Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 24, 2021

A perna de presunto

Diz a bíblia que na noite em que Jesus nasceu, o céu estava iluminado com estrelas cintilantes que orientava o caminho aos reis magos, que informados por um anjo seguiram o caminho ao encontro do menino redentor.O natal por si só é uma data magica, adornada com enfeites de papéis que dão colorido às paredes queimadas com cal, é dia do nascimento do menino rei, dia do perdão e da reconciliação.

Histórias que fazem a meninice, preenchem corações nostálgicos, que nos transportam aos tempos de criança, onde inocentemente o natal significava apenas dias de fartura… Bolo com gasosa…

Hoje os reis magos já não trazem os presentes, foram abolidos os cabazes e os brindes de natal. O consumismo nos entranhou e falta sempre alguma coisa, porque a contenção forçada para amealhar mantimentos para Janeiro tornou-se crucial.

Porque se gasta tanto num só dia? E porque não gastar?

Querer e não ter, eis a questão… até agora o meu único sonho de natal é ter uma perna de presunto na minha cozinha, adoro presunto mas por mais que queira só consigo comprar até 500 gramas mensal… o consumismo e os sonhos sobrepõem-se às necessidades, que acabamos por comprar o desnecessário e dissolver o décimo terceiro ou as moedas amealhadas por uma desempregada como eu, em passas e nozes.

Mas há quem quer, pode, faz e acontece, não precisa se conter, pode exprimir-se como quiser.

E se o natal fosse apenas o dia da caridade? Será que compraríamos na mesma proporção? Eu não sei se conseguiria oferecer a minha ansiada perninha de presunto… Há mais prazer em dar do que em receber… mas oferecer a minha pernoca? Ainda bem que os gestos não se medem pelo tamanho, 500 gramas… acrescente na lista um presente para alguém necessitado e na agenda um abraço para alguém distante e seja por um dia a fada madrinha de um menino sonhador. Num país emergente como o nosso, dormir e acordar já é um presente, quanto mais poder saborear o que se quer no dia de natal, as estradas se estendem livremente para o limite dos teus sonhos, e a diversificação da economia trouxe para nós a alegria de poder escolher. A paz é o nosso bem maior, não importa o que teremos à mesa, o que importa é que teremos com fartura.

Menu para o almoço de NATAL à moda angolana

Entradas

  • Ginguba torrada
  • Milho fervido
  • Cola e gengibre

Pratos principais

  • Cabidela de galinha ou pato
  • Carne seca de muteta
  • Calulu
  • Caldo de peixe
  • Miudezas de cabrito
  • Peito alto
  • Carne de caça sua escolha
  • Galinha de moaba(dendem ou ginguba)
  • Bagre de moamba
  • Turtulho com catato de moaba
  • Grelhadas mistas (galinha,porco,vaca, veado, canbuinji, pássaros, javali)
  • Peixe e choco grelhado
  • Feijão de oléo de palma
  • Menha ndungo
  • kisaca

Guarnições

  • Funge  (bombóm, milho)
  • Batata doce, mandioca, banana pão(cozida)
  • Farinha musseque

A autora escreve em PT Angola

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -