Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Outubro 27, 2021

Almodôvar procura as raízes do seu futuro

Remete a formação de um consenso sobre como continuar para a próxima edição. Daí o título que dá à crónica.

Almodôvar procura as raízes do seu futuro

De 5 a 9 de Outubro de 2016, a Câmara Municipal de Almodôvar, Alentejo, Portugal, reuniu artistas, escritores e investigadores dos países de língua portuguesa para pensarem o papel de cada um na multiplicação dos recursos destinados ao crescimento do maior número de pessoas no espaço da língua portuguesa (ver o programa no Tornado).

Nisto, houve um comportamento comum aos presentes. A verdade é relativa, mas ela é de todos os tempos e a era do pós-facto ou da pós-verdade é um conceito enganador, que usa a inovação tecnológica e as inovações na comunicação para manipular os menos atentos e travar a transformação social.

A comissão organizadora do festival, por sinal muito criadora, partiu das escritas do sul, que significam ao mesmo tempo os resultados visíveis, apesar de ainda incertos, das escavações da zona meridional do município e de Portugal, para sugerir a leitura do mundo com os nossos próprios olhos. Das diferenciadas percepções no Sul e no Norte do planeta resultam atitudes de combate ou de conformismo.

Esse sentido metafórico, mundial e simultaneamente local, que nos impressionou, projecta-se através da importância que a Vila de Almodôvar dá à cultura e à formação dos seus recursos humanos. A biblioteca municipal, o museu, o projecto de centro cultural, a programação para todas as idades e sexos mais a partilha sistemática com os munícipes ilustram esse sentimento. A leitura das escritas do Sul pode levar longe é a conclusão de quem lá esteve!

Cultura e Língua Portuguesa

A universalidade da Língua Portuguesa (LP) é um termo ambíguo como o da Lusofonia. Mas, o que importa mesmo é o que fazemos de bom para partilhar com outros, sem nos preocuparmos com as influências que certos países e políticas podem ter ou não. Por conseguinte, independentemente do número de falantes, o português é tão universal como o inglês, o espanhol, o francês, o russo ou o chinês, mas é evidente, que a nossa língua tem um valor especial para cada um de nós. Por isso, os organizadores assumiram um risco aceitável.

Sobre o valor simbólico e real da LP, o facto de todos os participantes do festival, que eram muitos, terem saudado espontaneamente e de pé, o novo Secretário-geral da ONU, o português António Guterres, é significativo. Ficou a convicção de que a CPLP valerá o que realmente valerem os princípios, os objectivos e as instituições de cada país membro e do conjunto. Em cada país e na emigração existe uma realidade com pelo menos duas faces que convém promover conjuntamente: a Língua Portuguesa comum, as línguas locais de cada país de origem dos imigrantes e a língua do país de acolhimento. Se para cada país de acolhimento, o bilinguismo é suficiente, para o imigrante, pelo menos três farão falta.

Virtudes da vila

A ambição do município é equiparar-se pelos níveis de consciência e de vida às melhores cidades da União Europeia. Esta ambição é servida pela organização do poder e pela associação da economia e da cultura. Saltou à vista, a capacidade de mobilizar recursos financeiros locais, nacionais e da União. Também a estruturação da administração municipal.

A nós pareceu que uma inovação tentada nessa estruturação foi a de entregar a vice-presidência à cultura e nomear Luís Gaiolas, homem simpático e empreendedor, com conhecimento e visão do mundo, para se ocupar dela. Aí temos um caso de alta atractividade e que vai dar sentido ao poder local e à cooperação internacional.

À escala de Portugal, as virtudes de Almodôvar que contrastam com a paisagem alentejana, seca e azul, ajudará a desenvolver os hábitos de viajar dentro, destacando a simpatia e a cozinha, que apontam para a realização do festival em datas regulares e previsíveis. Se a decisão for nesse sentido, a internacionalização no espaço da Língua Portuguesa ficará pendente.

A geminação selectiva

Os dias de convívio proporcionados pelo Festival Escritas do Sul, permitiram pensar a cooperação entre os municípios da CPLP, com a proximidade a ajudar. Concordo, porque ao nível municipal é possível planificar as acções, avaliar os impactos e medir a eficiência. E o financiamento? Porque falamos de pessoas e de desenvolvimento, os princípios de colaboração são sagrados. A geminação é, em todo o caso, boa ideia.

O futuro do festival

Mais do que decidida, está programada, a edição de 2017 será na vila de Almodôvar. E depois? Dois elementos são coerentes com a sustentabilidade do projecto: associar a Cultura e a Economia e, seja qual for a natureza do programa do ano, houve a deliberação de manter a Língua Portuguesa no centro. O terceiro factor é de carácter geográfico. Vamos assumir que a CPLP seja a base do festival? Assim sendo, em 2017 discutiríamos, por um lado, o reforço da imagem de Almodôvar em Portugal e Europa, e por outro lado, as formas de internacionalização do Festival Escritas do Sul.

Praia, 5 de Dezembro se 2016

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -