Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Julho 20, 2024

Todas las rosas son blancas

Maria do Céu Pires
Maria do Céu Pires
Doutorada em Filosofia. Professora.

Todas las rosas son blancas (…)[1]

Agosto, 1939, dia cinco. Quatro meses depois de terminada, a sangrenta Guerra Civil Espanhola continua a fazer vítimas. No pós-guerra continuaram os processos de repressão, as denúncias, as detenções, as execuções sumárias. Estima-se que em 1939 existiam 280 mil presos políticos em Espanha. Foi assim que treze mulheres, algumas menores de idade (entre 18 e 23 anos), foram executadas na sequência de um “julgamento” ocorrido no dia anterior, no tribunal de Salesas, em Madrid. O crime era “adesão à rebelião” e “delitos contra a ordem social e jurídica da nova Espanha” e a pena foi “pena de morte”. A estas mulheres, militantes das Juventudes Socialistas Unificadas (JSU), e que a quem foi negado o direito a envelhecer, juntaram-se, também, as condenações de 43 homens.

Treze rosas

Na História, este episódio cruel ficou conhecido com o nome de “treze rosas”, sendo uma das histórias mais comoventes e trágica do regime franquista. O seu conhecimento deve-se, em muito, ao trabalho do jornalista Jacobo García, a partir de 1985 a que se seguiu, anos mais tarde, o livro do escritor Jesús Ferrero e o trabalho de recolha documental de Carlos Fonseca, materializado na obra: Trece rosas rojas (Temas de Hoy, 2004).

A obra é construida a partir de documentos guardados por familiares e de testemunhos das pessoas que assistiram à condenação, ao desespero das mães das condenadas e ao ódio do regime.

Também em 2007 foi apresentado o filme “Las trece rosas” realizado por Emilio Martínez-Lázaro.

De facto, desde o início dos anos 2000, têm ocorrido muitos momentos de evocação histórica apresentando as mais variadas formas: homenagens públicas, espetáculos, canções, documentários, tendo, inclusivé sido criada (2004) uma Fundação com o seu nome, “Fundación Trece Rosas” cujo objectivo é desenvolver projectos de igualdade e de justiça social.

Cumpre-se, deste modo, o desejo de uma delas, Julia Conesa, expresso na carta que dirigiu à mãe antes de morrer: “Que mi nombre no se borre de la historia.”

Aqui ficam, em sentida homenagem, os seus nomes

  • Ana López Gallego
  • Victoria Muñoz García
  • Martina Barroso García
  • Virtudes González García
  • Luisa Rodríguez de la Fuente

  • Elena Gil Olaya
  • Dionisia Manzanero Sala
  • Joaquina López Laffite
  • Carmen Barrero Aguado

  • Pilar Bueno Ibáñez
  • Blanca Brisac Vázquez
  • Adelina García Casillas
  • Julia Conesa Conesa

Eram modistas, pianistas, secretárias. Todas jovens militantes por um mundo mais justo. Não esqueceremos!

[1] Federico Garcia Lorca, in Canción otoñal

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -