Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Agosto 15, 2022

Viktor Orbán: controverso primeiro-ministro húngaro garante quinto mandato

Tendo ocupado o poder continuamente desde 2010, o húngaro Viktor Orbán é o primeiro-ministro mais antigo da Europa. Agora, enquanto a poeira baixa na última eleição, ele está iniciando mais um mandato de quatro anos.

por Umut Korkut, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Orbán enfrentou o desafio de uma oposição de seis partidos durante a campanha eleitoral para manter sua supermaioria de dois terços no parlamento. Seus esforços para fortalecer o poder nos últimos anos entregaram mais uma vez a grande maioria dos assentos parlamentares ao seu partido Fidesz.

Orbán ainda é o político de maior sucesso na Hungria, mesmo que deva esse sucesso a táticas questionáveis. Um relatório do Instituto de Democracia da Universidade Central Europeia acusa o Fidesz de sabotar o voto ao reescrever as regras eleitorais para atender às suas próprias necessidades e empregar o poder do Estado para controlar a mídia e as instituições públicas como parte de um “esforço sistemático para fraudar as eleições”.

No entanto, tal manipulação não pode explicar o fracasso da oposição em se tornar mais relevante para o eleitorado húngaro. O objetivo era reunir seis partidos para propor uma coalizão alternativa para o governo com Péter Márki-Zay, o prefeito não filiado ao partido da cidade húngara do condado de Hódmezővásárhely, no comando. Mas, como alertou o guru da pesquisa de opinião política húngara, Gábor Tóka, a oposição não conseguiu se tornar “um gigante”, permanecendo em “seis pessoas pequenas”.

A oposição realizou uma campanha que visava Orbán pessoalmente sobre questões como a guerra na Ucrânia, a inflação e a decisão de evitar as vacinas da Pfizer em favor da vacina contra a COVID da Rússia, Sputnik V. Mas convencer os eleitores de que uma ampla composição multipartidária seria uma alternativa viável que poderia resolver esses problemas não foi possível.

Embora a coalizão se mantivesse unida durante toda a campanha, havia uma perspectiva muito real de colapso quase imediatamente sob a pressão do governo, caso vencesse. Um forte sinal disso foi o grande volume de votos de direita que acabaram indo para o partido extremista Mi Hazánk – prova de que esses eleitores não ficaram felizes em ver seu partido regular Jobbik se juntar à coalizão de oposição. Como resultado, Mi Hazánk obteve votos suficientes para entrar no parlamento pela primeira vez.

Tudo isso foi suficiente para desencorajar os eleitores de se afastarem da extrema continuidade de um governo que está em vigor há mais de uma década. Percebendo claramente uma vulnerabilidade nos diversos objetivos eleitorais da oposição, Orbán concentrou sua campanha na promessa de estabilidade e na proteção da nação em um momento de incerteza.

A questão da Ucrânia

A guerra na Ucrânia certamente colocou Orbán em uma posição desconfortável. A Hungria depende fortemente da Rússia para energia e comércio e Orbán não condenou o presidente russo Vladimir Putin quase na mesma medida que a maioria dos líderes europeus.

A resposta de Orbán às críticas sobre este ponto foi alertar que os partidos da oposição cortariam o gás russo se eleitos para o governo, resultando no colapso da economia húngara. Em seu discurso de vitória, Orbán se referiu aos burocratas de Bruxelas, à mídia internacional e até ao presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy como seus “oponentes” nesta eleição.

No entanto, parece improvável que os eleitores apoiem Orbán por essa retórica em vez de apoiá-lo apesar dela. A questão, portanto, é por que eles continuam a apoiá-lo. Certamente a liberdade da mídia está altamente comprometida na Hungria e a mídia pública serviu como porta-voz do governo durante todo o período da campanha.

No entanto, parece que, em vez de reagir contra os aumentos da inflação, dos preços da energia e do custo de vida geral, os eleitores endossaram um líder que conhecem em vez de tentar alguém novo. Tanto as áreas mais pobres do nordeste quanto as regiões mais ricas do oeste da Hungria deram a Orbán um apoio significativo. A oposição, como antes, continua limitada a Budapeste, apesar de alguns aumentos no apoio do Fidesz também lá. A narrativa de orientação ocidental, liberal e centrada na Europa não atraiu o eleitorado.

O eleitorado deu a Orbán uma aprovação em sua posição em relação à Rússia, mas esta será uma questão definidora nos primeiros meses de seu novo mandato – pelo menos internacionalmente. Quando se trata de Putin, Orbán está radicalmente fora de sintonia com seus colegas europeus.

Orbán fala com o presidente francês Emmanuel Macron à margem de uma cúpula da UE. EPA

A Hungria operou como parte de uma aliança informal com a Polônia nos últimos anos, desafiando Bruxelas sobre a abordagem da UE aos princípios democráticos. Mas esta parceria foi enfraquecida por diferentes pontos de vista sobre a Ucrânia. Outros países da região que tradicionalmente apoiaram a política anti-imigração de Orbán agora se aproximam do rebanho europeu, oferecendo apoio aos refugiados ucranianos ao lado de todos os outros.

Os resultados das eleições húngaras mostram que a “democracia iliberal” pode existir na Europa, mesmo quando enfrenta uma ameaça da Rússia. De fato, outro líder autoritário com laços estreitos com a Rússia também deve ganhar uma eleição iminente na Sérvia.

Ainda é possível que a Hungria aja com o campo europeu em oposição à guerra na Ucrânia. Mas tal aliança pode ser impulsionada mais por prioridades econômicas do que pelo desejo de defender valores liberais e democráticos.


por Umut Korkut, Professor de Política Internacional, Glasgow Caledonian University |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -