Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Maio 20, 2022

A China voltou a ser a principal potência econômica do mundo?

São muitos os aspectos da economia chinesa que demonstram um claro avanço sobre o poderio global dos EUA. O que falta para ultrapassá-los?

por Stephane Aymard, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A noção de “grande potência” refere-se a áreas como a capacidade de contribuir para a ordem mundial ou o desenvolvimento militar. Em questões econômicas, a noção de “poder econômico” é frequentemente medida pelo produto interno bruto (PIB).

Assim, de acordo com esse indicador, a Índia estava à frente da China até os anos 1500. Depois, a China ocupou o primeiro lugar até meados do século XIX. Na época da revolução industrial, o Império Britânico ocupou o primeiro lugar antes de ser ultrapassado pelos Estados Unidos pouco antes da Primeira Guerra Mundial. Por pouco mais de um século, os Estados Unidos foram considerados a maior potência econômica do mundo.

Ainda assim, havia desafiantes. Em 1956, o “Prêmio Nobel de Economia”, Maurice Allais, indicava que, com seu ritmo de produção industrial, a União Soviética alcançaria os Estados Unidos por volta de 1970-1975. De fato, o crescimento foi de 4 a 10% (como nos Estados Unidos no século XIX ). Mas com os choques do petróleo e as crises econômicas, isso não aconteceu.

Na década de 1980, o Japão estava alcançando os Estados Unidos. Seu PIB cresceu 5% ao ano, enquanto o dos Estados Unidos cresceu 1%. Nesse ritmo, o Japão poderia ocupar o lugar da primeira potência econômica do mundo. Em última análise, isso nunca aconteceu com a estagnação da economia japonesa.

Mais recentemente, a decolagem econômica da China permitiu que este país ultrapassasse rapidamente todos os outros em muitos critérios até chegar ao segundo lugar. Hoje, de acordo com os indicadores, China e Estados Unidos disputam a liderança. Mas a hierarquia foi realmente abalada hoje?

PIB, a grande recuperação chinesa

Para o Banco Mundial, os PIBs totais são de 15 trilhões e 21 trilhões, respectivamente. A tendência ainda mostra que as curvas podem se cruzar em três ou quatro anos.

E, se usarmos o PIB constante em paridade de poder aquisitivo, a China já ultrapassou os Estados Unidos com 23.000 bilhões contra 20.000 bilhões.

O Fundo Monetário Internacional (FMI), em seu World Economic Outlook, indica projeções para 2022 para o PIB atual em 18.000 bilhões de dólares em 2022 para a China contra 24.000 bilhões para os Estados Unidos.

Observamos também que a China deu um salto nas últimas duas décadas em termos de comércio. Segundo a Organização Mundial do Comércio, à qual a China aderiu em 2001, para as exportações de mercadorias, a participação da China aumentou de 5,9% para 15,2% entre 2003 e 2020 , enquanto a participação dos Estados Unidos caiu de 9,8% para 8,4%.

A China é, portanto, agora, de longe, o maior exportador mundial de mercadorias. Em valor, isso representa 2600 bilhões de dólares para o Middle Kingdom, contra 1400 bilhões de dólares para os Estados Unidos.

A “fábrica do mundo” também é hoje o principal fornecedor para mais de 60 países, incluindo vinte na África.

A aposta em P&D

Além do indicador representado pelo PIB, observamos também que a China agora rivaliza com os Estados Unidos em termos de inovação. A China tornou-se assim o principal depositante de patentes do mundo em 2011, à frente dos Estados Unidos e do Japão. Considerada há muito tempo uma nação dotada em copiar, a China tem, portanto, por várias décadas se voltado para a inovação e P&D (mesmo que o número de patentes não seja o único indicador, pois é necessário examinar a exploração dessas patentes e os royalties que elas geram).

De acordo com a Organização Mundial de Propriedade Intelectual, a lacuna está aumentando ainda mais: a China registra mais que o dobro de patentes que os Estados Unidos e, sozinha, responde por 43% dos depósitos no mundo.

Em termos de P&D, os investimentos chineses são consideráveis ​​e também aumentaram muito. De acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento (OCDE), a China passou de gastar 0,9% do PIB em 2000 para 2,4% em 2020. No mesmo período, a França passou de 2,1% para 2,3% e os Estados Unidos de 2,6% para 3,4%. Em volume, a China passou de 38 bilhões de dólares em 2000 para 563 bilhões em 2020. Ainda fica atrás dos Estados Unidos (664 bilhões) em segundo lugar. Além disso, a China ultrapassou os Estados Unidos em número de pesquisadores (2 milhões contra 1,4 milhão).

Quanto à comparação entre os tecidos corporativos, os Estados Unidos ainda permanecem à frente da China, com uma capitalização de mercado quase quatro vezes maior graças a grupos como Apple, Microsoft, Amazon, Facebook… , Alibaba…

Do lado chinês, os gigantes digitais são mais recentes, mas estão crescendo fortemente: Alibaba tem um faturamento de 72 bilhões de dólares (contra 296 da Amazon), Tencent tem 1,2 bilhão de usuários, Baidu responde por cerca de 80% das consultas na China, Xiaomi tem 13,5 % de participação de mercado (à frente da Apple e atrás da Samsung). Em termos de capitalização de mercado, os BATXs (Baidu, Alibaba, Tencent e Xiaomi), representam três vezes menos que os GAFAs (Google, Apple, Facebook e Amazon), mas com taxas de crescimento mais elevadas em termos de volume de negócios.

O crescente poder econômico da China também se reflete em seu papel cada vez mais importante no mercado global de commodities. Para ferro e aço, segundo a OMC, a China é hoje o maior exportador mundial com 13% do mercado, muito à frente dos Estados Unidos com 4% . Além disso, a China é o país que mais extrai ouro (à frente da Austrália, Rússia e Estados Unidos) e produz mais alumínio (à frente da Rússia, Canadá e Índia).

No entanto, para petróleo e outros combustíveis, os Estados Unidos continuam sendo o principal exportador mundial com 8,6% do mercado, muito à frente da China com 2,6%. E esse setor crucial continua problemático para a China, que representa 21% das importações mundiais. Dito isto, se essas importações permitirem maiores exportações de produtos acabados, isso ainda será benéfico para a China.

No futuro, a China também poderá assumir uma posição dominante em outras áreas. O Middle Kingdom, por exemplo, está investindo maciçamente em elétricos: um em cada cinco carros vendidos agora é elétrico e algumas cidades estão substituindo todos os seus ônibus por ônibus elétricos. Neste setor, a China está investindo em todo o mundo através da empresa State Grid Corp. da China (SGCC), que é hoje o maior operador de rede e distribuição de energia elétrica do mundo.


por Stephane Aymard Engenheiro de Pesquisa na Universidade francesa La Rochelle   |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -