Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Agosto 11, 2022

A reeleição de Emmanuel Macron: uma falsa vitória

Mélenchon, que em cinco anos ganhou mais votos do que Marine Le Pen, foi a surpresa com parte dos votos preferindo Le Pen que não para de agregar para si o voto periférico.

por Mattias Bernard, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A vitória decisiva de Emmanuel Macron sobre Marine Le Pen no segundo turno das eleições presidenciais da França em 24 de abril de 2022 não é surpresa. Por mais de um ano, as pesquisas de opinião previam isso. Já em abril de 2021, os principais institutos de pesquisa (Elabe, Harris Interactive, Ifop, Ipsos) estimavam a pontuação final do presidente cessante em uma faixa de 54 a 57% dos votos. E quando chegou a última noite, Macron passou por todas as reviravoltas da campanha e saiu ileso, com 58,8% dos votos.

O sucesso continua o tema do primeiro turno, quando Macron terminou com 4,5 pontos e 1,6 milhão de votos à frente de Le Pen, com Jean-Luc Mélenchon sendo eliminado por pouco para o segundo turno – ele ganhou quase 22% dos votos, apenas um único ponto percentual atrás do candidato de extrema-direita.

Com o primeiro turno atrás dele, Macron sabia que poderia contar com o apoio de um número maior de candidatos (Valerie Pécresse, Les Républicains; Yannick Jadot, Europe Ecologie Les Verts; Fabien Roussel, Parti Comunista; e Anne Hidalgo, Parti Socialiste). do que Le Pen, que foi endossado apenas pelos outros dois candidatos de extrema-direita (Eric Zemmour e Nicolas Dupont-Aignan).

Embora Mélenchon não tenha pedido que seus apoiadores votassem em Macron, ele proclamou que “nem um único voto” deveria ir para Marine Le Pen.

Reeleição sem poder compartilhado

Emmanuel Macron escapa assim à maldição do “voto punitivo” contra o presidente em exercício que levou às derrotas de Valéry Giscard d’Estaing em 1981 e Nicolas Sarkozy em 2012, e também contribuiu para a decisão de François Hollande de não concorrer à reeleição em 2017. Macron também se torna o primeiro presidente da Quinta República a ser reeleito sem ter que dividir o poder . François Mitterrand foi obrigado a fazê – lo em 1988 , enquanto Jacques Chirac sofreu essa humilhação em 2002 .

Quanto ao general de Gaulle, reeleito em 1965 numa lógica de continuidade , havia sido escolhido sete anos antes por um colégio de 82.000 eleitores – e não por sufrágio universal. Emmanuel Macron escapa assim a esta maldição do “voto-sanção” contra o presidente cessante que explicou as derrotas de Valéry Giscard d’Estaing em 1981 e Nicolas Sarkozy em 2012 e pressionou François Hollande a não concorrer novamente à presidência em 2017.

A vitória parece justificar a estratégia de Macron em 2017, na qual ele se apresentou como o campeão “progressista” dos liberais pró-europeus da direita e da esquerda contra os “populistas nacionalistas” reunidos em torno de Marine Le Pen. Nos últimos cinco anos, as palavras e ações de Macron buscaram consolidar a bipolarização que garantiu seu sucesso no segundo turno da eleição presidencial de 2017 e parecia ser a chave para um segundo mandato.

Uma estratégia imperfeita

A estratégia funcionou, mas apenas imperfeitamente. De fato, o cenário político francês está agora estruturado em torno de três pólos em vez de dois. O placar de Jean-Luc Mélenchon foi a maior surpresa do primeiro turno , assim como sua capacidade de reunir eleitores de esquerda hostis ao liberalismo de Macron. Isso foi mais negligenciado pelo próprio Macron, que se concentrou em capturar o eleitorado da direita tradicional.


Durante o período de duas semanas entre os dois turnos, a questão do que os eleitores de esquerda fariam – ou não fariam – foi crucial, com os dois finalistas buscando atrair aqueles que votaram em Jean-Luc Mélenchon. Marine Le Pen fez isso insistindo no caráter “social” de sua agenda , enquanto procurava minimizar os laços profundos de seu partido com a Rússia . Emmanuel Macron, por sua vez, declarou que faria do meio ambiente a principal prioridade de seu governo. Nem conseguiu convencer totalmente os eleitores nem o equilíbrio de poder realmente mudou.

Comportamento eleitoral heterogêneo

Os resultados do segundo turno parecem indicar que os eleitores de esquerda não se comportaram de forma mecânica e uniforme. Uma parte significativa optou por Marine Le Pen, sobretudo nas zonas rurais e nos departamentos e territórios ultramarinos . Neste último, ela atraiu muitos que votaram em Jean-Luc Mélenchon no primeiro turno: ela obteve quase 70% dos votos em Guadalupe, onde ele havia conquistado 56% dos votos quinze dias antes. Ainda assim, uma fração um pouco maior votou em Emmanuel Macron, especialmente nas grandes cidades onde os apoiadores de Mélenchon têm um perfil sociológico bastante próximo ao do presidente em exercício.

Uma fração um pouco maior votou em Emmanuel Macron, especialmente nas grandes cidades onde os eleitores de Mélenchon têm um perfil sociológico bastante semelhante ao do presidente cessante: este consolida assim sua ancoragem na França das grandes cidades.


Recusando-se a escolher

Ainda mais numerosos são aqueles que se recusaram a escolher. Mais de 12% dos eleitores votaram em branco ou inválido, em comparação com 2,2% no primeiro turno. A taxa de abstenção também foi significativamente superior à do primeiro turno de 2022 (28% versus 26,3%), e também superior à do segundo turno de 2017 (25,4%).

Dispersão do eleitorado

A divisão de três vias do eleitorado não se coaduna com a votação majoritária em dois turnos. Em 1969, a baixa proporção de votos expressos em relação ao número de eleitores registrados (63%) já era prova disso. 2022 serve como um exemplo ainda mais ousado, com a participação caindo abaixo de 60% – um recorde para uma eleição presidencial francesa. Emmanuel Macron é, portanto, um dos presidentes “mais eleitos” da Quinta República (atrás de Jacques Chirac em 2002 e ele próprio em 2017) se compararmos sua pontuação com os votos emitidos, e “pior eleito” se observarmos a porcentagem de eleitores registrados (apenas 35%, contra 38% para Georges Pompidou em 1969 e 43,5% para ele em 2017).

A dispersão dos votos de esquerda e, em menor grau, dos votos tradicionais de direita, fez com que Macron recuasse mais de 8 pontos e quase 4 milhões de eleitores em relação ao segundo turno de 2017. Essa queda é sem precedentes no histórico das eleições presidenciais: Valéry Giscard d’Estaing, em 1981, e Nicolas Sarkozy, em 2012, perderam respectivamente 3 e 5 pontos em relação à eleição anterior.

Uma “frente republicana” em ruínas

Isso tem menos a ver com um voto de punição do que com a erosão da “frente republicana” – ou a tradição política francesa que consiste em deixar de lado as diferenças políticas para impedir a ascensão da extrema-direita ao poder. Teve um enorme impacto em 2002, foi menos eficaz em 2017 e só funcionou parcialmente em 2022. Portanto, embora Le Pen tenha perdido novamente, votar em um candidato de extrema direita não é mais visto como inaceitável na França.

A vitória de Emmanuel Macron, embora antecipada, não deve mascarar as duas principais lições da eleição. Em primeiro lugar, a extrema direita alcançou um patamar nunca antes alcançado na França, graças à sua capacidade de reunir um eleitorado heterogêneo, predominantemente operário. Em segundo lugar, o cenário político do país, agora estruturado em três polos, está em descompasso com um sistema de votação adaptado a dois partidos dominantes. Essas duas questões tornam ainda mais incerto o resultado das próximas eleições legislativas na França, que acontecem em junho.


por Mattias Bernard, Historiador e reitor na Universidade Clermont Auvergne (UCA)   |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -