Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 16, 2021

A elite dos EUA atacou o Congresso Nacional

José Carlos Ruy, em São Paulo
Jornalista e escritor.

Ao cultivar uma base de paranóicos e fornecer aprovação para suas conspirações, a direita e seus patrocinadores empresariais estabeleceram as bases para o ataque ao Capitólio.

por Ian Goodrum, People´s World  | Tradução de José Carlos Ruy

Não preciso contar o que aconteceu no Capitólio dos EUA na semana passada. Vídeos e fotos fazem dizem tudo. Todos vimos as multidões enfurecidas se aglomerando em apoio a Donald Trump, em Washington. Nós os vimos invadir os corredores do Congresso para anular a certificação da eleição de novembro passado, e os vimos saqueando escritórios. Embora cinco tenham morrido na confusão, também vimos a maioria deles sendo educadamente escoltada para fora pela Polícia do Capitólio.

Esse nível de segurança frouxo estava muito longe das falanges militarizadas presentes durante os protestos Black Lives Matter em Washington, levantando um monte de perguntas sobre por que um dos edifícios mais seguros do mundo foi supostamente pego de surpresa. Como os detalhes disso estavam no planejamento há meses, vale a pena fazer essas perguntas. De minha parte, não é muito difícil conectar os pontos – especialmente depois que foi revelado quantos dos manifestantes eram policiais e militares fora de serviço.

No entanto, muitos deram um suspiro de alívio quando os vândalos foram retirados. Sem dúvida, alguns considerarão a posse de Joe Biden em 20 de janeiro o fim de uma crise nacional prolongada. Trump será considerado uma aberração, seu termo nada mais do que um pesadelo, um “pedaço de carne não digerido”, como Dickens teria.

Mas essa é uma perspectiva perigosamente simples. Isso não começou com Trump, e não vai terminar com ele. Muito facilmente esquecemos que os EUA são um país construído sobre a escravidão, com terras tomadas à força de populações indígenas. O primeiro rascunho da Constituição dos EUA – logo abaixo das passagens nobres sobre “uma união mais perfeita” – abria a possibilidade da propriedade de africanos escravizados. Esse não é um legado que pode ser eliminado facilmente, e quase impossível, quando tantos no poder negam seu significado.

Isso pode parecer uma tangente estranha, mas o que aconteceu no Capitólio torna o contexto mais amplo ainda mais essencial. Depois de um momento traumático como este, há um desejo compreensível de voltar à normalidade, mas isso é uma coisa arriscada de se fazer. Qualquer médico dirá que é inútil tratar os sintomas sem curar a doença subjacente.

Estou cansado do refrão frequentemente repetido de “isso não é quem nós somos” dos estadunidenses que negam a história de seu próprio país. As hordas que atacaram o Congresso são as pessoas que zombaram dos alunos que frequentam escolas integradas. Eles são as pessoas que formaram turbas de linchamento. MAGA e QAnon são apenas os John Birchers e Klansmen do passado. Não se engane: este é um ódio antigo e duradouro com uma nova camada de tinta.

Mas também quero chamar a atenção para outro mito irritante que circula. Por muito tempo, a mídia dos EUA retratou os defensores mais militantes e desequilibrados de Trump como membros de uma classe trabalhadora ofendida, ou povo rural “deixado para trás” pela globalização. Embora certamente haja bolsões de apoio nessas comunidades, os dados mostram que, em geral, eles optam por não participar das eleições completamente – e depois de várias administrações e poucos benefícios materiais para mostrar, quem ficaria chocado?

Não, a maioria da base de Trump é financeiramente confortável o suficiente para se preocupar com a falsa guerra cultural propagada nos meios de comunicação e redes sociais; eles poderiam, afinal, tirar um tempo para ir a Washington, reservar quartos de hotel e se enfeitar com armamentos e equipamentos táticos caros. É seguro dizer que alguém que trabalha em empregos de baixa remuneração, sem benefícios – agora arriscando a vida toda vez que sai de casa, graças à resposta criminosa à pandemia dos EUA – tem coisas mais importantes com que se preocupar.

Portanto, embora a base de culto de Trump tenha, na maior parte, um maior grau de segurança do que os trabalhadores assalariados que eles desprezam, ainda não é a estabilidade rígida que os verdadeiramente poderosos desfrutam. Eles ganham o suficiente para se sentirem investidos no sistema por meio da propriedade e de algumas bugigangas caras, mas não onde possam opinar sobre seu próprio futuro. Devido a esse status “intermediário”, eles se identificam fortemente com seus exploradores, enquanto culpam os abaixo por dificultar seu sucesso.

Essa raiva borbulhante se manifesta em uma resistência furiosa a qualquer indício de progresso social. Para eles, a vida é um jogo de soma zero, onde se alguém ganha, deve, por definição, perder. Qualquer concessão feita a um “outro” – como, digamos, negros que querem seus direitos básicos – é território perdido em um campo de batalha imaginário. Trump, com suas constantes tiradas contra os imigrantes e as minorias, era seu protetor. Eles o querem no cargo, não importa o custo, porque acreditam que a alternativa é um regime marxista de extrema esquerda sob Biden. Por mais atraente que pareça, a verdade é muito mais enfadonha: Biden é, na melhor das hipóteses, um moderado que continuará a marcha lenta e bipartidária dos EUA pela austeridade neoliberal.

O que só vai piorar as coisas. Todas as tendências que nos trouxeram até aqui, construindo como vêm por incontáveis ​​décadas, foram turbinadas pela consolidação do capital e pelo controle monopolista da informação por meio de enormes empresas de tecnologia. Com os piores impulsos dos usuários agravados por um modelo de crescimento infinito de engajamento a qualquer custo, feudos isolados e auto selecionados se formaram. Quanto mais estranhas e incendiárias as mensagens, melhores serão os números – e maiores serão as recompensas algorítmicas.

Isso vale em dobro para a mídia patronal, os autointitulados fornecedores de “notícias reais”. Durante anos, eles consideraram Trump uma curiosidade, uma fonte infalível de avaliações. Eles o convidaram para talk shows noturnos e ouviram cada palavra sua, e seus resultados financeiros dispararam. A bonança pagou dividendos tão gordos que nem mesmo a eleição de 2016 os fez hesitar. Em vez de um exame de consciência muito necessário, eles se engajaram na prática falida do “ismo de ambos os lados”, que trata as visões políticas monstruosas como idênticas ao seu exato oposto.

Ainda mais ofensiva foi a linguagem que usaram para descrever o ataque. Para onde quer que você olhasse, você veria algum locutor ou comentarista lançar termos como “Terceiro Mundo” ou “república das bananas” ao falar sobre a violência. A implicação é clara: esse tipo de coisa só pode acontecer em lugares distantes e não civilizados. Pondo de lado as conotações racistas de tais comentários, a força brutal foi administrada sobre os trabalhadores e minorias oprimidas por séculos, seja por turbas ou pelo próprio estado. Pense nos massacres de Tulsa e Colfax.123 Joelho ferido. O caso Haymarket. Kent State. E isso é apenas uma pequena amostra. Fingir que não foi um fenômeno local é um ato de negação vergonhosa.

É particularmente irônico usar “república das bananas” porque o termo vem de golpes empresariais apoiados pelos EUA! As “repúblicas das bananas” tiveram seus governos derrubados por conglomerados como a United Fruit Company para maximizar os lucros e manter uma esfera de influência. Em sua pressa em negar a culpabilidade dos EUA nesta insurreição – e, por extensão, a sua própria – os meios de comunicação invocam a violência que perpetrou.

Isso dificilmente é coincidência. Por décadas, os EUA fomentaram insurgências em todo o mundo para alcançar seus objetivos políticos e econômicos, plantando as sementes da revolução colorida para punir qualquer um que rompesse os limites. Invasões e campanhas de bombardeio foram apenas a ponta do iceberg; mesmo se os esforços diretos de mudança de regime não funcionassem, endossar e financiar a turbulência em todo o mundo iria, pelo menos, desestabilizar quaisquer dissidentes. Bem, as galinhas voltaram para o poleiro. Os Contras estão à porta.

Ao cultivar uma base de paranóicos e fornecer aprovação para suas conspirações, a direita e seus patrocinadores empresariais estabeleceram as bases para esse ataque. Eles levantam as mãos e pedem paz – mas só agora, quando sua segurança pessoal está ameaçada. Até aquele ponto, eles estavam perfeitamente felizes em atiçar as chamas do ódio e do ressentimento para promover suas próprias agendas.

Então, se eles querem saber quem é o responsável por este triste estado de coisas, eles não precisam de uma investigação do FBI.


por Ian Goodrum, Redator e editor digital do China Daily em Pequim, China   |   Texto em português do Brasil, com tradução de José Carlos Ruy

Exclusivo Editorial PV (Fonte: People’s World)  / Tornado


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -