Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Maio 26, 2022

Europa causa apreensão no mundo com desabastecimento do gás russo

A Rússia está cortando o fornecimento de gás para a Polônia e a Bulgária e ameaça cortar outros países da Europa. Com isso, a tensão e dúvidas na economia energética global aumentam.

A empresa de energia russa Gazprom disse que está interrompendo o fornecimento de gás natural para a Polônia e a Bulgária, aumentando as tensões entre o Kremlin e a Europa sobre seu fornecimento de energia e as consequências cada vez maiores da guerra de Moscou na Ucrânia.

A ameaça da Rússia na quarta-feira de cortar outros países de seu gás – se eles não pagarem à Gazprom em rublos russos em relação a outras moedas – acrescentou nova urgência aos planos para reduzir e, em seguida, acabar com a dependência do continente da Rússia como fornecedora de petróleo e gás.

A agência de notícias internacional Associated Press (AP) fez um levantamento com especialistas e revela como essa situação está afetando o mercado global de energia e a política na União Europeia.

O que a Rússia fez?

A gigante de energia russa, controlada pelo Estado, a Gazprom, disse que estava cortando a Polônia e a Bulgária porque se recusaram a pagar em rublos, como exigiu o presidente russo, Vladimir Putin.

Os líderes europeus dizem que os contratos de gás natural determinam o pagamento em euros ou dólares dos Estados Unidos e isso não pode ser alterado de repente por um lado.

A Polônia tomou medidas de longo prazo para se isolar de um corte, como a construção de um terminal de importação de gás liquefeito que vem de navio, e planejava cancelar seu acordo de importação com a Gazprom no final do ano de qualquer maneira.

A Bulgária diz que tem gás suficiente por enquanto.

Ainda assim, o anúncio de Moscou causou arrepios nos mercados de energia, aumentando a incerteza sobre se o gás natural poderia ser cortado para outros países europeus e causar um grande impacto na economia.

O Kremlin alertou para essa possibilidade se os países não pagarem o fornecimento de energia em rublos.

Os motivos econômicos para exigir rublos não são claros porque a Gazprom já tem que vender 80% de seus ganhos estrangeiros por rublos, então o impulso para a moeda russa pode ser mínimo.

Sob o novo sistema de pagamento, o Kremlin disse que os importadores teriam que abrir uma conta em dólares ou euros no terceiro maior banco da Rússia, o Gazprombank, e depois uma segunda conta em rublos. O importador pagava a conta do gás em euros ou dólares e mandava o banco trocar o dinheiro por rublos.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse na quarta-feira que o pagamento em rublos viola as sanções da União Europeia e que as empresas com contratos “não devem atender às exigências russas”.

A Rússia é o maior fornecedor de gás para a Europa que o usa para aquecer as casas e gerar eletricidade. Em 2020, a UE recebeu 40% de seu gás da Rússia. No gráfico o total de importações da Rússia por cada país.

O que Putin busca?

Como a ordem de Putin para pagamentos em rublos visa “países hostis”, pode ser vista como uma retaliação às sanções que cortaram muitos bancos russos de transações financeiras internacionais e levaram algumas empresas ocidentais a abandonar seus negócios na Rússia.

Um motivo pode ser político, para mostrar ao público em casa que Putin pode ditar os termos das exportações de gás. E ao exigir pagamentos por meio do Gazprombank, a medida pode desencorajar novas sanções contra esse banco.

Se Putin estava procurando um pretexto para cortar os países que apoiaram a Ucrânia, isso poderia servir a essa função.

A Rússia ainda está enviando gás para a Hungria – cujo primeiro-ministro Viktor Orban concordou com o acordo de pagamento de Putin – no mesmo sistema de gasodutos.

Simone Tagliapietra, especialista em energia e membro sênior do think-tank Bruegel em Bruxelas, disse que “movendo-se dessa maneira, a Rússia está alavancando a fragmentação da UE – é uma estratégia de dividir para governar … e é por isso que precisamos de uma resposta coordenada da UE”.

Qual é o estado do fornecimento de gás para a Europa?

Sanções coordenadas dos EUA e da UE à Rússia isentaram os pagamentos de petróleo e gás. Essa é uma concessão da Casa Branca a aliados europeus que são muito mais dependentes da energia da Rússia, que fornece 40% do gás da Europa e 25% de seu petróleo a um custo de US$ 850 milhões por dia.

Muitos não estão satisfeitos com o fato de as concessionárias europeias ainda estarem comprando energia da Rússia, que em média obteve 43% de sua receita anual do governo com as vendas de petróleo e gás entre 2011 e 2020, segundo a Administração de Informações sobre Energia dos EUA.

A decisão da Rússia de reduzir as vendas de gás fora dos contratos de longo prazo antes da guerra, contribuindo para uma crise de energia no inverno que elevou os preços, serviu como um alerta de que a dependência da Europa da energia russa a deixou vulnerável.

A guerra na Ucrânia significou uma rápida reavaliação de décadas de política energética em que o gás barato da Rússia apoiou a economia da Europa.

Mas cortar o gás natural da Europa também não beneficia a Rússia.

Quando se trata de petróleo, a Rússia poderia, em teoria, enviar petróleo por navio-tanque para outros lugares, como Índia e China, países que têm fome de energia e não participam de sanções. Mas o gás é outra questão. O sistema de gasodutos de grandes depósitos no norte da Península de Yamal, no norte da Rússia, para a Europa não se conecta ao gasoduto que leva à China. E a Rússia tem apenas instalações limitadas para exportar gás liquefeito por navio.

A Europa poderia sobreviver a um corte total de gás?

A economia da Europa sofreria sem o gás natural russo, embora o impacto variasse de acordo com a quantidade de uso dos países. As estimativas dos economistas variam muito para a perda de crescimento da economia europeia como um todo. Analistas da Moody’s disseram em um estudo recente que um corte total de energia – gás e petróleo – levaria a Europa a uma recessão.

A Alemanha, a maior economia do continente, é fortemente dependente da energia russa. Seu banco central disse que um corte total pode significar cinco pontos percentuais de perda de produção econômica e inflação mais alta. A inflação já está em níveis recordes, tornando tudo, desde mantimentos até matérias-primas mais caras, impulsionado pela alta nos preços da energia.

O think-tank de Bruegel estimou que a Europa ficaria 10% a 15% abaixo da demanda normal para passar pela próxima temporada de aquecimento no inverno, o que significa que medidas excepcionais teriam que ser tomadas para reduzir o uso de gás.

O que a Europa está fazendo para reduzir a dependência do gás russo?

Os líderes europeus disseram que não podem arcar com as consequências de um boicote imediato. Em vez disso, eles planejam reduzir o uso de gás russo o mais rápido possível.

Estão encomendando mais gás natural liquefeito, que vem de navio; buscar mais gás de gasodutos de lugares como Noruega e Azerbaijão; acelerar a implantação de energia eólica e solar; e empurrando medidas de conservação.

O objetivo é reduzir o uso de gás russo em dois terços até o final do ano e completamente até 2027.

Resta saber se esse objetivo pode ser alcançado na prática. Há um limite para o fornecimento de gás liquefeito, com terminais de exportação funcionando na capacidade máxima.

A Alemanha, que não tem terminal de importação, pretende construir dois – mas isso levará anos. A Itália, que recebe 40% do seu gás da Rússia, chegou a acordos para substituir cerca de metade dessa quantidade da Argélia, Azerbaijão, Angola e Congo e procura aumentar as importações do Qatar. E a Europa está sob pressão para reabastecer suas reservas subterrâneas a tempo da demanda de aquecimento do próximo inverno.

A situação é grave o suficiente para que a Alemanha tenha declarado um alerta precoce de emergência energética, o primeiro de três estágios.


Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -