Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Janeiro 18, 2022

UMDP de Ramos Horta não concorda com declarações do General Lere Timur

J.T. Matebian, em Timor-Leste
Correspondente em Timor-Leste.

A União dos Movimentos Democráticos e Patrióticos (UMDP) emitiu um comunicado a discordar das declarações públicas prestadas pelo General Lere Anan Timur, Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas de Timor-Leste.

A UMDP, presidida por José Ramos Horta, ex-presidente da RDTL e Prémio Nobel da Paz, emitiu um comunicado oficial a manifestar a sua discordância em relação às declarações do General Lere, prestada aos órgãos de comunicação social de Timor-Leste, a propósito das candidaturas para as eleições presidenciais em Timor-Leste.

No teor das declarações do General Lere havia o pressuposto de que Kay Rala Xanana Gusmão não devia apoiar nenhum candidato para Presidente da República.

Ora, na opinião da UMDP, apesar de terem um grande respeito e amizade pelo General Lere como tendo sido um dos líderes militares, entre outros, e que contribuiu para a luta de libertação nacional de Timor-Leste, há o entendimento, segundo o qual, Kay Rala Xanana Gusmão, na qualidade de líder histórico da resistência, no respeito pela Constituição da RDTL, e num quadro de vivência democrática e de liberdade, pode  apoiar os candidatos que bem entender para a Presidência da República Democrática de Timor-Leste (RDTL).

É um direito de Xanana Gusmão apoiar quem quer que seja

Segundo a UMDP, “é um direito de Xanana Gusmão apoiar quem quer que seja” e este facto,

.. não demonstra a redutibilidade do seu carisma e moral como Pai da Nação e Líder do povo em marcha pela sua emancipação na busca de uma plena liberdade e direitos consagrados na Constituição da RDTL”.

(UMDP)

As controvérsias que por vezes sucedem em momentos que antecedem eleições em Timor-Leste quase sempre geram debates e posicionamentos públicos que de certa maneira colocam em relevo as idiossincrasias de cada um e os pensamentos políticos dos vários protagonistas envolvidos na corrida eleitoral, nem sempre aceitáveis, por violarem os princípios fundamentais da democracia e da liberdade, em colisão com a Constituição da República Democrática de Timor-Leste.

Neste aspecto, a UMDP é peremptória no entendimento de que estas tomadas de posição não contribuem para a coesão social.

A Constituição, no seu artigo 75º, determina concisa e claramente  critérios básicos a  quem quiser concorrer às presidenciais, mas nada afirma ou torna claro que só aos membros da Frente Armada lhes assiste o direito de concorrer com apoio do Líder carismático, Kay Rala Xanana Gusmão”.

(UMDP)

No entender da UMDP, o Estado timorense foi construído com sangue, lágrimas e sofrimento, envolveu todo o povo, e recusam aceitar que determinadas declarações políticas possam perturbar a coesão social.

Neste Estado de Direito Democrático que construímos com sangue, lágrimas e sofrimento, esperamos que Sua Excelência o Presidente da República, enquanto Comandante Supremo das Forças Armadas, deva solicitar a todo o militar efectivo em efectividade de funções a abster-se  de fazer declarações políticas que não contribuem para a coesão social e não dignificam o processo de Construção do Estado”.

A libertação de Timor-Leste da ocupação da Indonésia foi obra de todo um povo e que cada cidadão participou na luta, envolvida nas três grandes frentes (Frente Armada, Frente Clandestina/Urbana e Frente Diplomática) da Luta de Libertação”.

(UMDP)

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

In fraudem legis

Crise avança com Bolsonaro

Clube Bilderberg

Titãs cantam: “Comida”

- Publicidade -