Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Maio 25, 2022

A tragédia de Pedrógão e a tabloidização da política e do jornalismo

Estrela Serrano
Estrela Serranohttps://vaievem.wordpress.com/
Professora de Jornalismo e Comunicação

A manchete do Expresso deste sábado e as reacções que provocou no campo jornalístico e no campo político são bem um exemplo do estado em que se encontram estes dois importantes pilares de um Estado democrático e pluralista. Comecemos pela manchete do Expresso…A manchete é simplista,  enganadora e sensacionalista e não encontra sustento no texto a que respeita, publicado no interior do jornal. Desde logo, porque a frase “exclui vitimas de Pedrógão” pressupõe uma acusação aos responsáveis pela elaboração da “lista dos 64 mortos”, leia-se o governo. A palavra “vítimas” no plural insinua que serão várias e não apenas uma pessoa que foi atropelada, incluída pelo Expresso nas “vítimas de Pedrógão”. O Expresso claramente jogou com a ambiguidade da frase “vítimas de Pedrógão” talvez para poder dizer que não escreveu “vítimas dos incêndios”.

O carácter sensacionalista do título torna-se ainda mais evidente quando o próprio jornal no texto das páginas interiores conclui que a sua lista de vítimas corresponde à lista oficial. Leia-se aqui.

A manchete teve enorme impacto nas redes sociais, com jornalistas e responsáveis políticos do PSD e do CDS a cavalgarem a acusação, possivelmente sem leram o seu desenvolvimento. A Protecção Civil veio esclarecer que o número de vítimas se mantém em 64 mortos e que os critérios de elaboração da lista  – “mortes por inalação e queimaduras” – foram definidos pelo Instituto de Medicina Legal. Os jornalistas não se deram por convencidos e o primeiro-ministro veio a público considerar que o caso “está esclarecido” remetendo para os dados da Protecção Civil e dos ministérios da Saúde e da Justiça.

É chocante verificar como a tragédia de Pedrógão está a ser instrumentalizada política e mediaticamente. O PSD e o CDS nem tentaram informar-se sobre os critérios de elaboração da lista (Assunção Cristas chegou a dizer que não sabe quais são os critérios depois dos mesmos terem sido revelados pelo próprio Expresso). Se o tivessem feito teriam percebido porque é que o atropelamento de uma pessoa em fuga não entrou no número de vítimas dos incêndios.

E assim temos que a tragédia de Pedrógão para além das vítimas que causou está a provocar a tabloidização da política e do jornalismo.

Exclusivo Tornado / VAI E VEM

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -