Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Abril 20, 2024

“Ameaça de Trump de denunciar o presente acordo é um terrível engano”

trump

Essa decisão poderá ser vista como algo excessiva dado que o TPP não tem nenhum efeito sem a assinatura do Presidente na legislação de execução do negócio.

O século asiático

Concluído em 2015, após seis anos de negociações rigorosas, o TPP é um acordo para reduzir as barreiras comerciais e de investimento entre os 12 países da costa do Pacífico, incluindo os Estados Unidos. Na opinião de Daniel Ikenson, da Foreign Affairs, “Se implementado, o TPP produzirá benefícios económicos reais para as empresas dos EUA, trabalhadores, consumidores e investidores.

Talvez mais importante, em uma época de crescente incerteza sobre a direcção da globalização, o TPP irá reafirmar a primazia das regras e instituições estabelecidas sob a liderança dos EUA após a segunda guerra mundial”.

E acrescenta “Com efeito, a fundamentação geoestratégica do TPP é muito menos sobre a realização de objectivos económicos e de segurança do que de preservar e fortalecer o poder dos Estados Unidos”. “A ratificação do TPP é o melhor seguro para afirmar a primazia da transparência, não discriminação e comércio aberto”.

“Isso garante que as regras — e não os caprichos de autocratas —continuem a reger o comércio global, reduzindo a incerteza e a possibilidade de negar às entidades dos EUA legítimas oportunidades para participar dos benefícios da expansão económica da Ásia nas próximas décadas. Nesse sentido, a implementação do TPP estenderá a Pax Americana ao âmago do que foi chamado o século asiático”.

Nova onda de liberalização

O TPP permitirá a última oportunidade de alcançar uma nova onda de liberalização do comércio global abrangente sob a liderança dos EUA. Economias, que representam quase 40 por cento da produção global e um terço do comércio estão entre os associados fundadores do TPP.

Seguindo o raciocínio de Daniel Ikenson, “o negócio atingiu a massa crítica; esse peso permite que os termos do TPP sejam oferecidos a potenciais novos membros em uma base de »adira ou ignore»”. “Se o investimento regional se deslocar de não-membros TPP para membros TPP, o incentivo para aderir ao acordo irá crescer”.

Muitos países, incluindo a Indonésia, a Coreia do Sul, Taiwan e aTailândia, já manifestaram interesse em aderir e começaram já a empreender as reformas internas necessárias para se qualificarem para o TPP. Cada nova adesão aumentará os custos para os restantes que ficarem de fora. Isso aplica-se à China, no sentido em que poderá obrigá-la a aceitar as novas regras que poderão permitir o controlo de algumas das práticas abusivas pelas quais é tão frequentemente criticada.

Donald Trump criticou os acordos de comércio livre por acreditar que foram mal negociados. Para Ikenson, “Colocando o TPP em espera — ao invés de matá-lo — o Presidente Trump compraria algum tempo para contemplar a sua importância geoestratégica, bem como identificar as disposições específicas para ser renegociado”.

Fonte: Foreign Affairs

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -