Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

Após a COP26, começa a tarefa dura para tornar as promessas realidade

Analista propõe observar cinco questões em 2022 para medir os avanços rumo ao controle da mudança climática. A “volta” dos EUA ao pacto é particularmente vigiada pelo resto do mundo.

por Rachel Kyte, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

O quanto o mundo conquistou nas negociações sobre o clima em Glasgow – e o que acontece agora – depende em grande parte de onde você mora.

Em nações insulares que estão perdendo suas casas devido ao aumento do nível do mar e em outros países altamente vulneráveis, havia pílulas amargas para engolir depois que os compromissos globais para cortar as emissões ficaram muito aquém da meta de manter o aquecimento global em 1,5 graus Celsius (2,7 ° F ).

Para grandes países de renda média, como Índia e África do Sul, houve sinais de progresso nos investimentos necessários para o desenvolvimento de energia limpa.

No mundo desenvolvido, os países ainda precisam internalizar, politicamente, que os projetos de lei estão vencendo – tanto em casa quanto no exterior – após décadas de adiamento de ações sobre mudança climática. Quanto maior o atraso, mais difícil será a transição.

Também houve sinais de esperança quando coalizões de empresas, governos e sociedade civil e grupos de povos indígenas forçaram o progresso em questões como parar o desmatamento, cortar o metano, acabar com o uso do carvão e aumentar os veículos com emissões zero. Agora, essas promessas devem ser cumpridas.

Como ex-funcionário graduado da ONU, estive envolvido nas negociações sobre o clima por vários anos. Aqui estão cinco elementos-chave a serem observados no próximo ano, à medida que os países cumprem suas promessas.

Dobrando a curva para 1,5 ° C

Indo para a cúpula de Glasgow, os compromissos dos países colocaram o mundo em uma trajetória de aquecimento de cerca de 2,9 ° C neste século, bem além da meta de 1,5 ° C e em níveis de aquecimento que trarão impactos climáticos perigosos . O primeiro-ministro indiano anúncio de Narendra Modi nos primeiros dias (para surpresa de observadores indianos) que a Índia alcançaria emissões líquidas de zero até 2070 e gerar 50% de sua energia de fontes renováveis até 2030 ajudou menor que a trajetória para 2,4 ° C .

Os países concordaram em voltar para a próxima rodada de negociações climáticas em novembro de 2022 em Sharm el-Sheikh, Egito, com compromissos mais fortes para colocar o mundo no caminho de 1,5 ° C.

O Climate Action Tracker estima o aumento da temperatura média global com base nas políticas nacionais. New Climate Institute e Climate Analytics

Isso volta os holofotes para a ação nacional. A China lembrou a todos, enquanto lançava sombra sobre os EUA, que as metas devem ser apoiadas por planos de implementação. Membros do gabinete e líderes do Congresso dos Estados Unidos tiveram muito a dizer em Glasgow sobre estar “de volta”, depois que o governo anterior se retirou do acordo climático de Paris. Ainda assim, eles tinham pouco a oferecer em termos de participação nas finanças dos Estados Unidos, e o mundo lançou um olhar preocupado sobre a continuidade de sua política partidária.

Mais ofertas da África do Sul, por favor

Embora todos os países sejam importantes para atingir as metas climáticas mundiais, alguns são mais importantes do que outros.

Os países que são grandes emissores e fortemente dependentes do carvão serão um foco de atenção internacional nos próximos meses, não apenas para reduzir o carvão, mas também para financiar uma transição justa para fontes verdes de energia e a infraestrutura elétrica necessária.

O garoto-propaganda dessa abordagem é a África do Sul, onde uma comissão presidencial trabalhou por três anos para desenvolver um plano de transição justo e conseguiu atrair US $ 8,5 bilhões do Reino Unido, UE, EUA e outros para ajudá-los a executar isto. Isso, junto com garantias e outras ajudas financeiras que poderiam ajudar a atrair mais investimentos privados, poderia se tornar um modelo replicável.

A chave era a propriedade nacional. No próximo ano, espere planos para se reunir na Indonésia e no Vietnã e em outros países que precisam se afastar rapidamente do carvão.

Fazendo o financiamento do clima fluir

Muitos países em desenvolvimento já têm plataformas nacionais para cumprir seus compromissos, mas nas salas de conferência de Glasgow, as autoridades reclamaram que o financiamento não estava fluindo para ajudá-los a ter sucesso.

Este não é apenas um problema de financiamento do clima. Muitos países também estão enfrentando problemas econômicos com a pandemia de COVID-19 e se irritaram com a forma como as instituições financeiras internacionais não tratam das questões de acesso ao financiamento e ao comércio. Economias avançadas não vieram a Glasgow prontas para fornecer nem mesmo os US $ 100 bilhões anuais em finanças prometidos há uma década, o que reduziu a zona de desembarque para acordo em todas as questões.

Os chineses calculam o valor do crescimento perdido por meio de algumas medidas, como enchentes e calor. Sem surpresa, isso equivale a trilhões de dólares. Pode ser um exercício útil sempre que um governo hesitar ao “custo” da ação climática.

No final, os governos concordaram em atingir a meta anual de financiamento climático de US $ 100 bilhões nos próximos dois anos e concordaram que o financiamento para adaptação deveria dobrar. Mas com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente estimando que os fundos de adaptação precisarão quadruplicar até 2030 dos atuais US $ 70 bilhões, há um longo caminho a percorrer.

O Pacto pelo Clima de Glasgow também criticou os canais tradicionais de fundos públicos que estabelecem as condições para o fluxo do financiamento, incluindo o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial. Procure os países do G7 e do G20, os maiores acionistas dessas instituições, para examinar como eles podem ser administrados de forma diferente para responder à emergência climática. Todos os olhos estão voltados para o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, atual presidente do G20 e experiente banqueiro central. As ações podem variar desde o fortalecimento dos Fundos de Investimento Climático, administrados pelo Banco Mundial, e o afrouxamento dos termos e condições da proposta de gestão do FMI para a realocação de direitos especiais de saque, até incentivos para alavancar mais fundos privados e assumir mais riscos.

Promessas financeiras e gritos de ‘lavagem verde’

Na primeira semana de Glasgow, os titãs do setor financeiro anunciaram a Glasgow Financial Alliance for Net Zero – o compromisso de instituições financeiras que representam US $ 130 trilhões em ativos para acelerar a transição para uma economia com emissões líquidas zero. As mudanças nos mercados financeiros de exposição às emissões de carbono eram palpáveis. Mas sem mais detalhes, o anúncio atraiu gritos de “lavagem verde”.

Os organizadores da aliança precisarão trabalhar duro para responsabilizar os membros e descartar aqueles que ainda subscrevem a indústria do carvão, por exemplo. O princípio de fazer com que todos fiquem comprometidos e na tenda e depois fazê-los melhorar já foi usado antes, por exemplo, da Net Zero Asset Managers Initiative. Mas isso só funciona com transparência, e enterrado entre os comunicados à imprensa estava o relatório de que, dos US $ 57 trilhões anunciados dos ativos da iniciativa sob gestão, apenas cerca de 35% está realmente em linha com o zero líquido.

O secretário-geral da ONU anunciou um grupo de especialistas para propor padrões claros para empresas e outras que assumem compromissos líquidos de zero, em parte em resposta ao furor em torno do greenwashing. Espera-se que esse grupo faça um relatório em 2022. No centro de Glasgow estava uma nova seriedade em torno da transparência, credibilidade, integridade e responsabilidade. Veja isso se desenrolar no ano que vem.

A terceira perna de um banco vacilante: perda e dano

A ação climática é um banquinho de três pernas – mitigação, adaptação e perdas e danos.

Perdas e danos foram mencionados 12 vezes sem precedentes nos textos finais de Glasgow, mas sem compromissos de financiamento ou mecanismos para garantir o financiamento. Perda e dano, ou reparação, podem ser entendidos assim: você quebrou (ou colocou em perigo), você paga por isso. Mas, com medo de ações judiciais em tribunais internacionais – aos quais os EUA não pertencem – ou com medo dos custos, os países desenvolvidos se opuseram aos avanços na questão nos últimos anos.

Os países em desenvolvimento deixaram Glasgow decepcionados, mas não havia como escapar do debate. Observe o desenho de um mecanismo para ajudar a pagar por perdas e danos e os planos para começar a financiá-lo. Com a conferência climática da ONU no próximo ano na África, isso passará a ser o centro das atenções.

Há um provérbio escocês, “os tolos olham para o amanhã, os sábios usam esta noite.” Havia gente sábia em Glasgow e tolos também. Mas não há uma noite a perder no ano que vem.


por Rachel Kyte, Reitora da Fletcher School, Tufts University |Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -