Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Setembro 17, 2021

À atenção do Governo

Joaquim Jorge, no Porto
Biólogo, Fundador do Clube dos Pensadores

Vai haver descongelamento das carreiras do Estado, novos escalões no IRS, entram em vigor as reformas antecipadas de longa duração sem cortes.

Tudo isto custa muito dinheiro:

  • 200 milhões para desbloquear as carreiras dos funcionários públicos;
  • 200 milhões para alterações dos escalões;
  • 50 milhões de euros para as reformas antecipadas de longa duração sem cortes.

Não questiono a justiça de quem descontou 48 ou 46 anos para a Segurança Social e Caixa Geral de Aposentações se possa reformar sem cortes. Acho justíssimo e socialmente relevante. Mas também acho importante alargar a medida aos desempregados de longa duração que foram “obrigados” a reformar-se, pois não tinham outra fonte de rendimento e foram duplamente penalizados: 0,5% por cada mês, antes de atingir a idade de reforma e factor de sustentabilidade (13,88%).

Seria da maior justiça rever estes procedimentos, antes de aumentos de ordenados e alteração de escalões.

A dívida pública está perto dos 250.000 milhões de euros. Como somos à volta de 10 milhões eu devo 25.000 euros sem saber porquê? Eu acho que não devo nada a ninguém, tudo que compro pago na hora.

Penso que o PCP e o BE estão a esticar demais a corda. Vamos com calma! É preferível manter os ordenados e conseguir que muitos desempregados acedam ao mercado de trabalho, do que aumentos que depois não se possam manter e degenerem, de novo, em resgastes e troikas.

A economia está em crescendo e a esperança de futuro em franca melhoras.

Mas, por favor, não estiquem demais a corda que pode, de novo partir. O dinheiro não estica e não dá para tudo. Vamos devagar e de forma sustentada.

Não estou para viver, de novo, num país caloteiro que gasta mais do que pode e que venham para aqui dar-me ordens.

Não quero nunca mais, voltar a passar pelo que passei. Não me esqueço do que os portugueses passaram pela incompetência dos nossos governantes.

O PS deve bater o pé ao BE e PCP, não ir mais além, do razoável. De outro modo, vamos voltar ao mesmo. Não quero um “bem-estar de iô-iô”.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -