Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Outubro 26, 2021

Alemanha pagará à Namíbia US$ 1,3 bi ao reconhecer genocídio colonial

Reconhecimento do genocídio pelos alemães é passo importante para reparações.

Mais de 100 anos após os crimes cometidos pelo poder colonial alemão no que hoje é a Namíbia, a Alemanha reconheceu formalmente as atrocidades cometidas contra os grupos étnicos Herero e Nama como genocídio.

A Alemanha apoiará a Namíbia e os descendentes das vítimas com € 1,1 bilhão (US$ 1,3 bilhão) para reconstrução e desenvolvimento e pedirá perdão pelos “crimes do domínio colonial alemão”, disse o chanceler alemão Heiko Maas em comunicado nesta sexta-feira.

“Nosso objetivo era e é encontrar um caminho comum para uma reconciliação genuína em memória das vítimas. Isso inclui nomear os eventos do período colonial alemão no que hoje é a Namíbia, e em particular as atrocidades no período de 1904 a 1908, sem poupá-los ou encobri-los. Agora também chamaremos oficialmente esses eventos pelo que foram da perspectiva de hoje: um genocídio”, disse Maas.

O governo namibiano viu a aceitação formal das atrocidades como genocídio, como um passo fundamental no processo de reconciliação e reparação, que foi acelerado nos últimos cinco anos.

Grupo de vítimas rejeita acordo

No entanto, grupos de vítimas rejeitaram o acordo. Vekuii Rukoro, o chefe supremo do povo hereró, ex-procurador-geral e membro do parlamento, diz que não participaram da discussão com o governo alemão.

“É este o tipo de reparação com a qual supostamente estamos entusiasmados? Isto é apenas relações públicas. Este é um trabalho esgotado do governo da Namíbia. O governo traiu a causa do meu povo”, disse ele.

Rukoro disse que os grupos de vítimas herero e nama esperam reparações monetárias. Ele disse que as reparações não precisam ir para as pessoas individualmente, mas devem ser na forma de um pagamento coletivo aos descendentes dos mortos e expulsos de suas terras durante o genocídio.

As tropas alemãs mataram cerca de 80.000 hererós e namas no que hoje é a Namíbia, entre 1904 e 1908, em resposta a um levante anticolonial. Ele acrescentou que o presidente alemão não é bem-vindo no país da África Austral. “O presidente da Alemanha não é bem-vindo aqui no que diz respeito às comunidades de vítimas. Ele é persona non grata”, disse ele.

Um conflito sangrento

As tropas alemãs mataram cerca de 80.000 hererós e namas no país do sul da África entre 1904 e 1908 em resposta a um levante anticolonial, de acordo com o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos. Segundo historiadores, o conflito sangrento aconteceu quando os nativos hererós se revoltaram contra as tropas coloniais por causa da apreensão de terras.

A Alemanha, que hoje dá ajuda ao desenvolvimento para a Namíbia, ofereceu seu primeiro pedido formal de desculpas pelo conflito em 2004. Ambos os países vinham em negociações desde 2015 para negociar uma compensação pelo massacre das forças coloniais alemãs. Maas disse em seu comunicado que representantes das comunidades herero e nama estavam “intimamente envolvidos” nas negociações do lado namibiano.

“Os crimes do domínio colonial alemão há muito sobrecarregam as relações com a Namíbia. Não pode haver fechamento do livro no passado. No entanto, o reconhecimento da culpa e nosso pedido de desculpas é um passo importante para chegar a um acordo com os crimes e moldar o futuro juntos “, disse Maas.

A mídia alemã está relatando que um pedido oficial de perdão será feito pelo presidente alemão Frank-Walter Steinmeier em uma cerimônia no parlamento namibiano.

O governo alemão explica que a decisão sobre uma possível viagem do Presidente será tomada após os governos terem chegado a um acordo formal e em consulta estreita com o lado namibiano.

Um memorial ao genocídio dos herero e nama (1904-1907) cometido pelas tropas coloniais alemãs na capital da Namíbia, Windhoek. A inscrição traduz: “Seu sangue nutre nossa liberdade.”

O anúncio foi feito um dia depois que o presidente francês Emmanuel Macron reconheceu publicamente a “responsabilidade avassaladora” da França no genocídio de 1994 em Ruanda e disse que apenas os sobreviventes poderiam dar “o presente do perdão”.

Em 1994, cerca de 800.000 tutsis, principalmente étnicos, foram mortos por milícias hutus apoiadas pelo governo de Ruanda. A França foi acusada de não ter evitado o genocídio e de apoiar o regime hutu, mesmo depois que os massacres começaram.


Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -