Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Outubro 26, 2021

Agências de risco punem países pobres por gastar em saúde na pandemia

A austeridade induzida pelo FMI no início de 2000 por uma redução nos gastos com saúde na Guiné, Libéria e Serra Leoa, deixou-os suscetíveis à crise do Ébola em 2014. Os três foram os países mais afetados, o que causou mais de 11.000 mortes.

por Ramya Vijaya, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A recuperação econômica da pandemia de covid-19 depende de investimentos sustentados em saúde e serviços sociais. Mas, embora países ricos como os EUA possam tomar empréstimos e gastar com relativa facilidade, os países de baixa renda enfrentam um grande obstáculo: suas classificações de crédito.

Uma classificação de crédito, como uma pontuação de crédito, é uma avaliação da capacidade de um tomador – seja uma empresa ou um governo – de pagar suas dívidas. As classificações de crédito mais baixas aumentam o custo do empréstimo.

Essa ameaça fez com que alguns países mais pobres evitassem recorrer a investidores para obter financiamento vital durante a pandemia, enquanto outros governos que planejavam gastar mais em serviços públicos foram atingidos por rebaixamentos nas classificações de crédito de empresas privadas.

Minha próxima pesquisa mostra que, quando as classificações de crédito caem, os países tendem a gastar menos com saúde. Isso deve ser motivo de preocupação, pois a variante delta do coronavírus aumenta a contagem de casos em todo o mundo.

Punido por gastos com saúde

Uma grande lacuna surgiu entre os países ricos e pobres em termos de quanto eles estão gastando para combater o impacto do coronavírus e fortalecer sua infraestrutura de saúde.

Os governos dos países ricos forneceram trilhões de dólares em apoio direto e indireto para suas economias, em média cerca de 24% de seu produto interno bruto. As economias em desenvolvimento, por outro lado, têm sido capazes de gastar apenas uma pequena fração disso, uma média de cerca de 2% de seu PIB.

Uma pesquisa recente descobriu que a classificação de crédito de um país era o maior fator em quanto um governo gastou em alívio para covid-19. Ou seja, quanto mais baixa a classificação de um país, menos ele pode gastar com saúde e outros serviços sociais.

Por exemplo, a Costa do Marfim e o Benin são os únicos dois países da África Subsaariana que conseguiram fazer empréstimos nos mercados internacionais desde o início da pandemia. Outros optaram por não pedir emprestado, pelo menos em parte, ao que parece, por medo dos rebaixamentos de classificação que poderiam resultar. Isso os impediu de financiar os gastos tão necessários.

O medo é justificado. Países que planejavam aumentar os gastos, como Marrocos e Etiópia, foram punidos por isso. A classificação de crédito do Marrocos, por exemplo, foi rebaixada para grau especulativo, ou “lixo”, pela Fitch e Standard & Poor’s por causa de seu plano de gastar mais em serviços sociais. Os cortes nas classificações tornarão muito mais difícil e mais caro tomar empréstimos de investidores internacionais.

E o Moody’s Investors Service reduziu a classificação de crédito da Etiópia depois que o país buscou o alívio da dívida de um novo programa do Grupo dos 20 para que pudesse gastar mais no apoio à economia e aos cidadãos.

No geral, apesar de gastar muito menos durante a pandemia, os países mais pobres tinham muito mais probabilidade do que os mais ricos de ver suas classificações de crédito cortadas pela Fitch, Standard & Poor’s e Moody’s – as três maiores agências privadas de classificação de crédito.

Os países de baixa renda são, portanto, forçados a escolher entre manter suas classificações de crédito estáveis ​​e realizar gastos essenciais com serviços sociais.

Em minha própria pesquisa, que está atualmente sob revisão por pares, observei mudanças nas classificações em um grupo de 140 países de 2000 a 2018. Descobri que rebaixamentos nas classificações de crédito reduziram os gastos públicos com saúde.

O sistema de classificação do FMI

Até mesmo o Fundo Monetário Internacional, que é a principal agência global que supervisiona o financiamento do desenvolvimento, usa um sistema de classificação que tende a penalizar os governos por qualquer aumento nos gastos públicos. Isso inclui gastos investidos em seus sistemas de saúde.

O FMI avalia a qualidade de crédito dos países por meio de um sistema que chama de estrutura de sustentabilidade da dívida. Os países são classificados em três níveis de “capacidade de crédito” – forte, média ou fraca.

Os países fracos são considerados com baixa capacidade de lidar com a dívida adicional com base em seus níveis atuais de endividamento. Não se faz distinção entre dívidas resultantes de importantes investimentos de longo prazo em serviços sociais, como saúde e educação, e dívidas contraídas por gastos desnecessários. Os países são então obrigados pelo FMI a melhorar suas classificações como uma condição de ajuda, colocando o foco no reembolso da dívida, objetivos econômicos de curto prazo e cortes de gastos generalizados.

Um artigo de opinião no The Lancet culpou a similar austeridade induzida pelo FMI no início de 2000 por uma redução nos gastos com saúde na Guiné, Libéria e Serra Leoa, deixando-os suscetíveis à crise do Ebola em 2014. Os três foram os países mais afetados em uma epidemia que durou dois anos e causou mais de 11.000 mortes.

Reforma de classificações

O FMI anunciou recentemente um plano para emitir US$ 650 bilhões em fundos de reserva que os países de baixa renda podem usar para comprar vacinas e expandir os cuidados de saúde. Embora isso deva ajudar mais países a não terem que escolher entre as classificações de crédito e o bem-estar de seus cidadãos durante a pandemia, é apenas uma solução de curto prazo.

Um relatório recente das Nações Unidas pediu uma reforma na forma como as agências de classificação de crédito privadas são regulamentadas, argumentando que elas não prestam contas e tornam difícil para os países pobres cumprirem suas obrigações de direitos humanos. Uma proposta para colocar uma moratória nas classificações de crédito soberano de países sobrecarregados de dívidas durante as crises também ajudaria a fornecer uma proteção.

Mudanças permanentes na forma como o FMI e as agências de classificação de crédito privadas avaliam a dívida, no entanto, podem ser necessárias para que não penalizem os países por fazerem investimentos importantes em saúde e outros serviços públicos. Isso ajudaria os países a construir sua infraestrutura de saúde para que não fossem pegos de surpresa pela próxima pandemia.


por Ramya Vijaya, Professora de Economia, Stockton University   |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -