Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 26, 2022

“Diz-me com quem andas…”

O Partido Socialista apresentou-se à eleição de seis de outubro pedindo ao eleitorado, para além da vitória eleitoral, um reforço significativo de votos de forma a poder governar sem necessitar de uma plataforma de entendimento a celebrar com parceiros vinculando-o a compromissos políticos para a Legislatura.

António Costa optou por seguir por um caminho em que o Partido Socialista, de que é o Secretario Geral, “dispensou” companhia de Legislatura anterior e, se apresenta como um coletivo uniforme, de sintonia ideológica discutível é certo, mas cuja essência tem representação no elenco da constituição de um Governo de “continuidade” que liderará, e que já foi apresentado, e aceite, ao Sr. Presidente da Republica Dr. Marcelo Rebelo de Sousa, conhecidas que são as divergências ideológicas e de agenda politica internas existentes no seio do seu partido como veio a publico Francisco Assis dar nota.

Algo que é transversal a qualquer organização tenha ela a forma jurídica que tiver porque é nas diferenças que encontram o seu ponto de equilíbrio e de orientação.

O Partido Socialista apresentou-se à eleição de seis de outubro pedindo ao eleitorado, para além da vitória eleitoral, um reforço significativo de votos de forma a poder governar sem necessitar de uma plataforma de entendimento a celebrar com parceiros vinculando-o a compromissos políticos para a Legislatura.

No entanto, e para o ato em apreço, importa ressalvar que, António Costa, o rosto da convergência política do Partido Socialista na campanha eleitoral de seis de outubro não conseguiu, assim como nenhum outro líder partidário também o não conseguiu, convencer e catapultar a maioria dos cidadãos eleitores, 51,43%, para que, através do voto, expressasse de forma clara e convincente a sua vontade política.

Considerando que, o cidadão eleitor ao abster-se de exercer esse seu direito desta forma inequívoca, mais de cinquenta por cento do eleitorado, a maior não participação em ato eleitoral para Eleições Legislativas verificada após a implantação da Democracia em Portugal através de um golpe de Estado militar no ano de 1974, estará segundo razão que lhe assiste a dar um sinal claro aos políticos e às suas organizações de que a sua confiança neles caiu de tal forma que já nem sequer se dão ao “incómodo” de a esse direito aceder para decidir quem deve governar o País.

De qualquer das formas, uma vez que no nosso sistema democrático por um voto se ganha ou se perde e o que conta são os votos expressos nas urnas de que se apura percentagem da totalidade dos votos validos, independentemente da percentagem não apurada sobre o total dos indivíduos com direito a voto não sendo por isso devidamente quantificada a insignificância da implantação social da grande maioria das candidaturas.

Feito este reparo, porque o que é colocado em causa não é de somenos importância quanto as classes dirigentes e os media consideram ao não lhe atribuírem o valor que tem ao tratarem a abstenção como uma mera questão circunstancial.

António Costa deu continuidade ao seu Governo reconduzindo a quase totalidade dos seus anteriores membros. O que por si só e por muito que algumas personalidades o apregoem não é garantia de coisa nenhuma no que a continuidade das políticas gerais da “geringonça” diz respeito. Nomeadamente nos avanços conseguidos em domínios como:

  • O emprego;
  • A recuperação no poder de compra;
  • A estabilidade económica;
  • O Serviço Nacional de Saúde;
  • A escola publica;
  • As políticas de habitação;
  • As políticas de investimento em infraestruturas na rede dos transportes públicos;
  • As políticas de fomento e do uso do transporte publico;
  • As políticas de igualdade de género;
  • As políticas de reconhecimento e de aceitação da diferença;
  • As políticas do ambiente e da florestação;
  • Entre muitas outras que visaram o coletivo em detrimento do individual;

Anotem-se os resultados da Governação na Legislatura que ora termina e que será sempre a referência comparativa com os resultados conseguidos pelo Governo a empossar.

A comparação com a contração económica e a austeridade que retirou regalias e direitos às pessoas, impostas pelo Governo de Pedro Passos Coelho com os resultados nefastos conhecidos, deixou de ser o argumento repetido.

Como em tudo na vida, o calculismo tem um preço. Umas vezes corre bem, mas, não raramente, corre mal.

Porque, como todos sabemos, uma só cabeça a pensar e decidir não produz os mesmos resultados que várias cabeças a pensar e a decidirem concluem sobre a mesma coisa.


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anterior
Próximo artigo
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -