Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Julho 21, 2024

Uma abstenção altamente política na França

As abstenções eleitorais geralmente ocorrem entre eleitores menos favorecidos em renda e educação (informação) na Europa. Quando ela atinge os mais bem informados e capazes de escolher seu governo, algo novo está ocorrendo.

por Beatrice Mabilon-Bonfils e Virgínia Martin, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

As estimativas para o segundo turno da eleição presidencial na França mostram alta abstenção, em torno de 28%. Um número inigualável em 53 anos e 1969, que viu mais de 30% do eleitorado decidir não ir às urnas.

Essa taxa de abstenção seria quase 2,5 pontos superior à observada durante a votação que já havia se oposto a Emmanuel Macron e Marine Le Pen em 2017.

Durante trinta anos, a abstenção é um comportamento que se desenvolve em todas as democracias ocidentais (exceto, claro, aquelas que implementaram o voto obrigatório: Itália, Bélgica, Grécia ).

Nós a observamos da mesma forma que a volatilidade eleitoral, designando a possibilidade de os eleitores modificarem suas preferências políticas ou seu voto de um prazo eleitoral para outro, assim como o voto de protesto . Na França, o abstencionismo político estrutural aumentou desde a década de 1990 .

Vivemos uma crise de representação , uma desconfiança da política , mas sobretudo a crise de um sistema que não ouve as necessidades e expectativas dos cidadãos. A magnitude das ondas abstencionistas, eleição após eleição, só pode ser interpretada à luz de uma nova forma de abstenção, uma abstenção política.

Abstenção, a primeira festa na França? YouTube

 

Da “taxa oculto” à abstenção política

O argumento mais citado para explicar o abstencionismo seria o desinteresse pela política, quase sempre complementado pela expressão da incompetência pessoal dos cidadãos.

Para o cientista político francês Daniel Gaxie, a “taxa oculto” – em que o capital cultural possuído, geraria uma forma de sufrágio censitário – é determinante da abstenção eleitoral: a diferença de politização entre as classes sociais estaria ligada à desigualdades culturais, elas mesmas determinadas principalmente pelas desigualdades educacionais que separam os grupos sociais e, portanto, pelo sentimento de competência política dos sujeitos.

O capital cultural engendraria um domínio desigual dos instrumentos da política, como registrar-se na assembleia de voto certa, falar em público, sentir-se no direito de opinar. Assim, os cidadãos que mais se auto-excluem dos processos democráticos seriam aqueles que têm uma (percepção de sua) competência política fraca. Se o sufrágio é universal de direito, ele se tornaria, por exclusão e autoexclusão do voto, como “de facto censitaire” segundo Gaxie, ou seja, reservado aos mais favorecidos. Existe, evidentemente, uma correlação geral entre a ausência de diploma e a abstenção; quanto menos a pessoa é qualificada, mais ela  se abstém .


Um “abstencionismo heterodoxo”

No entanto, alguns trabalhos de pesquisa e em particular os do cientista político Santiago Oliveros que trabalhou nas eleições americanas. Segundo ele, as ligações entre participação política, busca de informações e tipo de eleitorado (eleitor com preferências ideológicas pronunciadas versus eleitor não partidário) são contra-intuitivas: informação e abstenção não são necessariamente correlacionadas negativamente: alguns eleitores são mais propensos a se abster quando são mais informados…

Emergente é o que denominamos, em pesquisas atuais e a serem publicadas, “abstencionismo heterodoxo”, que designa a não participação em eleições de categorias instruídas. Isso é demonstrado por nossas entrevistas com pessoas qualificadas e altamente qualificadas interessadas em política, engajadas no debate de ideias, e que definem a abstenção como uma escolha política.

Este estudo envolve entrevistar não-eleitores regulares dotados de capital cultural alto, até muito alto, para entender suas motivações.

“A ideia de delegar poder me incomoda. Coloco-o em conexão com o mandato imperativo no sentido de que dou poder a alguém… O que não quero fazer é dar a alguém a possibilidade de tomar decisões sem pedir minha opinião. Sou a favor do mandato imperativo no sentido de que aceitaria que alguém carregasse minha voz, mas limitando-a às decisões que tomássemos coletivamente. Não como os representantes que temos hoje que decidem o que querem a partir do momento em que têm o poder; aqueles que podem decidir dizer “meu inimigo é a finança” e finalmente aprovar a lei que lhes convém”. (homem de 30 anos, profissão intelectual superior)

“O gatilho foi a eleição de 2007 que terminou entre Sarkozy e Royal. Eu votei mais à direita, mas claramente não era um sarkozista. No segundo turno, ficou claro para mim, nem um nem outro. Então parei de votar. No começo, eu simplesmente não votei e depois pensei que até votar branco hoje não faz sentido. Votar branco significa “não concordo com as pessoas que você me apresenta, mas dou crédito ao sistema”. Eu hoje, não dou mais crédito ao sistema. Então eu não voto mais… Para mim, enquanto o sistema estiver como está, eu não voto mais. Sou a favor de mudar completamente o sistema. Muitas vezes quando não votamos, nos dizem que as pessoas lutaram para conseguir, mulheres, etc. Principalmente quando você é mulher. O direito de voto faz sentido quando levado em conta. Hoje, votar só serve para dar voz às pessoas uma vez a cada 5 anos para escolher alguém que não vai cumprir nenhuma das promessas que fez e pior, que vai fazer o que ‘quer’. Isso não é democracia. Eu seria a favor de votar em uma sociedade que parece uma democracia. (Mulher de 50 anos com uma profissão intelectual superior)

Questionado sobre sua participação nas eleições presidenciais de 2022, um cidadão respondeu:

“Pode ser difícil e ainda assim! Presumo que não votarei nesta eleição que ainda nos prende ao jogo Le Pen-Macron, uma pena. Não quero essa ausência de alternativa. Encontramo-nos presos, é insuportável. Portanto, estou muito empenhado, mas permaneço em abstenção no domingo, 24 de abril. (Homem, 41 anos, gerente)

Da “democracia da eleição” à “democracia do envolvimento”?

Como mostra a socióloga Anne Muxel, há uma nova forma de expressão no jogo político: a abstenção “no jogo” que é mesmo a expressão de uma certa vitalidade democrática.

Encontro “Nuit Debout” em 15 de maio em Paris, Place de la République Geoffroy Van Der Hasselt/AFP

A abstenção-protesto pode ser o resultado do “descontentamento” segundo o cientista político Alain Lancelot, mas também pode ser uma forma de contestação do sistema. Enquanto a insatisfação ocasional, vinculada a eventos políticos ou questionamentos das elites, não impede a adesão ao sistema, a contestação do próprio sistema político é um questionamento da democracia representativa em favor de formas de democracia direta.

Neste caso, os últimos anos viram o discurso político perder credibilidade: do Nuit Debout aos Indignados, dos “coletes amarelos” aos Comboios da Liberdade, é mesmo a questão da democracia representativa que se põe. “Não estamos numa democracia” foi um dos leitmotivs dos “coletes amarelos”, questionando a democracia representativa na sua consistência e forma, por vezes apelando à realização de um referendo de iniciativa cidadã (RIC), ou mesmo à ideia de uma assembleia constituinte por sorteio.

Democracia e sistema representativo não são sinônimos. YouTube

Esses movimentos sucessivos são impulsionados pela “exigência radical de que os cidadãos assumam o controle de seu destino” , como também nos lembra Bruno Cautrès:

“Encontramos elementos muito comuns […] tanto com a questão da justiça social, da igualdade, da fraternidade, quanto com o sentimento de que o sistema político não consegue ouvir, que não é empático, que é uma espécie de casta que vive em seu universo e na incapacidade de compreender o francês.

Hoje, a ascensão desses novos tipos de abstenções combina-se com as demandas por democracia participativa.

Política: local de suprema violência simbólica

Quando a política é experimentada como um lugar de violência simbólica suprema cada vez mais sensível , o consenso político que forma a base da democracia representativa cederá?

Já pistas, como algumas das universidades ocupadas remetem para trás a duas radicalidades “radicalismo neoliberal ou radicalismo fascista” e, assim, rejeitando a escolha eleitoral proposta.

Estudantes se reúnem do lado de fora da Universidade Sorbonne, em Paris, em 14 de abril de 2022, durante uma manifestação dez dias antes do segundo turno das eleições presidenciais francesas. Várias centenas de estudantes se mobilizaram em Paris e Nancy, ocupando prédios universitários para fazer ouvir suas vozes entre os dois turnos das eleições presidenciais e para aumentar a conscientização sobre questões ecológicas e sociais

Está ocorrendo uma reversão?

A eleição tem sido pensada há muito tempo como um processo aristocrático: para Montesquieu em O Espírito das Leis, “o sorteio é da natureza da democracia: o sufrágio por escolha é da natureza da aristocracia”. Em seguida, estabeleceu-se um novo consenso sobre a noção de democracia; operando exatamente o oposto da teoria clássica. A eleição tornou-se o instrumento da democracia.

Certo número de indicadores atestam o desafeto da “política profissional” em suas modalidades representativas sem, no entanto, ser sinal de desinteresse pela política.

A ascensão do abstencionismo é óbvia nas democracias representativas e na França em particular. Os abstencionistas não são necessariamente movidos por uma postura apolítica, mas reivindicam uma escolha política para desafiar o modelo de contestação de poderes por uma “elite” eleita, em prol de demandas por democracia direta e democracia participativa. Em suma, a crise de representação política visível em todos os países europeus não é sinal de um “déficit democrático”, mas de uma demanda por democracia.


por Beatrice Mabilon-Bonfils e Virgínia Martin, em The Conversation |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Beatrice Mabilon-Bonfils é socióloga, Diretor do laboratório BONHEURS, CY Cergy Paris University
  • Virgínia Martin é PhD em ciência política, HDR em ciência da gestão, Kedge Business School

Béatrice Mabilon-Bonfils acaba de publicar uma novela gráfica sobre o tema dos novos modos de democracia .

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -