Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 23, 2021

A hipocrisia de Biden em relação a Cuba

O presidente dos EUA, Joe Biden, recentemente fez afirmações indicando a possibilidade de apoio humanitário a Cuba. No entanto, seria de muito maior ajuda se retirasse as sanções unilaterais impostas sobre a ilha.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, na coletiva de quinta-feira (15 de julho) com a Chanceler Alemã Angela Merkel comentou sob a situação atual de Cuba. Em meio a um clamor mundial (Na ONU, 184 países votaram contra o bloqueio genocida imposto pelos EUA a Cuba que já causou um prejuízo de US$ 147,8 bilhões em quase 60 anos de bloqueio econômico) para que sejam anuladas as 240 medidas punitivas contra Cuba decretadas por Donald Trump. A única medida que Biden anunciou na entrevista foi que enviaria vacinas para Cuba: “Estou disposto a doar quantidades significativas de vacinas se, de fato, eles me garantirem que uma organização internacional irá administrar essas vacinas” disse Biden”.

Humanismo hipócrita no momento que inúmeros países  da Africa e da América Latina que ainda não iniciaram suas campanhas de vacinação por falta de recursos financeiros para aquisição de vacinas, aguardam a chegada das vacinas norte americanas.  Cuba tem sua vacina. O único país da América Latina que pesquisou, desenvolveu, testou e possui sua própria vacina.  Mais de dois milhões de cidadãos cubanos já receberam as três doses da vacina. Cerca de 3.220.481 pessoas receberam pelo menos uma dose. Quase oito milhões de doses de Abdala, Soberana 02 e Soberana PLUS foram administradas indiscriminadamente a  população, de forma gratuita e segura pelo Sistema Público de Saúde de Cuba. A taxa de vacinação diária de Cuba para cada 100 habitantes é uma das mais alta do mundo. E seus percentuais de vacinados e totalmente vacinados superam a média mundial.

Alexandre Meneghini / Reuters

Se Biden está preocupado com a saúde da população cubana, em vez das vacinas que a maior parte da humanidade necessita, decrete o fim do bloqueio ao acesso dos insumos farmacêuticos e equipamentos que Cuba está necessitando com urgência para acelerar a produção em larga escala das vacinas que a nação caribenha está produzindo. A P&D dessas vacinas não foram mais rápidos devido às restrições impostas pelo bloqueio genocida norte americano. Desbloqueie o acesso a medicamentos para tratamento contra câncer, ventiladores pulmonares e outras equipamentos de saúde que Cuba não pode adquirir nos Estados Unidos, sendo obrigada a fazer a aquisição por preços muito mais altos através de empresas intermediárias. Ele deveria abrir espaços para a colaboração científica entre instituições científicas e pesquisadores cubanos e americanos, como o realizado entre o Centro de Imunologia Molecular (CIM) de Havana e o Roswell Park In Búfalo no Estado New York.

A formação da primeira joint venture em biotecnologia entre Cuba e os Estados Unidos promoverá a eficácia de um tratamento desenvolvido em Cuba contra o câncer de pulmão e seu possível uso em pacientes norte-americanos. Ainda em fase experimental, o CIMAvax-EGF em breve terá sua aprovação submetida ao FDA. Hoje mais de 5.000 pacientes ao redor do planeta estão utilizando a imunoterapia ativa com o CIMAvax. Essa parceria ocorreu antes da visita de Obama em 2016 a Cuba.  O país possui grandes centros com pesquisadores doutores que foram criados nos anos 80.

Todos trabalham em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) de  produtos fundamentais para a saúde da população e para o desenvolvimento econômico do País já que são produtos de exportação de alto valor agregado. Instalações como o Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB), o Centro de Imunologia Molecular (CIM), o Centro de Imunoensaio (CIE) e o Centro de Neurociências (CNEuro) tornaram-se referências internacionais. Os Estados Unidos com a política de aniquilamento da Revolução procuram bloquear esses avanços. Cuba consegue buscar fornecedores de insumos para esses centros na Europa e na Ásia. A Zona Especial de Desenvolvimento de Mariel permitiu o surgimento de biofármacos cubanos que são utilizados mundialmente, como Heberprot-P e a vacina CIMAvax-EGF, que, juntamente com a criação de terapias para o tratamento de doenças do sistema nervoso central, câncer, hepatite B ou meningoencefalite, tornaram o País uma grande referência mundial em Saúde.

Agência Brasil

Que  Biden, cumpra sua promessa eleitoral e reverta todas as medidas irracionais e criminosas que Donald Trump implementou contra Cuba.  Foi no governo de Donald Trump que o embargo foi  mais recrudescido com a aplicação de 243 medidas coercitivas unilaterais, afetando diretamente o envio de remessas dos emigrantes cubanos residentes nos  EUA à ilha caribenha e o acesso a combustível vindo da Venezuela. Somente em 2020, durante a pandemia, o país registrou perdas de US$ 3,5 bilhões por conta da imposição do bloqueio que tenta aniquilar o País.  “A violência econômica se tornou a arma preferida dos Estados Unidos para expandir sua guerra perpétua. Os EUA são uma ameaça para a segurança da humanidade, já que está comprovado que a agressão econômica tem um impacto comparável a uma guerra convencional”, afirmou o embaixador venezuelano na ONU, Samuel Moncada.  Anualmente os países da União Europeia pede na Assembleia Geral da ONU o fim do bloqueio. Essa semana no Parlamento Europeu o Chefe da Diplomacia Europeia declarou que: “Atualmente, Cuba carece de seringas, medicamentos, combustível. Nunca foi fácil, mas neste momento é mais difícil, e é natural que haja momentos em que a situação socioeconômica tensa provoca movimentos de protesto”. O mesmo disseram os presidentes do México e da Argentina.

Cuba é atacada diretamente dos Estados Unidos por uma guerra midiática. Com todos os tipos de Fakes News. O alvo é a Revolução e seus defensores. A estratégia do golpe suave estabelece como uma de suas regras fundamentais que é destruir os pilares básicos que sustentam o Estado. uma ofensiva midiática que busca distorcer sua verdade e a grandeza de sua resistência. Para desacreditar a Revolução, mentem, fazem oposição ao humanismo de seus projetos, tentam inviabilizar suas conquistas, apontar suas fraquezas, silenciar e esconder suas façanhas. Na ausência de argumentos, manipulam, violam, punem. O ataque recente as brigadas internacionais médicas cubana de solidariedade foi uma dessas ações.   O próprio Biden na campanha presidencial sofreu um feroz ataque  da máfia cubana ligada aos republicanos de Miami. Traindo os que o apoiaram, frustra as aspirações e direitos legítimos de relações normais entre o seu país que acolheu cubanos e seu país de nascimento. Passa a apoiar agora uma escalada de ódio e tensões entre os cubanos com graves feridas nas emoções que irão dificultar em muito o entendimento futuro entre os dos países.

Cuba não está sozinha. Milhões de pessoas no mundo inteiro comparecem às manifestações de apoio na porta dos consulados e nas ruas. Campanhas de arrecadação financeira para apoiar a aquisição de medicamentos e seringas para vacinação da população estão em curso.

Não ao Bloqueio dos EUA! Cuba Vencerá!


por Hélio de Mattos Alves, Professor da Faculdade de Farmácia da UFRJ  |  Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -