Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Dezembro 5, 2022

A ciência está ajudando a encontrar ‘desaparecidos’ na América Latina

Um estudo de caso sobre encontrar pessoas desaparecidas na Colômbia a partir da década de 1980 ilustra as dificuldades em encontrar e pesquisar locais de sepultamento em terrenos difíceis de busca.

por Jamie Pringle, Alejandra Baena, Carlos Martín Molina, Kristopher Wisniewski e Vivienne Heaton, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Na maioria dos países latino-americanos onde houve um alto nível de conflito civil nas últimas décadas, ainda há um grande número de pessoas desaparecidas devido a desaparecimentos forçados. Somente na Colômbia, esse número é estimado em mais de 120.000 pessoas após cinco décadas de insurgência amarga. Muitos milhares de outros desapareceram no México, Argentina, Chile, El Salvador e Guatemala.

A busca por restos humanos na América do Sul é um grande desafio, que muitas vezes é consequência dos locais remotos utilizados, do terreno de busca inóspito e do tempo decorrido desde o desaparecimento da pessoa, que pode ser superior a 40 anos.

Os autores caminham a cavalo (com equipamento) pela floresta tropical até um local de sepultamento em massa dos anos 1980 no terreno de uma escola de montanha abandonada. Autor fornecido

Tentar localizar vítimas é um processo muito específico para cada caso – depende muito de como, quando, onde e por que cada vítima foi morta e quem as matou. Como os governos muitas vezes não estão dispostos a procurar corpos, muitas vezes coube a pesquisadores como nós fazê-lo.

A estratégia geralmente aceita para procurar restos mortais em terra ou debaixo d’água é uma investigação em fases de uma área suspeita de ter sido usada para enterros. Estes são frequentemente lugares onde não é possível simplesmente entrar e começar a cavar – primeiro é necessário construir as evidências que dariam um forte argumento legal para obter permissão oficial.

A investigação começa a partir de informações básicas disponíveis e informações de satélite para procurar pistas sobre onde os corpos podem estar enterrados. As equipes de solo fazem estudos controlados que geralmente envolvem enterrar cadáveres de porcos como representantes de humanos, o que por longos períodos de tempo permite que eles obtenham informações sobre como o solo naquela área pode ter respondido aos enterros humanos. Isso permite que eles identifiquem locais na área de sepultamento suspeito que tenham características de solo semelhantes, ponto em que podem fazer levantamentos completos do solo seguidos de investigações mais intrusivas.

A pesquisa dos coautores de Keele, com colegas espanhóis da Universidade de Oviedo, usou essas técnicas para localizar com sucesso em 2016 os restos mortais de 26 vítimas que foram enterradas na década de 1930 em uma região montanhosa da província de Astúrias, no norte da Espanha, durante a guerra civil espanhola. Mais recentemente, uma organização chamada Equipe Argentina de Antropologia Forense, originalmente criada para procurar vítimas desaparecidas naquele país, investigou outros conflitos sul-americanos e recuperou os restos de vítimas de um assassinato em massa em 1981 em El Salvador usando técnicas semelhantes.

Reunindo evidências

Em um estudo controlado, os pesquisadores identificam locais de teste que podem ser semelhantes aos encontrados por investigadores forenses durante a busca por vítimas de assassinato. Eles então replicam o que pode ser encontrado pelas equipes de busca, por exemplo, simulam vítimas de assassinato em vários cenários de enterro.

Embora a maioria dos pesquisadores use porcos como representantes de cadáveres humanos, alguns usam corpos doados onde as leis permitem (não no Reino Unido no momento). Os porcos são geralmente usados ​​porque são de tamanho semelhante aos humanos e têm proporções de tecido corporal, gordura, tamanhos de órgãos e tipos de pele comparáveis.

Esses locais de teste são então pesquisados ​​para descobrir o melhor método para detectar corpos nesse tipo de ambiente. Isso está relacionado ao fato de que, com o tempo, os corpos se decompõem e liberam fluidos. Eles se tornam esqueletos e o solo sobrejacente se compacta.

O diagrama abaixo mostra diferentes estágios de uma sepultura clandestina de uma vítima de assassinato, com a) mostrando um enterro recente que simplesmente caminhar sobre o local poderia identificar, b) decomposição em estágio inicial que libera gases detectáveis ​​por cães de busca, c) estágio final decomposição que libera fluidos condutores detectáveis ​​por um levantamento de resistividade elétrica e, d) estágio esqueletizado, melhor detectado por radar de penetração no solo (GPR).

Nossa equipe de pesquisa montou locais de teste controlados no campus das universidades Los Llanos e Antonio Nariňo na Colômbia, que possuem diferentes ambientes tropicais, rurais e de campo. Simulamos enterros usando carcaças de porcos em vários tipos diferentes de enterros. Alguns foram desmembrados, alguns vestidos, outros despidos. Estes, infelizmente, são todos cenários comuns de enterro na Colômbia.

Uma vez criadas, as covas simuladas contendo as carcaças dos porcos foram reabastecidas e monitoradas por mais de dois anos. O monitoramento incluiu levantamentos aéreos usando câmeras e equipamentos detectores especializados em drones não tripulados. Também realizamos levantamentos geofísicos do solo usando resistividade elétrica, que mede as resistências de corrente no solo com fluidos de decomposição sendo um excelente alvo geofísico – mostrado abaixo – e GPR que detecta objetos enterrados.

Fotografia controlada do local colombiano mostrando equipamento geofísico de resistividade elétrica sendo usado para coletar dados sobre os enterros clandestinos simulados de vítimas de assassinato (estacas de madeira azuis e amarelas). Autor fornecido

A partir dos resultados dos drones, encontramos mudanças na vegetação que indicavam posições de sepulturas recentes se não estivessem sob as copas densas da floresta. Diferentes plantas também cresceram sobre os sepultamentos quando comparadas às plantas típicas da floresta, então elas poderiam indicar onde os corpos estão localizados se as equipes de busca soubessem o que estavam procurando.

Os resultados geofísicos para o local de teste mostraram que os levantamentos de resistividade elétrica poderiam detectar melhor as posições de sepultamento. Mas com o passar do tempo desde o enterro, essa técnica ficou progressivamente menos eficaz como técnica de detecção de túmulos (isso foi demonstrado em vários estudos controlados europeus publicados). Curiosamente, um padrão de grade de pesquisa relativamente pequeno foi considerado o melhor, devido aos tamanhos menores de sepultamento de vítimas desmembradas.

Pesquisas de montanha

Um estudo de caso recentemente publicado pelos coautores sobre encontrar pessoas desaparecidas na Colômbia a partir da década de 1980 ilustra as dificuldades em encontrar e pesquisar locais de sepultamento em terrenos difíceis de busca.

O local de estudo montanhoso, em uma escola de treinamento abandonada na província de Casanare, no centro da Colômbia, foi identificado como um local de sepultamento em potencial. Os pesquisadores usaram uma combinação de locais conhecidos de treinamento criminoso e paramilitar, locais de bases militares, relatórios policiais anteriores e informações de busca, bem como testemunhos contemporâneos e atividades de mídia social do indivíduo desaparecido com locais marcados.

As pesquisas geofísicas de resistividade elétrica e GPR, com subsequentes investigações intrusivas das anomalias geofísicas visadas, localizaram com sucesso enterros contendo restos mortais, mas estes foram encontrados como animais e não humanos.

Essa pesquisa colaborativa contínua de locais de testes controlados e pesquisas forenses será crucial, não apenas para os países da América Latina, mas também para os investigadores forenses que buscam restos de vítimas em todo o mundo.


por Jamie Pringle, Alejandra Baena, Carlos Martín Molina, Kristopher Wisniewski e Vivienne Heaton, em The Conversation |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -