Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Maio 26, 2022

Como cientistas sul-africanos viveram o surgimento da variante ômicron

Como é descobrir uma nova variante do coronavírus? Conheça a história interna de um dos cientistas sul-africanos que primeiro alertou o mundo sobre a variante omicron. E um especialista em vacinas da África do Sul explica que lições a experiência do país pode oferecer ao resto do mundo sobre futuras variantes.

por Jorge Athanasopoulos, Jinal Bhiman e Shabir A. Madhi, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Eram nove horas de uma noite de sexta-feira no final de novembro de 2021 quando Jinal Bhiman e seus colegas do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis viram pela primeira vez os dados de sequenciamento da variante omicron. “Nós não tínhamos visto essas muitas mutações antes”, diz Bhiman, um dos principais cientistas médicos do instituto. Os dados de sequenciamento vieram de um pequeno grupo de oito amostras da província de Gauteng, na África do Sul, onde um grupo incomum de casos foi detectado.

Na semana seguinte, cientistas da rede sul-africana de vigilância genômica entraram em ação para sequenciar mais amostras, antes que Bhiman e seus colegas alertassem o governo sul-africano sobre sua descoberta. “As coisas explodiram a partir daquela semana”, diz Bhiman.

A Organização Mundial da Saúde rapidamente classificou a descoberta como uma variante preocupante e a chamou de omicron. À medida que países ao redor do mundo começaram a fechar suas fronteiras para viajantes do sul da África, Bhiman e alguns de seus colegas receberam ameaças de morte. “Isso foi realmente assustador”, ela lembra. Os cientistas foram alvejados por causa das proibições de viagem. “Eles acharam que os cientistas não deveriam dar o alarme – que isso não está nos beneficiando de forma alguma”, diz ela. Bhiman acredita que as proibições de viagem foram irracionais, por causa da velocidade com que a variante se movia pelo mundo.
Shabir Madhi, professor de vacinologia da Universidade de Witwatersrand, é um especialista em vacinas que trabalhou em alguns testes de vacinas covid-19 da África do Sul. Ele lembra que, quando viu pela primeira vez os dados de sequenciamento no omicron, estava “bastante otimista” de que a imunidade construída por vacinas e ondas passadas de infecções protegeria contra doenças graves. E ele estava certo. “Vimos uma dissociação dramática de infecções, hospitalizações e mortes”, diz Madhi.

Mas Madhi critica o ceticismo que os cientistas do hemisfério norte tinham sobre os primeiros dados da ômicron vindos da África do Sul. “É uma manifestação do imperialismo cultural, onde não vamos acreditar em mais ninguém a menos que mostremos o mesmo primeiro”, diz ele. Ele acredita que a experiência da África do Sul pode oferecer lições para cientistas de outros países que podem descobrir outra variante do coronavírus, principalmente quando se trata de proibições de viagens. “Acho que a comunidade global precisa assumir uma postura de que, quando os países começarem a relatar dados, não serão penalizados por isso”, diz ele. Madhi também acha que os países precisam ter cuidado ao usar “modelagem computacional sobre os efeitos potenciais das mutações e extrapolar que é isso que acontecerá do ponto de vista clínico”.

Leia a transcrição da entrevista dos cientistas Jorge Athanasopoulos, Jinal Bhiman e Shabir A. Madhi, aos jornalistas Gemma Ware e Daniel Merino, do The Conversation:


Shabir Madhi: Descobrimos que ao longo de quatro ondas, que você não pode impedir a disseminação de uma variante restringindo as viagens de e para um punhado de países, não funciona.

Jinal Bhiman: Espero que os países daqui para frente não estigmatizem outros países que estão identificando variantes de preocupação.

Dan: E a resposta emocional humana à música e harmonia é inata ou moldada pela cultura? Falo com um pesquisador que viajou para o noroeste do Paquistão para ajudar a responder a essa pergunta.

George Athanasopoulos: A ideia que temos no ocidente de que os acordes maiores transmitem felicidade não é necessariamente verdadeira fora da esfera cultural ocidental.

Gemma: Oz, você está em Joanesburgo. Conte-nos, como está a situação do COVID onde você está agora?

Oz: OK, a África do Sul está no nível de alerta um. Isso significa que a maioria das restrições são facilitadas. Há reuniões permitidas; não mais de 1.000 pessoas dentro de casa e não mais de 2.000 pessoas ao ar livre. O toque de recolher foi suspenso, mas as pessoas ainda precisam usar máscaras em locais públicos e se higienizar com frequência.

Dan: E quantos casos diários existem?

Oz: Então, estamos bem acima do pico. O final de janeiro teve números na casa dos dois e três mil e cerca de um em cada dez testes deu positivo.

Dan: E como eram os números de casos e a positividade dos testes algumas semanas atrás, durante o aumento da Omicron?

Oz: No pico por volta de dezembro, atingiu cerca de 37.000 casos, o que representa cerca de uma em cada terceira pessoa que estava testando. E nessa época os casos diários eram regularmente na casa dos 20.000. Os números são muito mais gerenciáveis ​​agora e os hospitais não estão sobrecarregados.

Dan: Então foram os cientistas sul-africanos que primeiro alertaram o mundo para o omicron, e neste episódio você e Gemma conversaram com alguns deles sobre como foram aquelas primeiras semanas, e penso em algumas das lições realmente importantes sua experiência pode fornecer o resto do mundo.

Oz: Sim, isso mesmo. Então, a primeira pessoa com quem conversamos foi Jinal Bhiman. Ela é Cientista Médica do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis da África do Sul, que é o instituto nacional de saúde pública.

Gemma: Quando você ouviu pela primeira vez sobre uma nova variante do coronavírus?

Jinal Bhiman: Então, na primeira ou segunda semana de novembro, certo? A Lancet Laboratories, que é um laboratório de testes privado aqui na África do Sul, contactou o NICD. E eles disseram, escute, pessoal, estamos vendo algo estranho. E o que eles estavam vendo era essa falha no alvo do gene S.

Então, uma falha no alvo do gene S é basicamente onde você tem o gene S para coronavírus não sendo detectado e geralmente, quando você faz um teste de PCR, há três genes que são testados, certo? Este gene seria um deles. E geralmente vemos todos os três genes dando positivo. A exceção foi com a variante alfa – também foi caracterizada por essa falha no alvo do gene S – e na África do Sul, não vimos números altos ou altas frequências da variante alfa circulando.

Então, quando Lancet começou a ver que era realmente um aumento rápido na frequência dessa falha no alvo do gene S, dentro de duas semanas, eles ficaram bastante preocupados. Assim, os Laboratórios Lancet, além de fazerem testes de PCR, também podem fazer sequenciamento. Então Lancet concordou em selecionar algumas dessas falhas no alvo do gene S, apenas oito delas, que eram de todos os distritos diferentes dentro de uma de nossas províncias, dentro da província de Gauteng, onde vimos pela primeira vez essa falha no alvo do gene S. Eles eram de diferentes faixas etárias, diferentes áreas – áreas geográficas – dentro desta província. E então eles enviaram os resultados brutos basicamente para nós para análise.

E assim, às nove horas da sexta-feira, 19 de novembro, à noite, nossa colega do Lancet, Raquel, ela nos enviou essas leituras cruas. Nove horas da noite.

Gemma: E como foi quando você viu esses resultados brutos pela primeira vez?

Jinal: Há quatro de nós nesta equipe que rotineiramente analisam nossos dados de sequência. Sou eu, Catherine, Daniel e Josie. Então, esses resultados voltaram e, literalmente, cada um desses oito espécimes tinha esse número louco de mutações. E como não tínhamos visto tantas mutações, nosso primeiro pensamento foi “há algo errado, precisamos refazer a análise”. É como uma característica científica inerente, você sempre critica qualquer coisa que vê.

Então, sexta-feira à noite, refazemos a análise durante a noite. Sábado de manhã, a análise saiu e falhou. Sem resultado. Já estávamos tipo “ah, há algo estranho, há algo funky”. Então aquela era Josie, ela fez a análise na sexta à noite, então Daniel disse, não, não, não, deixe ele fazer isso, ele vai refazer a análise no sábado. Domingo de manhã, saiu a análise, falhou novamente.

Então, Daniel decidiu, OK, vamos fazer, vamos tentar um pipeline completamente diferente. Então, na manhã de segunda-feira, obtivemos o resultado em um pipeline diferente e desta vez funcionou. Tinha funcionado e era exatamente o que tínhamos visto naquela noite de sexta-feira. Todas essas mutações foram confirmadas como reais, e sim.

Gemma: O que vocês fizeram então, vocês quatro?

Jinal: Então, uma vez que confirmamos tudo, queríamos apenas obter mais algumas amostras e ter certeza de que era real. Também queríamos obter mais algumas sequências, tipo, de nosso próprio tipo de vigilância e diagnóstico, onde vimos falhas no alvo do gene S.

Também entramos em contato com o resto do nosso consórcio dentro da rede de vigilância genômica na África do Sul. Nós lhes falamos sobre essas mutações. Eles também tentaram entrar em contato com todos os vários laboratórios de testes que fazem nosso consórcio funcionar. Então nós apenas tentamos aumentar os números, apenas tentamos obter mais e mais amostras para que pudéssemos confirmar que isso era real e que estava acontecendo. E, obviamente, os laboratórios de diagnóstico se envolveram e começaram a analisar seus dados e começaram a ver em geral que havia esse rápido aumento nas falhas do alvo do gene S. Então, levamos cerca de uma semana para confirmar tudo e nos certificar de que, você sabe, não estávamos tirando conclusões precipitadas nem nada.

Gemma: E o que você fez com os dados em seguida?

Jinal: Na semana seguinte, compartilhamos os dados com nosso governo. Nós o carregamos no GISAID, o repositório público para genomas de SARS-CoV-2.

Então, basicamente, uma das verificações que fazemos quando vemos algo incomum é verificar o GISAID. Alguém mais viu isso, sabe? Estávamos verificando todos os dias. Não estávamos vendo nada. Subimos nossas sequências na segunda-feira de manhã, então, literalmente, enviamos nossa apresentação ao nosso ministro e dissemos que não há outras sequências no GISAID, essas são as únicas. E então, algumas horas depois, quando verificamos novamente, você sabe, havia as sequências de Botswana e Hong Kong.


Gemma: O que aconteceu depois?

Jinal: Nosso governo fez um anúncio formal naquela quinta-feira depois que os informamos. E sim, as coisas explodiram a partir daquela semana, em termos de proibições de viagens, em termos de cientistas tentando fazer o mais rápido possível.

Então, na segunda semana, tínhamos sequenciado mais de 200 amostras de toda a África do Sul, todas as províncias diferentes. Acho que naquele momento o confirmamos em quatro de nossas nove províncias. Mas o que mais chamou a atenção foram os resultados do laboratório de diagnóstico. Portanto, embora não tivéssemos resultados de sequenciamento de todas as províncias, os laboratórios de diagnóstico estavam relatando esse aumento na falha do alvo do gene S em todas as províncias, e foi rápido e drástico. O que também começamos a ver foi que havia um aumento no risco de reinfecção, independente de a pessoa estar vacinada ou não.

E então acho que tivemos uma reunião de emergência do grupo de trabalho de evolução viral da OMS, acho que foi na sexta-feira depois que nosso governo anunciou a variante. E foi aí que foi declarado uma variante de preocupação. E eu acho que com razão.

Gemma: Diga-me pessoalmente como tem sido para você como um dos cientistas envolvidos nesse primeiro tipo de descoberta do omicron. Houve as proibições de viagem e foi um momento bastante difícil para a África do Sul. O que aconteceu com você e como você se sentiu sobre isso?

Jinal: Então, quando nós, você sabe, obviamente encontramos essa coisa e confirmamos, eu me senti orgulhoso, para ser justo. Você sabe, eu me senti orgulhoso de que estamos fazendo nosso trabalho e estamos fazendo isso bem e estamos divulgando esta notícia. Nos dias imediatamente após o nosso governo ter feito este anúncio, muitos de nós do consórcio receberam ameaças de morte. E isso foi realmente assustador. Isso foi realmente assustador porque eu tenho uma criança que fica em casa sozinha com uma babá todos os dias. E eles basicamente, você sabe, eles escolheram alguns de nós pelo nome e foi, foi assustador. Tipo, isso me fez questionar, eu deveria estar fazendo esse tipo de coisa? Mas também me deixou muito chateado quando todas as proibições de viagens internacionais foram impostas, porque eram irracionais, sabe? E acho que agora, se você realmente olhar os dados retrospectivos, o omicron estava em todo o mundo.

Gemma: Então deve ter sido muito assustador. Por que as pessoas estavam mirando em cientistas como você? E o que aconteceu desde então, se acalmou?

Jinal: Sim, felizmente se acalmou. As pessoas estavam mirando nos cientistas por causa das proibições de viagens. Você sabe, a África do Sul já está em uma situação econômica tão precária, desde o início desta pandemia, impactou nosso país de forma bastante drástica. E então as pessoas ficaram com raiva porque agora há ainda mais perdas econômicas, sabe?

E basicamente eles achavam que os cientistas não deveriam dar o alarme. Tipo, isso não está nos beneficiando de forma alguma. E de qualquer forma, não há nada que possamos fazer, então por que você está contando ao mundo inteiro sobre isso? Essa era a razão pela qual as pessoas estavam tão chateadas e com tanta raiva e eu as sinto e entendo completamente. Não é divertido estar do lado receptor disso.

Gemma: À medida que os casos de omicron foram relatados em mais e mais países, laboratórios na África do Sul e na Suécia estavam tentando descobrir rapidamente como todas as suas mutações afetariam a resposta imune do nosso corpo – o que é chamado de resistência à neutralização. Eles queriam saber até que ponto os anticorpos induzidos pela vacina, ou por uma infecção anterior por COVID, protegeriam as pessoas contra a infecção pelo omicron.

Havia outras questões também, sobre se a variante era mais transmissível. E sobre como as células T responderiam a uma infecção. Agora, as células T são uma parte central do sistema imunológico do nosso corpo. Eles trabalham ao lado – mas de maneira diferente – das células B, que criam anticorpos. Como um pouco de lado aqui, Jinal nos contou uma analogia muito boa sobre como entender tudo isso.

Jinal: Então o braço da célula B, se você pensar em uma guerra, é como os arqueiros parados à beira do castelo e eles estão derrubando os invasores antes que eles tenham a chance de entrar. -cell arm, eles realmente executam o trabalho de matar os invasores uma vez que estão dentro do castelo. São células, células T, que realmente matam outras células infectadas com vírus.


Gemma: Então, enquanto os anticorpos ajudam a prevenir a infecção, são as células T que ajudam a prevenir doenças graves e hospitalização.

Outro cientista na África do Sul olhando de perto os dados sobre tudo isso foi Shabir Madhi. Ele é professor de vacinologia na Universidade de Witwatersrand e reitor da faculdade de ciências da saúde de lá. Ele trabalha na pesquisa de vacinas há quase três décadas e também liderou dois dos testes de vacinas COVID-19 realizados na África do Sul.

O Conversa tem conversado muito com ele durante a pandemia para ajudar a explicar o que vem acontecendo. E Oz e eu ligamos para ele novamente para falar sobre omicron. Agora Shabir está sediado em um hospital em Soweto, uma cidade movimentada no sul de Joanesburgo, e pede desculpas, mas você pode ouvir um pouco de barulho de tráfego ao fundo.

Gemma: Qual foi sua primeira reação quando aqueles cientistas ligaram para você no final de novembro e você viu o sequenciamento?

Shabir Madhi: Bem, eu ainda estava bastante otimista. Eu estava muito mais otimista do que os caras que estavam fazendo o sequenciamento sobre o que isso significava. Eles temiam que essa variante também fosse capaz de evitar a imunidade das células T, e eu estava cético quanto a isso. Apenas aproveitando a experiência que tive quase um ano antes com a vacina AstraZeneca, onde a variante beta praticamente evitou o anticorpo induzido pela vacina AstraZeneca, mas posteriormente a mesma vacina mostrou proteger contra doenças graves, devido à variante beta.

Assim, apesar de os cientistas parecerem mais pessimistas, eu ainda estava bastante confortável com o fato de que não iríamos experimentar o que havíamos experimentado durante o curso da onda da variante delta em relação a um grande número de casos de doença grave e morte, e que estaríamos muito melhor desta vez, apesar da evasão dos anticorpos.

Gemma: E como foram as próximas semanas para você? Você sabe, o que você estava fazendo em novembro, dezembro naqueles estágios iniciais quando o omicron estava se espalhando?

Shabir: Então, obviamente, estivemos envolvidos em vários estudos ao longo desse período e, além disso, tratava-se realmente de envolver o público e a comunidade científica em termos de entender exatamente o que estamos enfrentando, e o que podemos esperar daqui para frente.

E apenas mantendo um olho nos dados que estavam começando a fluir muito rapidamente de vários lugares, o que demonstrou claramente que essa variante era muito mais transmissível do que qualquer coisa que experimentamos no passado. Mas já duas a três semanas nessa onda, começamos a postar nas mídias sociais e começar a nos envolver com a mídia dizendo que há algo muito diferente, onde estamos vendo a dissociação de infecções em relação à hospitalização e morte; a taxa de mortalidade foi reduzida.

Então comecei a ligar para médicos do setor público e também do setor privado, perguntando “o que você está sentindo?” Porque existe esse tipo de pânico mundial em torno do omicron. Todo mundo está fechando as fronteiras para a África do Sul, que era outra questão que precisávamos resolver em termos de chamar os países a prestar contas por que estavam embarcando em uma estratégia que seria em grande parte fútil.

Mas acho que a interação com os médicos no local foi muito informativa, pois eles me diziam claramente que nossas UTIs estão vazias. De fato, a maioria das infecções que estão ocorrendo nos hospitais no momento do pico da onda omicron não eram pessoas internadas por COVID-19, mas infecções incidentais. Porque a prática nos hospitais públicos e privados na África do Sul é que cada indivíduo que estava sendo internado no hospital é testado independentemente da sintomatologia. E no hospital onde minha unidade de pesquisa está sediada – na verdade, a maioria dos casos que estavam sendo identificados – eram mulheres grávidas que estavam dando à luz. Há cerca de 60 mulheres que estavam dando à luz por dia, das quais 30-40% delas com teste positivo para o vírus.

Gemma: Esta não é a primeira vez que cientistas sul-africanos identificaram uma variante de preocupação.

Em dezembro de 2020, a OMS rotulou uma nova variante, descoberta pela primeira vez na África do Sul, como uma variante preocupante que mais tarde ficou conhecida como beta. Naquela época, as primeiras vacinas COVID-19 estavam apenas obtendo aprovação em todo o mundo e, na África do Sul, havia imunidade limitada à primeira onda de infecção. À medida que os casos aumentavam e a pressão sobre os hospitais aumentava, as restrições foram reforçadas.

Mas quando a onda omicron chegou, a reação do governo sul-africano foi diferente. Um toque de recolher – em vigor de várias formas desde março de 2020 – permaneceu, mas nenhuma nova restrição foi introduzida. E então, nos últimos dias de 2021, o toque de recolher foi suspenso.

Oz: Como você acha que o governo sul-africano lidou com o omicron? O que você acha que deu certo, o que você acha que deu errado?

Shabir: O que eles acertaram desta vez foi não ir reflexivamente para um nível mais alto de restrições assim que viram um aumento no número de casos e assim que os cientistas soaram o alerta de uma nova variante. Eles tinham uma abordagem muito mais sutil, pois planejavam se concentrar na hospitalização e na morte. Então, isso é algo que realmente funcionou a nosso favor, porque meio que evitamos causar mais danos à economia, aos meios de subsistência das pessoas, apenas ao bem-estar mental das pessoas. E essa abordagem muito mais sutil funcionou extremamente bem na África do Sul.

O que erramos? Infelizmente, o governo não seguiu alguns conselhos em relação a garantir que tivéssemos uma cobertura vacinal adequada, principalmente do grupo de alto risco, poderíamos ter feito muito melhor do que apenas tentar afugentar o número de pessoas que foram vacinadas. E mesmo até agora, o governo ainda não acertou isso, é que ele precisa focar em vacinar 90% das pessoas acima de 50 anos, ao invés de ir para uma meta arbitrária de 70% da população. A outra coisa que eles calcularam completamente mal é adiar a dose de reforço da vacina para as pessoas acima de 50 anos que já receberam uma ou duas doses da vacina. Eles criaram muitos obstáculos exigindo que as pessoas viessem com um atestado médico antes de serem elegíveis para uma dose de reforço.

Oz: Qual é a situação na África do Sul agora?

Shabir Madhi: Então, estamos muito no final da onda omicron. Ele difere entre as províncias; na província de Gauteng, a taxa de positividade, que é uma boa métrica para a quantidade de vírus que provavelmente circula, é inferior a 5%. Nacionalmente, caiu para 8%. No momento do pico da onda omicron, nossa taxa de positividade era de cerca de 39% para que possamos começar a tirar algumas conclusões definitivas, e mais ainda para a província de Gauteng. E o que experimentamos em Gauteng é que, quando analisamos todo o número de pessoas que morreram de COVID-19 desde o início da pandemia, a onda omicron contribui para menos de 5% de todas as mortes por COVID-19 desde o início da pandemia. início da pandemia. A onda variante delta contribuiu com 50%.


Então, vimos uma dissociação completa. E, novamente, a mesma coisa vale para a hospitalização. A taxa de hospitalização para pessoas com teste positivo, e isso inclui infecções incidentais, para a onda ômícron é de cerca de um terço em comparação com a taxa de hospitalização para a onda variante delta. Então, acabamos de ver uma dissociação dramática de infecções, hospitalização e morte. Mortes ocorreram, infelizmente, mas estamos entrando em um período dessa pandemia que chamo de período de convalescença. E, até certo ponto, minha estimativa é que o número de pessoas que teriam morrido durante o curso da onda ômícron será menor do que o número de pessoas que normalmente teriam morrido durante uma temporada de gripe na África do Sul. , que era cerca de 10 a 11.000 antes do COVID.

Oz: Então você acha que o omicron tornou mais fácil para o mundo viver com o vírus?

Shabir: Bem, acho que depois que as ondas diminuírem nos países, os países refletirão sobre a experiência e acho que muitos países começarão a recalibrar finalmente. O Reino Unido, praticamente, agora decidiu que o COVID-19 é algo com o qual eles vão conviver. E acredito que muitos outros países, depois que essa onda passar, começarão a chegar ao mesmo tipo de conclusão. Que não se trata mais de prevenir infecções. Sim, há consequências para as infecções, incluindo o longo COVID, mas infelizmente as consequências do tipo de restrições que impusemos na sociedade, as consequências econômicas, o impacto nos meios de subsistência, o impacto nas crianças em termos de educação, bem-estar mental dos cidadãos, não se presta a prolongar o tipo de restrições a que nos entregamos nos últimos dois anos.

E também com uma alta porcentagem da população infectada com omicron. Acredito que isso servirá como um impulso à imunidade que já surgiu de infecções, bem como um impulso à imunidade que surgiu por meio de vacinas. Portanto, geralmente há uma preservação das respostas das células T induzidas pelas vacinas, bem como pela infecção natural, mesmo quando você tem variantes como o omicron, que possui mutações extensas que tornam o anticorpo variante evasivo. Portanto, acredito que com o omicron sendo tão transmissível, as pessoas estarão ainda mais protegidas contra doenças graves e possivelmente até contra infecções nos próximos meses.

Gemma: Omicron não será a última variante do coronavírus. Outros surgiram desde que causaram flashes de alarme, mas até agora nenhum deles foi rotulado como uma variante de preocupação pela OMS. Mas quanto sabemos sobre a forma como surgem novas variantes como o omicron? Oz fez esta pergunta a Jinal Bhiman.

Oz: O que sabemos, o que não sabemos, sobre de onde veio o omicron?

Jinal: Portanto, existem três hipóteses sobre a origem desse vírus e não há evidências suficientes para apoiar qualquer uma.

Então, a primeira teoria, que eu acho que foi bastante propagada inicialmente, foi que, porque existem tantas mutações no ômicron, ela poderia ter surgido em alguém que teve infecção prolongada. E porque essa pessoa tem mais de duas semanas de infecção pelo vírus, você tem uma situação – é um ambiente fechado, basicamente – onde você tem um gato e um rato entre a resposta de anticorpos dessa pessoa e o vírus, e é isso que impulsiona a seleção de cada vez mais mutações. E porque era a África do Sul, muitas pessoas estavam dizendo que isso surgiu em alguém que era HIV positivo que tinha infecção prolongada. Porque sabemos que um grande número de pessoas HIV positivas têm essas infecções prolongadas porque seus sistemas imunológicos não são ideais, obviamente.

A segunda teoria é que esse vírus fez um loop e voltou para algum tipo de espécie animal e foi se replicando e sendo transmitido dentro dessa espécie animal e sofrendo mutações ao longo do tempo e depois voltou para os humanos. Essa é a segunda. E então a terceira teoria é que está mudando lentamente. Quero dizer, esse vírus está conosco há mais de dois anos e está sofrendo mutações em segundo plano e, como não sequenciamos todas as pessoas infectadas, nem sabemos de todas as pessoas infectadas porque há tantas infecções assintomáticas, que isso está sofrendo mutações em segundo plano e simplesmente não o detectamos porque não infectou um grande número de pessoas. E talvez não tenha sido transmissível até adquirir uma ou duas mutações que permitiram que explodisse.

Oz: Quão importante é entender as origens das variantes para entender a trajetória futura do COVID-19?

Jinal: Se identificarmos a origem de uma variante, se podemos praticamente, sabe, encontrar soluções para evitar que isso aconteça, não sei se é razoável pensar nisso. Mas acho que, por exemplo, se dissermos de forma conclusiva que indivíduos infectados pelo HIV que são imunocomprometidos estão causando a seleção desses tipos de variantes, isso certamente fornecerá evidências mais fortes e motivação mais forte para voltarmos aos nossos programas de HIV, para fazer certeza de que estamos tentando fazer com que o maior número possível de pessoas tome ARVs, e suprimi-los virologicamente, e voltem o foco para questões pré-pandêmicas que ainda prevalecem.

Gemma: Outra variante pode surgir em qualquer lugar do mundo a qualquer momento. Mas quais cientistas o detectam – e onde – dependerá, em última análise, da capacidade de sequenciamento e teste de um país.

Oz: Quais você acha que as lições que a experiência da África do Sul com omicron pode fornecer para o resto do mundo e a descoberta de outras variantes no futuro?

Shabir: Então eu acho que havia uma enorme quantidade de ceticismo até duas ou três semanas atrás em relação à experiência sul-africana e o que estávamos mostrando, onde dizíamos que havia essa enorme dissociação de infecção, doença grave e morte. E muito disso vinha do norte, porque eles achavam que os países do hemisfério norte são muito diferentes da África do Sul em termos demográficos, o que é verdade. Mas, ao mesmo tempo, isso parece estar alheio à realidade e aos dados. A África do Sul não tem essa população fenomenalmente saudável. Na verdade, temos uma população menos saudável, apesar da população mais jovem do que muitos países de alta renda. E fomos desproporcionalmente afetados durante as três primeiras ondas.

Portanto, parecia haver uma relutância em aceitar que os dados que estamos mostrando e o otimismo que estávamos expressando eram algo real, até que eles começaram de repente a denunciá-los dos EUA e Anthony Fauci indicou que estamos vendo a dissociação e você deve focar na hospitalização e na morte. E então o Reino Unido saiu e disse, bem, também vimos essa dissociação. E, de repente, isso se tornou o mantra de que existe essa dissociação. Bem, nós dissemos isso cerca de um mês atrás, e precisamos perguntar por que essa informação foi … e eu acredito que foram cientistas, governos de países de alta renda foram muito desdenhosos e realmente não aplicaram suas mentes em termos da experiência que vinha da África do Sul.

Oz: Recentemente, em uma entrevista à BBC, você expressou que achava que o ceticismo ocidental em relação à análise da África do Sul era racista. Você pode nos dizer por que, o que o levou a dizer isso?

Shabir: Sim, então eu preciso corrigi-lo. Eu não disse que era racista. Na verdade, a pessoa que estava me entrevistando me perguntou se é racismo. E eu disse que poderia ser, mas não acho que seja racismo. Acho que, especialmente como sul-africano, somos extremamente sensíveis ao uso do termo racismo. O que eu acredito que seja, é o imperialismo cultural, que é diferente. E o imperialismo cultural tem um elemento de superioridade. Superioridade de pensamento e superioridade que “conhecemos melhor”.

Mas, novamente, quando as pessoas expressam preocupação de que sua experiência seja diferente em nosso país, que tem 90% de cobertura vacinal, para mim isso é difícil de compreender porque prejudica o caso da vacinação. E especialmente quando pensamos que o objetivo principal das vacinas é proteger contra doenças graves e morte. E então, de repente, fazer uma inversão de marcha e dizer, bem, não podemos realmente dizer se essas vacinas protegerão contra doenças graves e mortes devido ao omicron, sabendo que as vacinas induzem uma quantidade substancial de outras respostas além apenas respostas de anticorpos, que são menos afetadas pelas mutações que ocorreram. E os modelos já preveem que a imunidade das células T que seria induzida por vacinas e por infecções passadas seria relativamente conservada, apesar das mutações que ocorreram em omicron. Quero dizer, acho que esses cientistas e governos precisam se explicar. Mas eu acredito que é uma manifestação do imperialismo cultural onde não vamos acreditar em mais ninguém a menos que mostremos o mesmo primeiro.

Gemma: Como outros países podem se preparar se descobrirem uma variante em sua geografia no futuro, aprendendo com a experiência da África do Sul? Em que eles devem se concentrar?

Shabir: Bem, para evitar o tipo de reação que foi infligida à África do Sul, apenas não compartilhe seus dados, essa é a coisa mais segura a se fazer! E, obviamente, essa é a coisa mais imprudente a fazer e a coisa menos científica a fazer. E acho que a comunidade global precisa assumir uma posição de que, quando os países começarem a relatar dados, não serão penalizados por isso.

O que é praticamente o que aconteceu com a África do Sul. A África do Sul foi penalizada por ser direta com os dados. E essa é uma abordagem incorreta. E agora aprendemos ao longo de quatro ondas que você não pode impedir a disseminação de uma variante restringindo as viagens de e para um punhado de países, não funciona. Então, acho que precisamos, como comunidade global, ter algum tipo de acordo, que os países precisam cumprir, que se eles fossem uma coisa para impedir a importação da variante para os países, eles fechariam as fronteiras para o resto do país. o mundo, sem exceção. Por outro lado, se eles querem fazer parte da comunidade global, eles precisam aceitar que você assume algum risco e esse risco precisa ser compartilhado.

Então, novamente, a África do Sul fez um trabalho maravilhoso em termos de sequenciamento. Eles têm um programa muito estruturado que tem sido muito agressivo ao experimentar o ressurgimento. Para investigar a gênese desse ressurgimento – tanto a variante beta quanto a variante omicron foram em grande parte uma consequência da resposta a um pico de casos em uma parte do país ou outra. Então, eu certamente acreditaria que os países precisam continuar, mas ao mesmo tempo, acho importante que nós, como cientistas, sejamos medidos da maneira como comunicamos as informações.

E grande parte das consequências do omicron foi por causa da maneira pela qual comunicamos as possíveis consequências dessas mutações sem realmente sentar e dizer: “bem, há uma dimensão diferente nisso”. Portanto, precisamos continuar atentos ao surgimento de novas variantes, mas precisamos ter cuidado ao usar a modelagem computacional sobre os efeitos potenciais das mutações e extrapolar que é isso que acontecerá do ponto de vista clínico.

Gemma: Cientistas sul-africanos ainda estão trabalhando duro para entender o omicron e o que ele faz com nossos corpos. Perguntamos a Jinal Bhiman quais perguntas ela e seus colegas estão tentando responder no momento.

Jinal: Atualmente, omicron foi subcategorizado em três linhagens diferentes e, em seguida, uma outra sublinhagem dentro de uma delas. E o interessante é que inicialmente uma dessas linhagens foi responsável por casos globais. E agora estamos vendo que a segunda dessas sublinhagens está realmente começando a aumentar em frequência.


Então, o que queremos saber é qual é a diferença? A segunda sublinhagem tem algum tipo de diferença imunológica? É mais resistente? É menos resistente? Pode produzir mais virulência de forma mais eficaz em nossas células do que a primeira versão? Tentando entender essas diferenças porque a segunda linhagem, está dominando na Índia, está dominando na Dinamarca. Também estamos vendo aumentos aqui na África do Sul.

Também estamos tentando ver o que acontece após a infecção. Porque o que vimos é que agora com o omicron, a maioria das pessoas não está ficando gravemente doente, certo? Então, o que está acontecendo em termos de sua resposta de anticorpos?

Gemma: Pode ser um impulsiona o outro. Você tomou a vacina e então a infecção aumenta a resposta da vacina?

Jinal: Sim, definitivamente faz. Mas queremos entender – porque somos cientistas e gostamos de entrar em detalhes – é apenas porque há mais anticorpos, tipo, independentemente da qualidade da resposta, há apenas mais anticorpos? Ou é porque o anticorpo está amadurecendo e está mudando e melhorando quando você tem esse impulso por infecção?

Gemma: Uau, fascinante. Uma última pergunta. Que conselho você daria aos cientistas de outras partes do mundo que podem ser os primeiros a descobrir uma variante de preocupação no futuro, dada sua própria experiência e o que aconteceu com você naqueles primeiros dias e depois o que aconteceu desde então?

Jinal: Eu optaria pela transparência. Seja aberto, seja honesto. E acho que a OMS agora fez muitas recomendações de que as proibições de viagens não são úteis, não são racionais. E, portanto, esperamos que os países daqui para frente não estigmatizem outros países que estão identificando variantes de preocupação ou novas variantes. Quero dizer, eu também entendo que é, você sabe, agir com cautela e quando você não sabe, você quer ser o mais cauteloso possível. Mas precisamos pensar mais globalmente e precisamos pensar em como essas coisas afetam a todos, não apenas seu próprio país.


por Jorge Athanasopoulos, Jinal Bhiman e Shabir A. Madhi, em The Conversation |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Jorge Athanasopoulos é pesquisador da COFUND/Marie Curie, Durham University
  • Jinal Bhiman é cientista médica principal do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis (NICD), Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis
  • Shabir A. Madhi é reitor da Faculdade de Ciências da Saúde e Professor de Vacinologia da Universidade de Witwatersrand; e Diretor da Unidade de Pesquisa de Análise de Vacinas e Doenças Infecciosas do SAMRC, Universidade de Witwatersrand

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -