Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Outubro 4, 2022

150 anos de Alexandra Kollontai

Jenny Farrel
Jenny Farrel
Nascida na República Democrática Alemã, vive na Irlanda desde 1985; Ela é professora, escritora e editora. Ela escreveu um livro sobre o Romantismo Revolucionário Inglês e uma introdução marxista às tragédias de William Shakespeare. Ela escreve para a imprensa comunista na Irlanda, Grã-Bretanha, Estados Unidos, Alemanha, Brasil e Portugal e editou antologias de escrita da classe trabalhadora na Irlanda

Alexandra Kollontai, a primeira mulher na história a servir em um gabinete do governo.

Alexandra Kollontai, nascida há 150 anos em 31 de março de 1872, era uma figura notável no movimento comunista russo. No exílio, ela foi internacionalmente ativa como oradora e autora. Na Alemanha, ela tornou-se amiga de Luxemburgo, Liebknecht e Zetkin.

Como Comissária Popular para Assuntos Sociais, Kollontai foi a primeira mulher na história a servir em um gabinete do governo. Desde 1922, ela foi a primeira embaixadora da URSS na Noruega e na Suécia.

Kollontai veio de uma rica família de São Petersburgo. Seu pai era descendente de proprietários de terras ucranianas e mais tarde se tornou general do Exército Imperial Russo. Sua mãe era filha de um comerciante de madeira finlandês e de uma nobre russa. Quando criança, Alexandra (Shura) passou muitos verões na propriedade da família na Finlândia. Ela era fluente em russo, finlandês, inglês, alemão e francês, idiomas que não só beneficiaram o movimento revolucionário, mas também, mais tarde, o serviço diplomático soviético. Dentro do movimento comunista russo, ela lutou pelos direitos da mulher e foi também um instrumento na legislação social da primitiva república soviética.

O trabalho político ativo de Kollontai começou quando ela deu aulas noturnas aos trabalhadores em São Petersburgo, em 1894. Através disso, ela se tornou parte da Cruz Vermelha Política, uma organização de apoio aos presos políticos, que trabalhava em parte na clandestinidade. A “Mulher e Socialismo” de August Bebel deixou uma profunda impressão em 1895 e influenciou seu pensamento e trabalho futuros.

Em 1896 Kollontai experimentou seu primeiro encontro direto com a indústria capitalista em uma grande fábrica têxtil de São Petersburgo. Pouco tempo depois, ela participou de campanhas de leafleting e angariação de fundos em apoio a uma greve em massa na indústria têxtil. As greves de 1896 consolidaram sua certeza da necessidade de uma revolução proletária. Em 1899, ela entrou para o Partido Social Democrata do Trabalho (RSDLP), que opera ilegalmente. Em 1905, ela começou a se voltar ativamente para a questão das mulheres. Seu trabalho “A base social da questão da mulher” foi a primeira grande exposição de um marxista russo sobre o assunto. Nela, ela não apenas defendeu a derrubada do sistema capitalista, mas também explicou a necessidade de reestruturar a própria família a fim de alcançar uma verdadeira emancipação.

Entre 1905 e 1908, Kollontai organizou as mulheres trabalhadoras da Rússia para lutar por seus próprios interesses contra os capitalistas, contra o feminismo burguês e contra o conservadorismo e o patriarcado nas organizações socialistas. Ela lançou assim as bases para um movimento de massa.

Como muitos socialistas russos, Kollontai permaneceu neutra durante a cisão entre bolcheviques e mencheviques em 1903. Em 1904 ela se uniu à facção bolchevique e deu cursos sobre o marxismo para eles. Em 1905 ela se uniu a Trotsky e deixou os bolcheviques em 1906 sobre a questão de boicotar as eleições para a Duma, eleita antidemocraticamente, onde ela acreditava que era possível, no entanto, defender as exigências da esquerda e expor as maquinações do governo.

Entre 1900 e 1920, Kollontai foi considerada a principal especialista da RSDLP na “questão finlandesa”. Ela escreveu dois livros, numerosos artigos e foi assessora dos membros do RSDLP na Duma czarista, bem como uma ligação com os revolucionários finlandeses. Em 1908, quando ela defendeu o direito da Finlândia à insurreição armada contra o Império czarista, ela foi forçada ao exílio. Em 1918, ela renunciou ao cargo de Comissária para Assuntos Sociais no governo soviético em protesto contra o Tratado de Brest-Litovsk. O tratado significou a perda de grandes territórios europeus, incluindo a Finlândia e a Ucrânia, para a Rússia soviética. Com esta posição, ela se opôs a Lenin, para quem a paz era uma prioridade.

Desde o final de 1908 até 1917, Kollontai viveu no exílio. No período antes da Primeira Guerra Mundial, ela viajou para os EUA, Grã-Bretanha, Dinamarca, Suécia, Bélgica e Suíça. Seu esboço autobiográfico “Autobiografia de uma Mulher Comunista Sexualmente Emancipada” diz:

“Vivi na Europa e na América até a derrubada do czarismo em 1917″. Assim que cheguei na Alemanha, após meu vôo, entrei para o Partido Social Democrata Alemão, no qual tinha muitos amigos pessoais, entre os quais contava especialmente Karl Liebknecht, Rosa Luxemburgo, Karl Kautsky. Clara Zetkin também teve uma grande influência em minha atividade na definição dos princípios do movimento de mulheres trabalhadoras na Rússia. Já em 1907 eu havia participado, como delegada da Rússia, da primeira Conferência Internacional de Mulheres Socialistas que se realizou em Stuttgart. Esta reunião foi presidida por Clara Zetkin e deu uma enorme contribuição para o desenvolvimento do movimento de mulheres trabalhadoras segundo a linha marxista”.

Muito antes da guerra, Kollontai começou a agitar-se incansavelmente contra a ameaça de guerra. Em um discurso em Estocolmo, em 1º de maio de 1912, ela declarou:

“Os capitalistas sempre dizem: ‘Temos que nos armar porque somos ameaçados pela guerra! E apontam para seus símbolos sagrados: militarismo em terra, militarismo em alto mar e militarismo no ar. Eles invocam o espectro da guerra para colocá-lo entre si e o espectro vermelho. Eles convocam a guerra para se libertar do espectro da revolução social.

Mas a Internacional lhes responde com um chamado unido: “Abaixo a guerra! Os trabalhadores sabem que por trás da ameaça de guerra está o Estado capitalista que quer sobrecarregar o povo com novos impostos, está a indústria bélica que quer aumentar seus lucros”.

Ela também se envolveu com o movimento antiguerra na Alemanha e na Áustria. Ela estava no Reichstag quando os créditos da guerra foram votados em agosto de 1914:

“Somente Karl Liebknecht, sua esposa Sofie Liebknecht e alguns outros camaradas do Partido Alemão, como eu, abraçaram o mesmo ponto de vista e, como eu, consideraram um dever socialista lutar contra a guerra. Estranho dizer que eu estava presente no Reichstag no dia 4 de agosto, o dia em que o orçamento da guerra estava sendo votado. O colapso do Partido Socialista Alemão me pareceu uma calamidade sem paralelo. Eu me senti totalmente só e só encontrei conforto na companhia dos Liebknechts.

Com a ajuda de alguns amigos do Partido Alemão pude deixar a Alemanha com meu filho em agosto de 1914 e emigrar para a península escandinava”.

Na Suécia, ela foi presa por propaganda antiguerra. Após sua libertação, em fevereiro de 1915, ela foi para a Noruega onde, junto com Alexander Schlapnikov, serviu como elo de ligação entre a Suíça, onde Lenin e o Comitê Central estavam hospedados, e a Rússia. Em junho de 1915, ela rompeu com os Mensheviks e uniu-se oficialmente aos bolcheviques. Em setembro de 1915, ela estava centralmente envolvida na organização da Conferência de Paz de Zimmerwald. Seu trabalho “Quem precisa da guerra?”. (1915) foi traduzido para vários idiomas e circulou em inúmeras edições e milhões de cópias.  Ela fez duas palestras nos EUA, participou de uma cerimônia memorial para Joe Hill em Seattle e falou da mesma plataforma que Eugene Debs em Chicago.

Com o início da Revolução de fevereiro de 1917, Kollontai retornou à Rússia e defendeu uma política clara de não apoio ao governo provisório. Ela foi eleita membro do Comitê Central do Soviete Petrogrado. Kollontai continuou agitando pela revolução na Rússia e começou seu envolvimento com o jornal feminino bolchevique Rabotnitsa (Работница, Trabalhadora), incitando os bolcheviques e os sindicatos a prestarem mais atenção à organização das mulheres trabalhadoras. Em maio de 1917, ela participou da greve das trabalhadoras de lavanderia exigindo a comunalização de todas as lavanderias. A greve durou seis semanas, mas o regime de Kerensky não conseguiu atender às exigências dos trabalhadores.

Após a revolução, Kollontai foi eleita Comissária para Assuntos Sociais no novo governo soviético. A descrição de Kollontai na “Autobiografia” dá uma impressão vívida de seu trabalho na completa transformação do primeiro período revolucionário:

“Meu principal trabalho como Comissário do Povo consistiu no seguinte: por decreto para melhorar a situação dos deficientes de guerra, para abolir o ensino religioso nas escolas para meninas que estavam sob o Ministério (…), e para transferir padres para o serviço público, para introduzir o direito de auto-administração para alunos nas escolas para meninas, para reorganizar os antigos orfanatos em Casas da Criança do governo (…) ), para criar os primeiros albergues para os necessitados e para os comilões de rua, para convocar um comitê, composto apenas de médicos, que seria encarregado de elaborar o sistema de saúde pública gratuito para todo o país. Na minha opinião, a realização mais importante do Comissariado do Povo, no entanto, foi a base legal de um Escritório Central de Maternidade e Bem-Estar Infantil. A minuta do projeto de lei relativo a este Escritório Central foi assinada por mim em janeiro de 1918. Seguiu-se um segundo decreto no qual eu transformei todas as maternidades em Lares Livres para Maternidade e Assistência à Infância, a fim de estabelecer as bases para um sistema governamental abrangente de assistência pré-natal. (…) Uma fúria especial tomou conta dos seguidores religiosos do antigo regime quando, por minha própria autoridade (o gabinete mais tarde me criticou por esta ação), transformei o famoso mosteiro Alexander Nevsky em um lar para inválidos de guerra. Os monges resistiram e seguiu-se uma briga de tiroteio. A imprensa novamente levantou um forte tom e chorou contra mim. A Igreja organizou manifestações de rua contra minha ação e também pronunciou ‘anátema’ contra mim…”.

Em 1918, Kollontai se opôs à ratificação do Tratado de Brest-Litovsk e renunciou ao governo para não comprometer a unidade do Comissariado por sua oposição sobre uma questão tão crucial. Ela permaneceu ativa como agitadora e organizadora, porém, e desempenhou um papel fundamental na organização do Primeiro Congresso de Mulheres Trabalhadoras e Camponesas da Rússia, ocupando cargos de liderança e fundando o Comitê de Mulheres (Zhendotel/Женотдел) do Partido Comunista em 1919, juntamente com Inessa Armand e Nadezhda Krupskaya. Isto direcionou seu trabalho para melhorar as condições de vida das mulheres em toda a União Soviética, combatendo o analfabetismo e educando as mulheres sobre as novas leis matrimoniais, educacionais e trabalhistas. Na Ásia Central Soviética, a Zhenotdel procurou melhorar a vida das mulheres muçulmanas através da alfabetização, educação e campanhas de “revelação”. A Zhenotdel também introduziu a legalização do aborto pela primeira vez na história, em novembro de 1920. Em um dos vários escritos sobre o status da mulher, Kollontai escreveu em 1919 em “Gender Relations and the Class Struggle” sobre sua visão de uma sociedade verdadeiramente livre na qual a igualdade não é somente legislada, mas é apenas alcançada:

“quando sua psique tem uma reserva suficiente de “sentimentos de consideração”. quando sua capacidade de amar é maior, quando a idéia de liberdade nas relações pessoais se torna fato e quando o princípio da “camaradagem” triunfa sobre a idéia tradicional de desigualdade” e submissão. Os problemas sexuais não podem ser resolvidos sem esta reeducação radical de nossa psique”.

Em 1921 ela entrou em conflito diretamente com o Partido Comunista e Lênin quando declarou publicamente seu apoio à Oposição Operária, um agrupamento contra o centralismo partidário. O agrupamento foi dissolvido e Kollontai permaneceu em oposição crítica dentro do partido.

Em 1922, a seu próprio pedido, ela entrou no serviço diplomático soviético primeiro na Noruega, depois no México, depois novamente na Noruega e na Suécia. Ela comenta:

“Naturalmente esta nomeação criou uma grande sensação já que, afinal, foi a primeira vez na história que uma mulher foi oficialmente ativa como “embaixadora”. (…) No entanto, eu me propus a tarefa de efetuar o reconhecimento de jure da Rússia soviética e de restabelecer relações comerciais normais entre os dois países que haviam sido rompidas pela guerra e pela revolução. (…) Em 15 de fevereiro de 1924, a Noruega, de fato, reconheceu a R.E.U.S.R. de jure”.

Alexandra Kollontai também agiu como negociadora do tratado de paz finlandês-soviético de 1940 e serviu à URSS com grande sensibilidade. Até sua aposentadoria em 1945 por motivos de saúde, Kollontai viveu no exterior como diplomata. Posteriormente, e até sua morte em 9 de março de 1952, ela serviu ao Ministério das Relações Exteriores soviético como assessora.


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -