowed to go, no questions asked,” said one LIFG member. MI5 returned their passports and counter-terrorism police at Heathrow airport were told to let them board their flights.

 

The overthrow of Gaddafi, who controlled Africa’s largest oil reserves, had been long been planned in Washington and London. According to French intelligence, the LIFG made several assassination attempts on Gadaffi in the 1990s – bank-rolled by British intelligence. In March 2011, France, Britain and the US seized the opportunity of a “humanitarian intervention” and attacked Libya. They were joined by Nato under cover of a UN resolution to “protect civilians”.

 

Last September, a House of Commons Foreign Affairs Select Committee inquiry concluded that then Prime Minister David Cameron had taken the country to war against Gaddafi on a series of “erroneous assumptions” and that the attack “had led to the rise of Islamic State in North Africa”. The Commons committee quoted what it called Barack Obama’s “pithy” description of Cameron’s role in Libya as a “shit show”.

 

In fact, Obama was a leading actor in the “shit show”, urged on by his warmongering Secretary of State, Hillary Clinton, and a media accusing Gaddafi of planning “genocide” against his own people. “We knew… that if we waited one more day,” said Obama, “Benghazi, a city the size of Charlotte, could suffer a massacre that would have reverberated across the region and stained the conscience of the world.”

 

The massacre story was fabricated by Salafist militias facing defeat by Libyan government forces. They told Reuters there would be “a real bloodbath, a massacre like we saw in Rwanda”. The Commons committee reported, “The proposition that Mu’ammar Gaddafi would have ordered the massacre of civilians in Benghazi was not supported by the available evidence”.

 

Britain, France and the United States effectively destroyed Libya as a modern state. According to its own records, Nato launched 9,700 “strike sorties”, of which more than a third hit civilian targets. They included fragmentation bombs and missiles with uranium warheads. The cities of Misurata and Sirte were carpet-bombed. Unicef, the UN children’s organisation, reported a high proportion of the children killed “were under the age of ten”.

 

More than “giving rise” to Islamic State – ISIS had already taken root in the ruins of Iraq following the Blair and Bush invasion in 2003 – these ultimate medievalists now had all of north Africa as a base. The attack also triggered a stampede of refugees fleeing to Europe.

 

Cameron was celebrated in Tripoli as a “liberator”, or imagined he was. The crowds cheering him included those  secretly supplied and trained by Britain’s SAS and inspired by Islamic State, such as the “Manchester boys”.

 

To the Americans and British, Gadaffi’s true crime was his iconoclastic independence and his plan to abandon the petrodollar, a pillar of American imperial power. He had audaciously planned to underwrite a common African currency backed by gold, establish an all-Africa bank and promote economic union among poor countries with prized resources. Whether or not this would have happened, the very notion was intolerable to the US as it prepared to “enter” Africa and bribe African governments with military “partnerships”.

 

The fallen dictator fled for his life. A Royal Air Force plane spotted his convoy, and in the rubble of Sirte, he was sodomised with a knife by a fanatic described in the news as “a rebel”.

 

Having plundered Libya’s $30 billion arsenal, the “rebels” advanced south, terrorising towns and villages. Crossing into sub-Saharan Mali, they destroyed that country’s fragile stability. The ever-eager French sent planes and troops to their former colony “to fight al-Qaida”, or the menace they had helped create.

 

On 14 October, 2011, President Obama announced he was sending special forces troops to Uganda to join the civil war there. In the next few months, US combat troops were sent to South Sudan, Congo and the Central African Republic. With Libya secured, an American invasion of the African continent was under way, largely unreported.

 

In London, one of the world’s biggest arms fairs was staged by the British government.  The buzz in the stands was the “demonstration effect in Libya”. The London Chamber of Commerce and Industry held a preview entitled “Middle East: A vast market for UK defence and security companies”. The host was the Royal Bank of Scotland, a major investor in cluster bombs, which were used extensively against civilian targets in Libya. The blurb for the bank’s arms party lauded the “unprecedented opportunities for UK defence and security companies.”

 

Last month, Prime Minister Theresa May was in Saudi Arabia, selling more of the £3 billion worth of British arms which the Saudis have used against Yemen. Based in control rooms in Riyadh, British military advisers assist the Saudi bombing raids, which have killed more than 10,000 civilians. There are now clear signs of famine. A Yemeni child dies every 10 minutes from preventable disease, says Unicef.

 

The Manchester atrocity on 22 May was the product of such unrelenting state violence in faraway places, much of it British sponsored. The lives and names of the victims are almost never known to us.

 

This truth struggles to be heard, just as it struggled to be heard when the London Underground was bombed on July 7, 2005. Occasionally, a member of the public would break the silence, such as the east Londoner who walked in front of a CNN camera crew and reporter in mid-platitude. “Iraq!” he said. “We invaded Iraq. What did we expect? Go on, say it.”

 

At a large media gathering I attended, many of the important guests uttered “Iraq” and “Blair” as a kind of catharsis for that which they dared not say professionally and publicly.

 

Yet, before he invaded Iraq, Blair was warned by the Joint Intelligence Committee that “the threat from al-Qaida will increase at the onset of any military action against Iraq… The worldwide threat from other Islamist terrorist groups and individuals will increase significantly”.

 

Just as Blair brought home to Britain the violence of his and George W Bush’s blood-soaked “shit show”, so David Cameron, supported by Theresa May, compounded his crime in Libya and its horrific aftermath, including those killed and maimed in Manchester Arena on 22 May.

 

The spin is back, not surprisingly. Salman Abedi acted alone. He was a petty criminal, no more. The extensive network revealed last week by the American leak has vanished. But the questions have not.

 

Why was Abedi able to travel freely through Europe to Libya and back to Manchester only days before he committed his terrible crime? Was Theresa May told by MI5 that the FBI had tracked him as part of an Islamic cell planning to attack a “political target” in Britain?

 

In the current election campaign, the Labour leader Jeremy Corbyn has made a guarded reference to a “war on terror that has failed”. As he knows, it was never a war on terror but a war of conquest and subjugation. Palestine. Afghanistan. Iraq. Libya. Syria. Iran is said to be next. Before there is another Manchester, who will have the courage to say that?

 

Terrorismo na Grã-Bretanha: O que é que a primeira-ministra sabia?

O indizível na campanha eleitoral britânica é isto. As causas da atrocidade de Manchester – na qual 22 pessoas, jovens na maior parte, foram assassinadas por um jihadista – estão a ser omitidas a fim de proteger segredos da política externa britânica.

 

Questões críticas – tais como porque razão o serviço de segurança MI5 manteve “activos” terroristas em Manchester e porquê o governo não advertiu o público da ameaça em seu meio – permanecem sem resposta, desviadas pela promessa de uma “revisão” interna.

 

O alegado bombista suicida, Salman Abedi, fazia parte de um grupo extremista, o Libyan Islamic Fighting Group (LIFG), que prosperou em Manchester e foi cultivado e utilizado pelo MI5 durante mais de 20 anos.

 

O LIFG está proscrito na Grã-Bretanha como uma organização terrorista que pretende um “estado islâmico linha dura” na Líbia e “faz parte de um movimento extremista global mais vasto, inspirado pela al Qaida”.

 

Há uma “arma fumegante”: quando Theresa May foi secretária do Interior permitiu aos jihadistas da LIFG viajarem desembaraçadamente por toda a Europa e foram encorajados a empenharem-se na “batalha”: primeiro para remover Muammar Kadafi da Líbia, a seguir para juntarem-se a grupos filiados à al Qaida na Síria.

 

No ano passado, o FBI confirmadamente colocou Abedi numa “lista de terroristas a observar” e advertiu o MI5 de que o seu grupo estava à procura de um “alvo político” na Grã-Bretanha. Por que não foi ele detido e a rede em torno dele impedida de planear e executar a atrocidade de 22 de Maio?

 

Estas questões levantam-se por causa de uma fuga do FBI que demoliu a interpretação do “lobo solitário” apresentada após o ataque de 22 de Maio – daí o pânico e o ultraje não característico de Londres em relação a Washington e as desculpas de Donald Trump.

 

A atrocidade de Manchester põe em causa a política externa britânica ao revelar a sua aliança faustiana com o Islão extremista, especialmente a seita conhecida como Waabismo ou Salafismo, cujo principal guardião e banqueiro é o reino petrolífero da Arábia Saudita, o maior cliente de armas da Grã-Bretanha.

 

Este casamento imperial remonta à Segunda Guerra Mundial e aos primeiros dia da Fraternidade Muçulmana no Egipto. O objectivo da política britânica era travar o pan-arabismo. Estados árabes desenvolviam então um laicismo moderno, afirmando a sua independência em relação ao ocidente imperial e controlando os seus recursos. A criação de um Israel voraz destinava-se a apressar isto. O pan-arabismo foi então esmagado, o objectivo agora era a divisão e conquista.

 

Em 2011, segundo o Middle East Eye , o LIFG em Manchester era conhecido como os “rapazes de Manchester”. Implacavelmente opostos a Muammar Kadafi, eram considerados de alto risco e um certo número deles estava sob control orders [1] do Ministério do Interior – prisão domiciliar – quando estalaram as manifestações anti-Kadafi na Líbia, um país forjado a partir de uma miríade de inimizades tribais.

 

Subitamente as control orders foram levantadas. “Permitiram-me ir, sem fazerem perguntas”, disse um membro da LIFG. O MI5 devolveu os seus passaportes e a polícia anti-terrorismo no aeroporto de Heathrow foi instruída para que os deixassem embarcar nos seus voos.

 

O derrube de Kadafi, que controlava as maiores reservas de petróleo da África, fora planeado há muito em Washington e Londres. Segundo a inteligência francesa, o LIFG fez várias tentativas de assassinato de Kadafi na década de 1990 – financiadas pela inteligência britânica. Em Março de 2011, a França, Grã-Bretanha e EUA agarraram a oportunidade de uma “intervenção humanitária” e atacaram a Líbia. Eles foram acompanhados pela NATO sob a cobertura de uma resolução da ONU para “proteger civis”.

 

Em Setembro último, um inquérito do Comité Especial de Negócios Estrangeiros da Câmara dos Comuns concluiu que o então primeiro-ministro David Cameron havia levado o país à guerra contra Kadafi com base numa série de “suposições erróneas” e que o ataque “levara à ascensão do Estado Islâmico na África do Norte”. O comité da Câmara dos Comuns citou a chamada descrição “concisa” de Barack Obama quanto ao papel de Cameron na Líbia: um “espectáculo de merda” (“shit show”).

 

De facto, Obama foi um actor principal no “espectáculo de merda”, pressionado pela sua belicista secretária de Estado Hillary Clinton e pelos media que acusavam Kadafi de planear um “genocídio” contra o seu próprio povo. “Sabemos… que se esperarmos mais um dia”, disse Obama, “Bengazi, uma cidade da dimensão de Charlotte, poderia sofrer um massacre que teria repercutido por toda a região e manchado a consciência do mundo”.

 

A estória do massacre foi fabricada pelas milícias salafistas que se defrontavam com a derrota diante das forças do governo líbio. Eles disseram à Reuters que seria “um banho de sangue real, um massacre como o que vimos em Ruanda”. O comité da Câmara dos Comuns relatou: “A proposta de que Muammar Kadafi teria ordenado o massacre de civis em Bengazi não era confirmada pelas evidências disponíveis”.

 

A Grã-Bretanha, a França e os Estados Unidos efectivamente destruíram a Líbia como um estado moderno. Segundo os seus próprios registos, a NATO lançou 9.700 “incursões de bombardeamento”, das quais mais de um terço atingiram alvos civis. Muitas incluíram bombas de fragmentação e mísseis com ogivas de urânio . As cidades de Misurata e Sirte sofreram bombardeamento em tapete. A UNICEF, a organização das Nações Unidas para a Infância, informou que uma alta proporção das crianças mortas “tinham menos de dez anos de idade”.

 

Mais do que “provocar a ascensão” do Estado Islâmico – o ISIS já havia fincado raízes nas ruínas do Iraque após a invasão de Blair e Bush em 2003 – estes supremos medievalistas agora tinham todo o Norte da África como base. O ataque também desencadeou uma debandada de refugiados a fugirem para a Europa.

 

Cameron foi celebrado em Tripoli como um “libertador”, ou imaginou que era. As multidões a aplaudirem-no incluíam aqueles terroristas abastecidos e treinados pelos SAS da Grã-Bretanha e inspirados pelo Estado Islâmico, tais como os “rapazes de Manchester”.

 

Para os americanos e britânicos, o verdadeiro crime de Kadafi era a sua independência iconoclasta e o seu plano de abandonar o petrodólar, um pilar do poder imperial americano. Ele audaciosamente havia planeado financiar uma divisa comum africana apoiada pelo ouro, estabelecer um banco para toda a África e promover uma união económica entre países pobres com recursos valiosos. Quer isto pudesse ou não acontecer, a própria ideia era intolerável para os EUA quando se preparavam para “entrar” na África e subornar governos africanos com “parcerias” militares.

 

O ditador caído escapava. Um avião da Royal Air Force localizou o seu comboio e nas ruínas de Sirte ele foi sodomizado com uma faca por um fanático descrito nos noticiários como “um rebelde”.

 

Tendo saqueado o arsenal de US$30 mil milhões da Líbia, os “rebeldes” avançaram para o Sul, aterrorizando cidades e aldeias. Ao atravessarem o Mali sub-saariano, destruíram a frágil estabilidade daquele país. Os sempre-ansiosos franceses enviaram aviões e tropas à sua antiga colónia “para combater a al Qaida”, ou a ameaça que haviam ajudado a criar.

 

Em 14 de Outubro de 2011, o presidente Obama anunciou que estava a enviar tropas de forças especiais para o Uganda para ingressar na guerra civil dali. Nos meses seguintes, tropas de combate dos EUA foram enviadas para o Sul do Sudão, Congo e República Centro-Africana. Com a Líbia garantida, uma invasão americana do continente africano estava em curso, amplamente não noticiada.

 

Em Londres, uma das maiores feiras de armas do mundo foi encenada pelo governo britânico. O burburinho nos stands era o “efeito demonstração na Líbia”. A Câmara de Comércio e Indústria de Londres efectuou uma apresentação prévia intitulada “Médio Oriente: Um vasto mercado para companhias de defesa e segurança do Reino Unido”. O hospedeiro era o Royal Bank of Scotland, um grande investidor em bombas de fragmentação (cluster), as quais foram utilizadas extensamente contra alvos civis na Líbia. A publicidade das armas feitas pelo banco louvava as “oportunidades sem precedentes para companhias de defesa e segurança do Reino Unido”.

 

No mês passado, a primeira-ministra Theresa May esteve na Arábia Saudita, a vender mais de £3 mil milhões [€3,4 mil milhões] de armas britânicas que os sauditas têm utilizando contra o Iémen. Baseados em salas de controle em Riad, conselheiros militares britânicos assistem os sauditas nos raids de bombardeamento, os quais mataram mais de 10 mil civis. Há agora sinais claros de fome ali. Uma criança iemenita morre a cada 10 minutos de doenças evitáveis, afirma a UNICEF.

 

A atrocidade de 22 de Maio em Manchester foi o produto deste estado de violência implacável em lugares distantes, muitos deles com patrocínio britânico. As vidas e os nomes das vítimas quase nunca são por nós conhecidos.

 

Esta verdade custa a ser ouvida, assim como custou a ser ouvida quando o Metro de Londres foi bombardeado em 7 de Julho de 2005. Ocasionalmente, um membro do público rompe o silêncio, tal como o londrino do Leste que se postou frente à câmara e ao repórter da CNN e disse: “Iraque! Nós invadimos o Iraque. O que esperávamos nós? Vão em frente”.

 

Numa grande assembleia dos media a que compareci, muitos dos importantes hóspedes diziam “Iraque” e “Blair” como uma espécie de catarse do que não ousavam dizer profissionalmente e publicamente.

 

Contudo, antes de invadir o Iraque, Blair foi advertido pelo Joint Intelligence Commitee de que “a ameaça da al Qaida aumentará desde o princípio de qualquer acção militar contra o Iraque… A ameaça mundial de outros grupos e indivíduos terroristas islâmicos aumentará significativamente”.

 

Assim como Blair trouxe para a Grã-Bretanha a sua violência e o banho de sangue de George W Bush, também David Cameron apoiado por Theresa May agravou o seu crime na Líbia e as suas horrendas consequências, incluindo aqueles mortos e estropiados na Manchester Arena em 22 de Maio.

 

Não surpreendentemente, as consequências retornam. Salman Abedi actuou sozinho. Ele era um pequeno criminoso, não mais do que isso. Desvaneceu-se a rede extensa revelada na semana passada pela fuga americana. Mas as perguntas não.

 

Como é que Abedi foi capaz de viajar livremente através da Europa até a Líbia e voltar a Manchester só poucos dias antes de cometer o seu crime terrível? Foi Theresa May informada pelo MI5 que o FBI o havia rastreado como fazendo parte de um planeamento de célula islâmica para atacar um “alvo político” na Grã-Bretanha?

 

Na actual campanha eleitoral, o líder trabalhista Jeremy Corbyn fez uma referência cautelosa a uma “guerra ao terror que fracassou”. Como ele sabe, isto nunca foi uma guerra ao terror mas sim uma guerra de conquista e subjugação. Palestina, Afeganistão, Iraque, Líbia, Síria. Dizem que o Irão será a seguir. Antes disso haverá uma outra Manchester, quem terá a coragem de dizer isso?

 

 

[1]Control order: é uma ordem dada pela Secretaria do Interior do Reino Unido para restringir uma liberdade individual com o objectivo de “proteger membros do público de um risco de terrorismo. Sua definição e poderes foram estabelecidos pelo Parlamento no Prevention of Terrorism Act 2005.

Por John Pilger

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -