Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Julho 7, 2022

A importância de Maria Firmina na literatura

José Carlos Ruy, em São Paulo
José Carlos Ruy, em São Paulo
Jornalista e escritor.

No ano em que se completam os 160 anos da publicação do livro Úrsula, abolicionista e contra a opressão da mulher, é preciso reconhecer o lugar de sua autora, Maria Firmina dos Reis, entre os fundadores do romance brasileiro.

Os livros de história da literatura brasileira precisam, todos eles, sem exceção e com urgência, ser corrigidos para que se introduza neles o reconhecimento de que o romance brasileiro tem entre seus fundadores uma mulher, que se definiu, no prólogo de seu romance, publicado em 1859, como “ uma mulher, e mulher brasileira” , qualidade que aparece também no pseudônimo que usou para a publicação: “Uma Maranhense” . Foi publicado inicialmente em folhetim, no jornal A Moderação, de São Luís e, no anúncio da publicação se podia ler, quase escondida nas últimas linhas, a informação de que sua autora era a “ exma. sra. D. Maria Firmina dos Reis, professora pública em Guimarães” .

Mulata, filha de pai negro e mãe branca, que não eram casados, há controvérsia sobre o ano de seu nascimento – uns dizem que foi em 1822, e a maioria fala em 1825. Não é o fundamental. Esta mulher, negra e nordestina – e que vivia de seu salário de professora primária – foi Maria Firmina dos Reis, autora de Úrsula – Romance Original Brasileiro, cuja publicação completa 160 anos em 2019.

A urgência da correção dos livros de história da literatura é acentuada pela qualidade literária do livro que o destaca entre os romances inaugurais da literatura brasileira, de autoria de homens, brancos e bem situados socialmente, como Joaquim Manuel de Macedo, Manuel Antonio de Almeida e José de Alencar.

Úrsula foi o primeiro romance abolicionista publicado em língua portuguesa. Antiautoritário, criticou com ênfase a opressão da mulher pelo mesmo autoritarismo patriarcal que então dominava. Na vida real, Maria Firmina abominava a escravidão e a desumanização que decorre dela. Conta-se que, em 1847, com pouco mais de 20 anos de idade, quando foi tomar posse no cargo de professora primária após passar em um concurso público em sua província, foi-lhe oferecido o transporte em uma liteira carregada por escravos – e ela recusou, preferindo ir a pé. Teria dito: “Negro não é animal para se andar montado nele”.

Autodidata de largas leituras e fluente em francês, Maria Firmina tinha consciência dos preconceitos que seu antiescravismo e seu feminismo avant la lettre enfrentariam naquela sociedade patriarcal e escravista – daí ocultar-se sob o pseudônimo “ Uma Maranhense” . No prólogo de Úrsula, ela afirmou seu conhecimento dessa barreira patriarcal preconceituosa: “Pouco vale este romance, porque escrito por uma mulher, e mulher brasileira, de educação acanhada e sem o trato e conversação dos homens ilustrados”.

Seu espírito humanista e inconformado com a escravidão transparece em todo o romance. Um exemplo é o capítulo inicial no qual, ao longo de saborosa descrição da paisagem – como era própria do romantismo literário –, ela indica gradualmente o tema que crescerá ao longo do livro: a descrição da exploração implacável e inconsciente do trabalho de alguém. Ela narra a viagem pelo campo de um jovem, a cavalo; o cavaleiro não nota a exaustão do animal que, a seguir, não consegue continuar e cai.

Em socorro do cavaleiro ferido – que se saberá, aos poucos, ser um dos principais personagens do livro – surge no horizonte a figura de um homem que, parágrafos adiante, será apresentado como Túlio, um jovem escravo. É notável, num romance escrito em 1859, quando a escravidão mantinha força total na sociedade, sua apresentação inicial como “um homem”, e não um negro ou um escravo. Não se trata de uma opção estilística vazia, arbitrária; ela denota o profundo humanismo da autora que, inspirada pelo cristianismo, levava ao pé da letra a convicção de que todos os homens são iguais.

Que diferença de As Vítimas Algozes (1869), de Joaquim Manuel de Macedo, injustamente considerado o primeiro romance abolicionista brasileiro, cujo próprio título incorpora o preconceito da época: invertendo a relação injusta criada pela escravidão, apresenta a abolição como um benefício… para os senhores, por livrá-los da ameaça representada pela presença de verdadeiras feras, os negros escravizados, apresentados como vingadores cruéis e bestiais. Macedo reflete o preconceito da época que encara o africano como selvagem, não civilizado, e o desumaniza. O romance “abolicionista” de Macedo não pode sequer ser classificado como humanista, e apresenta o escravo como uma ameaça ao senhor.

Úrsula, ao contrário, patenteia o caráter humanista e antirracista de Maria Firmina, e o legitima – por razões estilísticas mas também pelo forte conteúdo social – como o primeiro grande romance abolicionista escrito em idioma português, da mesma forma como retrata e condena a opressão da mulher.

É um romance, hoje, de acesso difícil, em formato convencional, de papel, embora possa ser encontrado em formato eletrônico, pela internet. Teve apenas duas edições. A primeira, de 1859, saiu inicialmente em folhetim no jornal A Moderação, de São Luís, e depois em livro, no mesmo ano, pela Tipografia do Progresso, da capital maranhense.

A outra edição demorou mais de um século para sair. Em 1962, o pesquisador Horácio de Almeida encontrou um exemplar da primeira e única edição de Úrsula no meio de um lote de livros comprados em um sebo. E se surpreendeu com a qualidade literária e social do romance do qual, 13 anos depois, em 1975, conseguiu publicar uma segunda edição, fac-similar, feita pelo governo do Maranhão, para a qual escreveu o prefácio.

Maria Firmina foi escritora e educadora. Ela fundou, em 1879, na vila de Guimarães, Maranhão, a primeira escola gratuita para o ensino fundamental de meninos e meninas – que só durou três anos, abatida pela fúria preconceituosa que provocou. “O escravo firminiano”, diz a professora Régia Agostinho da Silva[1], da Universidade Federal do Maranhão, “é, antes de tudo, aquele que fala da África, que só reconhece a verdadeira liberdade, no tempo em que vivia naquela África saudosa e nostálgica”.

Maria Firmina dos Reis é a única mulher a figurar entre os homenageados na Praça do Pantheon, em São Luís, onde estão os bustos de escritores maranhenses. Mas já passou da hora de reconhecer seu lugar entre os fundadores da literatura brasileira – esta escritora notável e lutadora pela liberdade e contra a opressão: Maria Firmina dos Reis.

Aos 160 anos da publicação inicial de Úrsula, uma nova edição se impõe como homenagem não ao passado – merecida, sem dúvida – mas ao presente, aos estudantes e estudiosos, gente da cultura e do pensamento, aos militantes do progresso social de nossos dias, para que reconheçam em Maria Firmina dos Reis a legitimidade da luta de todos contra a opressão e se animem a, em nosso tempo, levar adiante essa luta humanitária, libertária… e antiga.

[1] Citada no artigo “Quem foi Maria Firmina dos Reis, considerada a primeira romancista brasileira”, de Helô D’Angelo, na revista Cult, 13/11/2017)


Texto em português do Brasil


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Boa pergunta

VER…

Além Tejo (1)

- Publicidade -