Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Agosto 15, 2022

3 perguntas a… Rui Miguel Tovar

J. A. Nunes Carneiro, no Porto
J. A. Nunes Carneiro, no Porto
Consultor e Formador

Viagens sem Bola  |  Quetzal

Rui Miguel Tovar
Jornalista e comentador desportivo, quase dispensa apresentações. Presença assídua na televisão, rádio e imprensa, quase sempre para falar de futebol, colabora atualmente com o jornal Observador, a revista Sábado, a RTP (Grandiosa Encicloplédia do Ludopédio) e Rádio Estádio. Tem vários livros publicados.
(wook)

 


O futebol e a arte de viajar

Qual a ideia que esteve na origem deste seu novo livro «Viagens Sem Bola»?

A ideia foi do Francisco José Viegas. Bem haja, eeeeep eeeep uraaayyyyyyy 🙂 Quando falou-me do livro, durante um almoço ali perto da bertrand, parecia que estava a entrar na minha mente, porque sempre quis escrever um livro sobre algumas viagens mas nunca desenvolvi o tema por falta de tempo, consumo exagerado de futebol, falta de tempo, consumo exagerado de futebol, falta de tempo, consumo exagerado de futebol até ao infinito e mais além. No momento em que o assunto viagens fez clique aqui em cima, reservei as manhãs para escrever o livro. Na altura, em Abril 2019, acordava às sete e pouco da manhã só porque sim e começava a teclar pim pim pim pim pim pim até à hora do almoço. Depois mudava de registo e tinha de escrever para o trabalho diário. Na manhã seguinte, toma lá mais pim pim pim pim pim pim. Cada dia que passava, acordava mais cedo ainda.

O futebol é um bom pretexto para viajar e conhecer o mundo?

Claaaaaaaro, é um catalisador de emoções sociais, culturais e desportivas inimagináveis. Atenção, nem é preciso sair de Portugal. Basta ir ao Oriental, ali em Marvila, ou a Vila Fria, no Minho: é um mimo a mistura da experiência da bola com a da viagem (metro, autocarro, comboio ou mesmo a pé, tanto faz). Se formos lá para fora, tudo é bem mais significativo. Seja sozinho ou acompanhado, seja em Espanha ou nas Maldivas, a movida fortalece-nos o espírito. Mesmo que o estádio esteja à frente do teu hotel, como me aconteceu em Sevilha. O que me dá mais gozo é viajar sem futebol e, de repente, vejo-me dentro de um estádio só porque vi um cartaz de jogo colado na vitrina de uma tasca.

Das muitas histórias e dos muitos lugares que percorreu, consegue escolher aquele em que mais e melhor sentiu a força do futebol??

Argentina, 2011. A cobertura da Copa América foi um acontecimento sensacional. Vim de lá mudado (e mal habituado). Todos os dias entrevistava pessoas a torto e a direito, a barreira entre heróis do futebol e jornalistas pura e simplesmente não existia. Fossem figuras do passado ou do presente, como os seleccionadores. Calhou-me o brinde de entrar no hotel do Paraguai na véspera da final e encontrar o treinador a beber um copo no bar. Fui lá, meti conversa e já está. Aconteceu-me o mesmo com o seleccionador do Peru e da Venezuela, o mesmo cenário: bar do hotel. Assim mesmo, sem barreiras e tudo às claras.

Rui Miguel Tovar

Viagens sem Bola

Quetzal. 13,30€


Exclusivo Tornado / Novos Livros


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -