Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Novembro 30, 2021

A ação criminosa de Trump na epidemia: infectai-vos

José Carlos Ruy, em São Paulo
Jornalista e escritor.

A última onda de infecção e mortes está relacionada a política de “imunidade de rebanho” implementada pelo governo Trump. Os números do momento fazem frente aos piores meses da primavera.

por C.J. Atkins, John Wojcik, em People´s World  | Tradução de José Carlos Ruy

Com mais de 300.000 cidadãos mortos, foi revelado na quarta-feira (16/12), um lote de e-mails, que eram secretos, mostrando que as atuais taxas de mortalidade e infecção podem ter sido, pelo menos parcialmente, o resultado da política do governo de Donald Trump, planejada conscientemente em julho.

Muitos dos e-mails e documentos foram divulgados em um relatório na quarta-feira (16) pelo deputado Jim Clyburn, presidente do subcomitê de coronavírus da Câmara. Os e-mails indicam, de fato, que, em julho, o plano do presidente americano era para que houvesse ainda mais infecções e mortes.

Donald Trump, por meio de um alto funcionário, pressionou o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) a seguir uma política de permitir a infecção do maior número possível de cidadãos com o coronavírus para que pudesse haver a “imunidade coletiva”, a “imunidade de rebanho”. Antes da revelação dos e-mails, o governo Trump negou que essa fosse sua política. Mesmo com essas revelações, o HHS continua a alegar que a imunidade coletiva nunca foi sua abordagem oficial.

A pressão para deixar a infecção correr solta parece ter vindo do próprio Trump, entretanto, e foi enviada por meio de um emissário, Paul Alexander, ao HHS, aos Centros de Controle de Doenças e outras agências. Apesar de nunca ter havido um anúncio público de que o governo estava buscando imunidade coletiva, a rápida reabertura de vários estados governados por republicanos no verão antes de a curva de infecção ser nivelada mostra que era uma política de fato. Pode-se estimar razoavelmente que o resultado foi pelo menos dezenas de milhares de mortes que podiam ter sido evitadas e, em última análise, pode significar centenas de milhares de mortes nos EUA.

As primeiras ordens do governo de Trump para que houvesse uma política de infectar o maior número possível de pessoas foram enviadas para o HHS em julho. Os e-mails, obtidos por um funcionário da Câmara e entregues à revista “Politico”, mostram que o plano do governo Trump era propositalmente incluir crianças nas milhões de pessoas infectadas com o coronavírus.

“Não tem outro jeito, a gente precisa estabelecer o rebanho , e só se trata de permitir que grupos de não alto risco se exponham ao vírus” – Alexander, escolhido por Trump para aconselhar as autoridades de saúde na implementação dessa política, escreveu a sete altos funcionários do HHS em 4 de julho.

“Bebês, crianças, adolescentes, jovens, adultos jovens, de meia-idade sem condições, etc. têm risco de zero a pequeno… então, os usamos para desenvolver rebanho… queremos que eles sejam infectados…” Alexander escreveu em nome de Trump.

“Pode ser que seja melhor abrirmos e inundarmos a zona e deixarmos que as crianças e jovens sejam infectados” para obter “imunidade natural… exposição natural”, escreveu o emissário do presidente em 24 de julho ao comissário da Food and Drug Administration, Stephen Hahn, seu próprio chefe, o secretário-assistente de relações públicas do HHS, Michael Caputo, e oito outros altos funcionários. Posteriormente, Caputo pediu a Alexander para pesquisar a ideia, de acordo com e-mails em poder do subcomitê de coronavírus da Clyburn’s House.

A insistência de Trump para que as faculdades e atividades esportivas universitárias permanecessem abertas fazia parte do plano para forçar as infecções por Covid-19 a se espalharem rapidamente.

Lunáticos de direita exigindo liberdade de não usar máscaras e funcionários republicanos de direita em todo o país fizeram o jogo de Trump ao se recusarem a proteger seu próprio povo da infecção.

Muitas faculdades e programas de esportes não reabriram como Trump queria, mas muitas outras medidas de proteção à saúde pública foram revertidas ou nunca implementadas. Um e-mail de Alexander ao diretor do CDC, Robert Redfield, reclamou que os jovens não estavam sendo infectados com rapidez suficiente. “Basicamente, tiramos do campo de batalha a arma mais potente que tínhamos… jovens saudáveis, crianças, adolescentes, jovens que precisávamos para se infectar rapidamente, espalhar, desenvolver imunidade e ajudar a impedir a propagação.”

Alexander foi pessoalmente instado por Caputo, a quem Trump nomeou para liderar os esforços de comunicação do departamento de saúde. Apesar de não ter formação científica, Trump queria que Caputo montasse uma equipe para moldar como as várias agências do governo discutiriam publicamente o coronavírus e como reagiriam a ele. Caputo diz que Trump o instruiu a “trazer expertise” e que “a primeira ligação que fiz depois de desligar o telefone com o presidente” foi para dar a Alexander o cargo de vice.

As autoridades disseram à revista “Politico” que, quando Alexandre fez recomendações, ficou claro para eles que representava os desejos da Casa Branca e tinha o apoio do presidente.

“Ficou claro que ele falou por Michael Caputo, que falou pela Casa Branca”, disse Kyle McGowan, nomeado por Trump que era chefe de gabinete do CDC. “É assim que eles queriam que fosse percebido.”

As revelações também explicam o impulso para reabrir a economia em muitos estados onde as diretrizes de saúde do CDC para a reabertura ainda não foram cumpridas. Comentando isto, Alexander observou de vez em quando em seus e-mails o progresso feito no esforço para aumentar a taxa de infecção.

“Há um aumento de casos devido aos testes e também simultaneamente ao relaxamento das restrições, menos distanciamento social”, escreveu ele em um e-mail de 24 de julho. “Sempre soubemos que, à medida que você relaxa e se abre, os casos aumentam.”

Especialistas em saúde pública há muito condenam os planos de infectar deliberadamente mais jovens e saudáveis ​​com Covid-19, dizendo que isso colocaria desnecessariamente milhões de pessoas em risco de complicações de longo prazo e até mesmo de morte. Os cientistas também afirmam que a abordagem não leva em consideração o fato de que os jovens infectados espalham o vírus para familiares e colegas de trabalho mais vulneráveis ​​ou menos saudáveis.

Está mais claro do que nunca agora que o principal motivo pelo qual o Dr. Anthony Fauci caiu em desgraça com Trump foi sua repulsa por essa política. “Certamente não queremos esperar e apenas deixar que as pessoas sejam infectadas para que você possa desenvolver imunidade coletiva. Essa certamente não é minha abordagem ”, disse Fauci em setembro.

O subcomitê de coronavírus de Clyburn acusou, na noite de quarta-feira (16), que os documentos que ele viu e os e-mails “mostram um padrão pernicioso de interferência política por funcionários do governo”.

“À medida que o vírus se espalhava pelo país, essas autoridades escreveram insensivelmente, ‘quem se importa’ e ‘queremos que eles sejam infectados’”, disse Clyburn. “Eles admitiram reservadamente que ‘sempre souberam’ que as políticas do presidente causariam um ‘aumento’ nos casos e planejaram culpar cientistas de carreira pela disseminação do vírus.”

Em um e-mail durante o verão, quando as taxas de infecção começaram a aumentar novamente, Alexander escreveu: “Portanto, se é mais infeccioso agora, a questão é quem se importa?” Se está causando mais casos em jovens, minha palavra é quem se importa… contanto que tomemos decisões sensatas e protejamos os idosos e as casas de repouso, devemos continuar com a vida… quem se importa se testarmos mais e obtermos mais testes positivos.”

Alguns dos documentos mencionados por Clyburn só foram entregues a seu subcomitê pelo governo Trump após a eleição. As revelações, de acordo com Clyburn, significam que o HHS deve cooperar com sua investigação e que o diretor do CDC, Redfield, deve explicar os detalhes em torno de um e-mail que ele supostamente disse à equipe para deletar. Clyburn disse: “Serei forçado a começar a emitir intimações”.

Os e-mails mostram que Alexander realmente não tinha ideia do que estava falando enquanto estava promovendo a política do governo de Trump no HHS. “Eu não queria parecer louco”, escreveu ele em uma mensagem, “e se como eles pensam e como eu acho que isso pode ser verdade… várias áreas duramente atingidas podem ter sido ouvidas em 20% como Nova York”, Alexander adicionou: “Este é o meu argumento… por que não considerá-lo?”

McGowan, o ex-chefe de gabinete do CDC, disse que Alexander foi capaz, além de promover a imunidade coletiva, de manipular informações fazendo com que as notícias sobre coronavírus divulgadas publicamente soassem favoráveis ​​a Trump. McGowan disse que Alexander foi capaz de atrasar os Relatórios Semanais de Morbidez e Mortalidade do CDC e que ele era a pessoa por trás das políticas diluidoras que sua agência gerou.

“Ele colocou absolutamente pressão sobre o CDC em diferentes documentos de orientação”, disse McGowan.

Os decretos de Alexandre para várias agências governamentais tornaram-se mais bizarros e orientados para a conspiração no final do verão. Em agosto e no início de setembro, ele contatou assessores de imprensa do National Institutes of Health, instruindo-os a amordaçar Fauci e controlar o que ele dizia à mídia. Ele exigiu que Fauci parasse de dizer que as crianças deveriam usar máscaras na escola e defendeu que estudantes em idade escolar e universitários fossem testados para o vírus.

Em meados de setembro, agindo como o buldogue de Trump e seguindo a linha defendida por Alexander, Caputo fez uma postagem de vídeo no Facebook Live acusando o CDC de agir como uma “unidade de resistência” para intencionalmente fazer Trump ficar mal. Ele disse que os cientistas do CDC eram culpados de “sedição” e produziram “ciência podre”. Sua afirmação ecoou as acusações que Alexander fez em junho, repreendendo o CDC por supostamente minar o presidente quando ele publicou um relatório sobre os riscos do coronavírus para mulheres grávidas. Alexander disse na época que as diretrizes para mulheres grávidas “parecem assustar as mulheres… como se o presidente e seu governo não pudessem consertar isso e estivesse piorando”. Claro, o governo não estava consertando isso e as coisas estavam piorando.

Durante a transmissão do Facebook, Caputo chamou os apoiadores de Trump para se prepararem para uma insurreição contra os cientistas e defendeu Alexander e o chamou de “gênio”.

Após o discurso da conspiração nas redes sociais, o HHS anunciou dois dias depois que Alexander estava fora e que Caputo tiraria uma licença de 60 dias para saúde mental. As reclamações públicas eram má publicidade demais para o presidente nas últimas semanas da campanha eleitoral.

Poucos dias depois de Caputo e Alexander serem dispensados ​​do comando sobre as comunicações do coronavírus, os cientistas do CDC forçaram uma reversão da orientação anterior da agência de que pessoas assintomáticas que conviviam com pessoas infectadas não precisam ser testadas. A declaração havia sido originalmente colocada no site do CDC por ordem da Casa Branca e da liderança do HHS.

O departamento de saúde tem tentado colocar espaço entre ele e Alexander desde então, mas ele continua a defender suas ações enquanto trabalhava para Trump. Em uma entrevista para o “Toronto Globe and Mail” após sua demissão, Alexander disse que seu objetivo era forçar o CDC a emitir relatórios que fossem “mais otimistas para que as pessoas se sentissem mais confiantes para sair e gastar dinheiro”.

Ele argumentou que nenhuma agência governamental “deveria contradizer a política de qualquer presidente” e disse que continua mais apto do que os cientistas para avaliar informações e dados sobre o coronavírus. “Nenhuma dessas pessoas tem minhas habilidades”, ele raciocinou. “Eu decido se isso é uma porcaria.”

A morte em massa agora infligida ao país como resultado das políticas desastrosas do governo prova que foram precisamente as avaliações e o julgamento de Alexandre que foram uma porcaria. Isso confirma outra coisa: Donald Trump deixou para si mesmo um legado sem precedentes do Inferno. A cada dia que passa, a lista de motivos para comemorar sua derrota em novembro cresce.


por C.J. Atkins e John Wojcik |   Texto em português do Brasil, com tradução de José Carlos Ruy

Exclusivo Editorial PV (Fonte: People´s World) / Tornado

  • C.J. Atkins, Editor-chefe de “People’s World”
  • John Wojcik, Editor-chefe de “People’s World

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -