Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Setembro 18, 2021

Verdades submersas, por Yanis Varoufakis

Os governos nacionais têm optado por não exercer seus enormes poderes favorecendo os agentes econômicos enriquecidos pela globalização.

Um castelo de cartas. Um conjunto de mentiras que aceitamos inconscientemente. É assim que nossas certezas parecem durante crises profundas. Esses episódios nos chocam ao reconhecermos quão inseguras são nossas suposições. É por isso que este ano pareceu uma maré em vazante acelerada, forçando-nos a enfrentar verdades submersas.

Costumávamos pensar, com bons motivos, que a globalização desdentara os governos nacionais. Presidentes se acovardavam diante dos mercados de títulos. Primeiros-ministros ignoravam os pobres de seu país, mas nunca a Standard & Poor’s. Ministros das finanças se comportavam como patifes do Goldman Sachs e sátrapas do Fundo Monetário Internacional. Magnatas da mídia, homens do petróleo e financistas, não menos do que críticos de esquerda do capitalismo globalizado, concordavam que os governos não estavam mais no controle.

Então veio a pandemia. Da noite para o dia, os governos criaram garras e exibiram dentes afiados. Eles fecharam fronteiras e deixaram os aviões no chão, impuseram toques de recolher draconianos em nossas cidades, fecharam nossos teatros e museus e nos proibiram de confortar nossos pais moribundos. Eles até fizeram o que ninguém pensava ser possível antes do Apocalipse: cancelaram eventos esportivos.

O primeiro segredo foi assim exposto: os governos retêm um poder inexorável. O que descobrimos em 2020 é que os governos têm optado por não exercer seus enormes poderes para que aqueles que a globalização enriqueceu pudessem exercer os seus.

A segunda verdade é uma de que muitas pessoas suspeitavam, mas eram tímidas demais para anunciar: a árvore que dá dinheiro é real. Os governos que proclamaram sua impecúnia sempre que chamados a pagar por um hospital aqui ou uma escola ali, de repente descobriram uma abundância de dinheiro para pagar licenças do trabalho, nacionalizar ferrovias, assumir companhias aéreas, apoiar montadoras de automóveis e até mesmo sustentar academias de ginástica e cabeleireiros.

Aqueles que normalmente protestam que o dinheiro não cresce em árvores, que os governos devem deixar tudo acontecer sem intervirem, morderam a língua. Os mercados financeiros comemoraram, em vez de lançar um ataque à onda de gastos do Estado.

A Grécia é um estudo de caso perfeito da terceira verdade revelada este ano: a solvência é uma decisão política, pelo menos no Ocidente rico. Em 2015, a dívida pública da Grécia, de € 320 bilhões (US$ 392 bilhões), superava uma renda nacional de apenas € 176 bilhões. Os problemas do país foram notícia de primeira página em todo o mundo, e os líderes europeus lamentavam nossa insolvência.

Hoje, no meio de uma pandemia que piorou uma economia ruim, a Grécia não é um problema, embora nossa dívida pública seja € 33 bilhões mais alta e nossa receita € 13 bilhões mais baixa, do que em 2015. Os Poderes da Europa decidiram que uma década lidando com a falência da Grécia foi suficiente, então eles decidiram declarar a Grécia solvente. Enquanto os gregos elegerem governos que transferem consistentemente para a oligarquia sem fronteiras qualquer riqueza (pública ou privada) que resta, o Banco Central Europeu fará o que for necessário – comprar tantos títulos do governo grego quanto necessário – para manter a insolvência do país fora do holofote.

O quarto segredo que 2020 revelou foi que as montanhas de riqueza privada concentrada que observamos têm muito pouco a ver com empreendedorismo. Não tenho dúvidas de que Jeff Bezos, Elon Musk ou Warren Buffett têm um talento especial para ganhar dinheiro e encurralar os mercados. Mas apenas uma pequena porcentagem de sua riqueza acumulada é o resultado da criação de valor.

Considere o aumento estupendo, desde meados de março, na riqueza dos 614 bilionários da América. Os US$ 931 bilhões adicionais que eles acumularam não resultaram de nenhuma inovação ou engenhosidade que gerou lucros adicionais. Eles ficaram mais ricos enquanto dormiam, por assim dizer, à medida que os bancos centrais inundaram o sistema financeiro com dinheiro fabricado, o que fez com que os preços dos ativos e, portanto, a riqueza dos bilionários disparassem.

Com o rápido desenvolvimento, teste, aprovação e lançamento das vacinas contra Covid-19, um quinto segredo foi revelado: a ciência depende da ajuda estatal e sua eficácia ignora a posição de bem público. Muitos comentaristas se tornaram líricos sobre a capacidade dos mercados de responder rapidamente às necessidades da humanidade. Mas a ironia não deve ser ignorada por ninguém: a administração do mais anticientífico dos presidentes dos EUA em todos os tempos – um presidente que ignorou, intimidou e zombou de especialistas mesmo durante a pior pandemia em um século – alocou US$ 10 bilhões para garantir que os cientistas tivessem o recursos de que necessitavam.

Mas há um segredo maior: enquanto 2020 foi um ano marcante para os capitalistas, o capitalismo não mais existe. Como isso é possível? Como os capitalistas podem florescer à medida que o capitalismo evolui para outra coisa?

Facilmente. Os maiores apóstolos do capitalismo, como Adam Smith, enfatizaram suas consequências indesejadas: precisamente porque os indivíduos em busca de lucro não têm consideração por ninguém, eles acabam servindo a sociedade. A chave para converter o vício privado em virtude pública é a competição, que impele os capitalistas a buscar atividades que maximizem seus lucros. Em um mercado competitivo, que serve ao bem comum, aumentam a oferta e a qualidade dos bens e serviços disponíveis, baixando constantemente os preços.

Não é difícil ver que os capitalistas podem se sair muito melhor com menos competição. Este é o sexto segredo que 2020 expôs. Liberadas da competição, empresas colossais de plataforma como a Amazon se saíram surpreendentemente bem com o fim do capitalismo e sua substituição por algo semelhante ao tecno-feudalismo.

Mas o sétimo segredo revelado este ano representa uma fresta de esperança. Embora trazer mudanças radicais nunca seja fácil, agora está perfeitamente claro que tudo poderia ser diferente. Não há mais razão para aceitarmos as coisas como são. Pelo contrário, a verdade mais importante de 2020 é capturada no aforismo adequado e elegante de Bertolt Brecht: “Porque as coisas são do jeito que são, as coisas não permanecerão como são.”

Não consigo pensar em nenhuma fonte maior de esperança do que esta revelação, entregue em um ano que a maioria prefere esquecer.


por Yanis Varoufakis, Ex-ministro das Finanças da Grécia. Autor, entre outros livros, de O minotauro global   |   Texto em português do Brasil

Fonte: Brasil247

Publicado no site A Terra é Redonda


 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -