Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Outubro 26, 2021

Indícios reveladores de porque os sul-africanos estão saqueando

Há indícios de que setores alocados dentro do governo, ligados a Jacob Zuma, com recursos e experiência, estão mobilizando a desordem civil, em meio à pandemia, fome e criminalidade que assola o país.

por Guy Lamb, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

O saque de empresas, shopping centers e armazéns na África do Sul na semana passada, especialmente nas províncias de KwaZulu-Natal e Gauteng, ocorreu em uma escala sem precedentes. Afetou áreas pobres e de classe média. Propriedades privadas e governamentais foram danificadas e destruídas. Pessoas foram feridas e vidas foram perdidas.

Uma variedade de narrativas surgiu em um esforço para explicar o frenesi de pilhagem. Alguns acusaram partidários convictos do ex-presidente Jacob Zuma de fomentar a agitação. Outros insinuaram que o saque é uma consequência da captura do Estado e do alto nível de criminalidade na África do Sul.

Tem havido sugestões de que o distúrbio atual é semelhante a uma rebelião dos pobres provocada por uma insegurança alimentar aguda.

No entanto, as descobertas da pesquisa sobre saques sugerem que tais fenômenos raramente são causados ​​por uma coisa. Em vez disso, geralmente é o resultado de vários fatores.

Os saques na África do Sul ocorreram intermitentemente durante décadas, no contexto de uma crise contínua de pobreza, desigualdade e desemprego. Ocorreu durante o apartheid e continuou a ocorrer após a democracia de 1994. Mas tem sido tradicionalmente confinado a áreas urbanas e periurbanas marginalizadas.

Incidentes de pilhagem costumam ser sinônimos de surtos de violência xenófoba e protestos de prestação de serviços. Isso aconteceu de forma esmagadora em vilas e assentamentos informais nos quais lojas e negócios pertencentes a estrangeiros foram saqueados.

Um estudo sobre a violência xenófoba e o setor de lojas populares de periferia (spaza), feito por mim e por pesquisadores da Safety and Violence Initiative, mostrou que o saque costuma ser um fenômeno altamente localizado. Ou seja, lojas spaza de propriedade estrangeira (pequenos pontos de venda informais) eram vulneráveis ​​a saques em comunidades onde uma combinação de fatores estava em jogo. Entre eles estavam atitudes xenófobas intensas, medidas ineficazes para regular a competição entre os donos de lojas, liderança comunitária disfuncional e a alienação de donos de lojas estrangeiros.

Notamos em nosso estudo a desagradável realidade de que um fator-chave para o saque era o fato de os saqueadores considerá-lo socialmente aceitável. E muitas vezes era incentivado e endossado nas redes sociais e comunitárias.

Nossas descobertas ecoam aquelas em uma série de publicações sobre saques nos Estados Unidos e na Inglaterra.

No entanto, como ressaltado em nosso relatório, o saque não surge espontaneamente. Geralmente ocorre devido à instigação de indivíduos ou grupos influentes que ativamente articulam que o saque contra alvos específicos é permitido e justificável.

Os motoristas

Na literatura sobre violência política, o processo de incentivo ativo costuma ser chamado de corretagem. Um bom exemplo foi durante o ataque ao edifício do Capitólio em Washington DC. Os apoiadores de Trump foram ativamente encorajados a se envolver em atos de sedição por líderes de grupos extremistas.

A corretagem tem sido uma característica central da atual onda de saques em KwaZulu-Natal e Gauteng. Apoiadores de Jacob Zuma têm encorajado ativamente os sul-africanos a se envolverem em atos de violência e desobediência civil.

Indivíduos que são mais propensos à violência e ofensas criminais tendem a iniciar o saque. Pessoas comuns podem então aderir. Atos de pilhagem costumam ser contagiosos e criam vida própria. Isso se deve à dinâmica de grupo em que atos de saque de alguns podem encorajar outros.

Além disso, a desordem coletiva oferece certo grau de camuflagem e impunidade para ações criminosas.

A ausência de tutores capacitados, como polícia e segurança privada, também pode contribuir para saques por pessoas comuns.

Outra observação importante do estudo de violência xenófoba foi que o saque de lojas spaza tendeu a ser mais generalizado em KwaZulu-Natal e Gauteng. Isso ocorreu devido à maior prevalência de grupos e redes dispostos a se envolver em várias formas de violência coletiva. As ações tomadas incluíram protestos, extorsão, assassinatos políticos, conflitos de táxi e violência em albergues. Isso envolve principalmente violência entre grupos de residentes pelo controle de albergues, que muitas vezes são mal mantidos.

Relatórios recentes sugeriram que grupos e redes como este contribuíram para desencadear e acelerar a atual onda de saques.

A intensidade do saque em curso em partes de KwaZulu-Natal e Gauteng significa uma convergência de corretagem, um aumento nas atitudes de que o saque é socialmente permitido e uma disposição de certos grupos e redes pró-violência para facilitar ativamente o saque nas duas províncias.

Mas esses fatores não explicam adequadamente a mudança significativa do saque nas áreas de varejo e propriedades comerciais da classe média.

A grande escala e a natureza ousada sugere “mãos ocultas” com bons recursos e experiência em provocar e instigar a desordem civil.

Mau estado de segurança

Um relatório publicado em dezembro de 2018 revelou conclusões profundamente preocupantes sobre a segurança do Estado na África do Sul. O relatório foi elaborado pelo painel de revisão de alto nível da Agência de Segurança do Estado do país.

Em particular, mostrou que elementos dentro dos serviços de inteligência na época tinham acesso a grandes somas de dinheiro e não só alimentou o partidarismo político, mas também se envolveram em operações sofisticadas de “truques sujos” contra facções do partido governante alinhadas ao presidente Cyril Ramaphosa.

O ministro da polícia anunciou na quarta-feira que ex-agentes de inteligência e leais a Zuma, alguns dos quais ainda podem estar na folha de pagamento da Agência de Segurança do Estado, estão sob investigação por possivelmente instigar o saque e a desordem.


por Guy Lamb, Criminologista / conferencista, Stellenbosch University  |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -