Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Dezembro 5, 2022

A perda da privacidade hoje, pode melhorar a tecnologia amanhã

A proteção da privacidade evoluiu historicamente para garantir segurança. É a luta por ela que obrigará as novas tecnologias a engendrar meios para proteção de dados.

por Laura Brandimarte e Alessandro Acquisti, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Muitas pessoas pensam na privacidade como uma invenção moderna, uma anomalia possibilitada pela ascensão da urbanização. Se fosse esse o caso, então concordar com a atual erosão da privacidade pode não ser particularmente alarmante.

À medida que os pedidos do Congresso para proteger a privacidade aumentam, é importante entender sua natureza. Em um resumo de política na Science, nós e nosso colega Jeff Hancock sugerimos que entender a natureza da privacidade exige uma melhor compreensão de suas origens.

Evidências de pesquisa refutam a noção de que a privacidade é uma invenção recente. Embora os direitos ou valores de privacidade possam ser noções modernas, exemplos de normas de privacidade e comportamentos de busca de privacidade abundam em todas as culturas ao longo da história humana e em toda a geografia.

Como pesquisadores de privacidade que estudam sistemas de informação e pesquisas comportamentais e políticas públicas, acreditamos que levar em conta as potenciais raízes evolutivas das preocupações com a privacidade pode ajudar a explicar por que as pessoas lutam com a privacidade hoje. Também pode ajudar a informar o desenvolvimento de tecnologias e políticas que podem alinhar melhor o mundo digital com o senso humano de privacidade.

As origens nebulosas da privacidade

Os humanos têm procurado e tentado gerenciar a privacidade desde o início da civilização. As pessoas da Grécia antiga à China antiga estavam preocupadas com os limites da vida pública e privada. O chefe masculino da casa, ou pater familias, nas antigas famílias romanas, fazia seus escravos moverem seus berços para algum canto remoto da casa quando ele queria passar a noite sozinho.

A atenção à privacidade também é encontrada nas sociedades pré-industriais. Por exemplo, a tribo Mehinácu na América do Sul vivia em acomodações comunais, mas construía casas particulares a quilômetros de distância para que os membros alcançassem alguma reclusão.

De acordo com o Gênesis na Bíblia, Adão e Eva ‘perceberam que estavam nus’ e se cobriram. Museu de Arte de Cleveland via Wikimedia

Evidências de um impulso para a privacidade podem ser encontradas até mesmo nos textos sagrados das antigas religiões monoteístas: as instruções do Alcorão contra espionar uns aos outros, o conselho do Talmud de não colocar janelas sobre as janelas dos vizinhos e a história bíblica de Adão e Eva cobrindo suas nudez depois de comer o fruto proibido.

impulso para a privacidade parece ser simultaneamente culturalmente específico e culturalmente universal. Normas e comportamentos mudam entre povos e épocas, mas todas as culturas parecem manifestar um impulso para isso. Estudiosos do século passado que estudaram a história da privacidade fornecem uma explicação para isso: As preocupações com a privacidade podem ter raízes evolutivas.

Por essa conta, a necessidade de privacidade evoluiu das necessidades físicas de proteção, segurança e interesse próprio. A capacidade de sentir a presença de outras pessoas e escolher exposição ou reclusão oferece uma vantagem evolutiva: um “senso” de privacidade.

O senso de privacidade dos humanos os ajuda a regular os limites do público e do privado com maestria eficiente e instintiva. Você percebe quando um estranho está andando muito perto de você. Você normalmente abandona o tópico da conversa quando um conhecido distante se aproxima enquanto você está envolvido em uma discussão íntima com um amigo.

Pontos cegos de privacidade

As pessoas não têm uma compreensão intuitiva das políticas e configurações de privacidade de sites e softwares. Scar8840/Wikimedia , CC BY-SA

Uma teoria evolucionária da privacidade ajuda a explicar os obstáculos que as pessoas enfrentam para proteger informações pessoais online, mesmo quando afirmam se importar com a privacidade. Os sentidos humanos e a nova realidade digital são incompatíveis. Online, nossos sentidos nos falham. Você não vê o Facebook rastreando sua atividade para criar seu perfil e influenciá-lo. Você não ouve a aplicação da lei tirando sua foto para identificá-lo.

Os humanos podem ter evoluído para usar seus sentidos para alertá-los sobre os riscos de privacidade, mas esses mesmos sentidos colocam os humanos em desvantagem quando tentam identificar riscos de privacidade no mundo online. Faltam pistas sensoriais on-line e, pior, padrões sombrios – elementos de design de sites maliciosos – enganam esses sentidos para perceber uma situação de risco como segura.

Isso pode explicar por que os mecanismos de aviso de privacidade e consentimento – tão populares entre as empresas de tecnologia e por muito tempo entre os formuladores de políticas – não conseguem resolver o problema da privacidade. Eles colocam o ônus de entender os riscos de privacidade nos consumidores, com avisos e configurações que geralmente são ineficazes ou manipulados por plataformas e empresas de tecnologia.

Esses mecanismos falham porque as pessoas reagem visceralmente às invasões de privacidade, usando seus sentidos mais do que sua cognição.

Protegendo a privacidade na era digital

Um relato evolutivo da privacidade mostra que, se a sociedade está determinada a proteger a capacidade das pessoas de gerenciar os limites do público e do privado na era moderna, a proteção da privacidade precisa ser incorporada na própria estrutura dos sistemas digitais. Quando a evolução da tecnologia dos carros os tornou tão rápidos que os tempos de reação dos motoristas se tornaram ferramentas não confiáveis ​​para evitar acidentes e colisões, os formuladores de políticas intervieram para impulsionar as respostas tecnológicas, como cintos de segurança e, mais tarde, airbags.

Garantir a privacidade online também requer uma combinação coordenada de tecnologia e intervenções políticas. As garantias básicas de proteção de dados, como as Diretrizes da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico sobre a Proteção da Privacidade e Fluxos Transfronteiriços de Dados Pessoais, podem ser alcançadas com as tecnologias certas.

Os exemplos incluem técnicas de análise de dados que preservam o anonimato, como as habilitadas pela privacidade diferencial, tecnologias de aprimoramento de privacidade, como serviços de e-mail criptografados fáceis de usar e navegação anônima, e assistentes de privacidade inteligentes personalizados, que aprendem as preferências de privacidade dos usuários.

Essas tecnologias têm o potencial de preservar a privacidade sem prejudicar a dependência da sociedade moderna na coleta e análise de dados. E como é improvável que os incentivos dos players do setor para explorar a economia de dados desapareçam, acreditamos que serão necessárias intervenções regulatórias que apoiem o desenvolvimento e a implantação dessas tecnologias.


por Laura Brandimarte e Alessandro Acquisti, em The Conversation |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Laura Brandimarte é professora assistente de Sistemas de Informação Gerencial, Universidade do Arizona
  • Alessandro Acquisti é professor de Tecnologia da Informação e Políticas Públicas, Carnegie Mellon University

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -