Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

COP26: O que especialistas dizem da cúpula e do Pacto de Glasgow

Analistas da Austrália, Reino Unido, Canadá e EUA analisam as metas, progressos, financiamentos, desmatamento, transporte, urbanismo, energias limpas, biocombustíveis e efeitos climáticos sobre a situação das mulheres no mundo.

Em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Pedimos a especialistas de todo o mundo sua reação aos resultados da cúpula do clima da ONU deste ano, COP26, incluindo o Pacto Climático de Glasgow, acordado por todos os 197 países participantes das negociações. Aqui está o que eles disseram sobre os acordos que foram feitos. 

Ofertas e metas

Um ponto de partida para ações futuras.

O Pacto Climático de Glasgow não é perfeito, mas ainda assim fortalece o acordo de Paris de várias maneiras. Reconhecendo que não há limite seguro para o aquecimento global, o Pacto resolve limitar o aquecimento global a 1,5 ° C, ao invés do texto de Paris de “bem abaixo de 2 ° C”. Crucialmente, também oferece uma estrutura sólida para rastrear compromissos em relação ao progresso do mundo real.

A cúpula foi lançada como a última chance de “manter 1,5 ° C vivo” – mantendo as temperaturas abaixo de 1,5 ° C acima de seus níveis pré-industriais. 2020 também deveria ser o ano em que os países desenvolvidos forneceriam pelo menos US $ 100 bilhões por ano de ajuda financeira para ajudar os países em desenvolvimento a se adaptarem às crescentes tempestades e secas – uma promessa que ainda não foi cumprida – e a transição para a energia limpa era suposta para começar a ser implementado.

Talvez preocupado com o fato de que as metas nacionais coletivamente não eram nem de longe boas o suficiente para manter vivo 1,5 ° C – estávamos rumando para mais em torno de 2,4 ° C, na melhor das hipóteses – o governo do Reino Unido usou seu programa de presidência para complementar essas metas com uma série de anúncios amigáveis ​​à imprensa de compromissos não vinculativos para cortar as emissões de metano, acabar com o desmatamento e eliminar o carvão.

Estas foram ainda complementadas pelas iniciativas “corrida para zero”, uma série de anúncios por estados, cidades e empresas em uma série de abordagens de descarbonização.

Embora essas sejam tentativas genuínas de ação climática, o sucesso depende de se esses desenvolvimentos podem rapidamente se transformar em compromissos nacionais elevados no próximo ano. O pacto agora “solicita explicitamente às partes que revisitem e fortaleçam” suas metas para 2030, o que significa que 1,5 ° C diminuiu, mas ainda não foi eliminado.

Piers Forster, professor de mudança física do clima e diretor do Priestley International Center for Climate University of Leeds


Emissão de gases de efeito estufa

Progresso na redução das emissões, mas longe do suficiente.

O Pacto Climático de Glasgow é um progresso incremental e não o momento de ruptura necessário para conter os piores impactos das mudanças climáticas. O governo do Reino Unido como anfitrião e, portanto, presidente da COP26 queria “manter vivo 1,5 ° C”, o objetivo mais forte do Acordo de Paris. Mas, na melhor das hipóteses, podemos dizer que o objetivo de limitar o aquecimento global a 1,5 ° C está no suporte de vida – tem pulso, mas está quase morto.

Antes da COP26, o mundo caminhava para 2,7 ° C de aquecimento, com base nos compromissos dos países e na expectativa das mudanças tecnológicas. Anúncios no COP26, incluindo novas promessas para as emissões de corte desta década, por alguns países-chave, têm reduzido a um melhor estimativa de 2,4 ° C .

Mais países também anunciaram metas zero líquidas de longo prazo. Um dos mais importantes foi a promessa da Índia de atingir emissões líquidas zero até 2070. De maneira crítica, o país disse que começaria rapidamente com uma expansão massiva de energia renovável nos próximos dez anos, de modo que seja responsável por 50% de seu uso total, reduzindo suas emissões em 2030 em 1 bilhão de toneladas (de um total atual de cerca de 2,5 bilhões).

Um mundo aquecimento de 2,4 ° C é ainda claramente muito longe de 1,5 ° C . O que resta é uma lacuna de emissões de curto prazo, já que as emissões globais parecem provavelmente estabilizar nesta década, em vez de mostrar os cortes bruscos necessários para estar na trajetória de 1,5 ° C que o pacto exige. Há um abismo entre as metas zero líquidas de longo prazo e os planos para reduzir as emissões nesta década.

Simon Lewis, Professor de Ciência da Mudança Global na University College London e University of Leeds, e Mark Maslin, Professor de Ciência do Sistema Terrestre, University College London.


Financiamento de combustível fóssil

Algum progresso no fim dos subsídios, mas o acordo final ficou aquém.

Os resultados mais importantes da COP26 estarão diretamente relacionados a duas “palavras com F”: finanças e combustíveis fósseis. Deve-se prestar muita atenção às promessas de novos financiamentos para mitigação, adaptação e perdas e danos. Mas devemos lembrar o outro lado da equação – a necessidade urgente de cortar o financiamento para projetos de combustíveis fósseis. Como a Agência Internacional de Energia deixou claro no início deste ano , não há espaço no orçamento de carbono de 1,5 ℃ para quaisquer novos investimentos em combustíveis fósseis.

O compromisso de mais de 25 países de fechar novos financiamentos internacionais para projetos de combustíveis fósseis até o final de 2022 é um dos maiores sucessos de Glasgow. Isso poderia transferir mais de US $ 24 bilhões por ano de fundos públicos dos combustíveis fósseis para energia limpa.

Também havia esperança de que a decisão da COP convocasse as partes a “ acelerar a eliminação do carvão e dos subsídios aos combustíveis fósseis ”. De acordo com as Nações Unidas, a eliminação de todos os subsídios aos combustíveis fósseis reduziria as emissões globais de carbono em até 10% até 2030. Infelizmente, antes que o pacto fosse acordado, o texto sobre o carvão foi diluído, a frase “eliminação gradual” foi substituída por “redução gradual ”, E a palavrinha“ ineficiente ”foi inserida antes de“ subsídios para combustíveis fósseis ”.

O fato de que nem mesmo uma referência fraca aos combustíveis fósseis pode sobreviver no texto da decisão diz muito sobre como o processo da COP está divorciado das realidades da crise climática. E é improvável que isso mude enquanto os lobistas dos combustíveis fósseis tiverem permissão para comparecer.

Kyla Tienhaara, Canadá Research Chair in Economy and Environment, Queen’s University, Ontário


Natureza

Uma declaração sobre o desmatamento, mas não é vinculativa.

A natureza foi um grande tema na COP26, e a importância dos direitos dos povos indígenas e o enfrentamento das cadeias de suprimentos de commodities que impulsionam o desmatamento foram amplamente reconhecidas em toda a conferência.

Mais de 135 países assinaram uma declaração concordando em deter e reverter a perda florestal e a degradação da terra até 2030, embora a Indonésia posteriormente tenha desistido do compromisso , ressaltando a importância de decisões vinculativas em vez de declarações voluntárias para resultados importantes. Os doadores prometeram US $ 1,7 bilhão para apoiar o manejo florestal dos povos indígenas e comunidades locais. Vinte e oito dos maiores consumidores e produtores de carne bovina, soja, cacau e óleo de palma discutiram um roteiro identificando áreas de trabalho para combater o desmatamento nas cadeias de suprimentos de commodities.

No entanto, as declarações podem desviar a atenção dos resultados negociados do processo da ONU. Para a natureza, um resultado importante incluído no Pacto Climático de Glasgow final é que ele “enfatiza a importância de proteger, conservar e restaurar a natureza e os ecossistemas para atingir a meta de temperatura do Acordo de Paris, inclusive por meio de florestas e outros ecossistemas terrestres e marinhos”.

Esse reconhecimento do papel da natureza é fundamental para aumentar a inclusão da restauração do ecossistema nos compromissos climáticos dos países. No entanto, a natureza sozinha não pode cumprir a meta de 1,5 ° C sem outros esforços, incluindo a eliminação gradual dos subsídios ao carvão e aos combustíveis fósseis, fornecendo financiamento adequado aos países em desenvolvimento e protegendo os direitos humanos.

Kate Dooley, pesquisadora em caminhos baseados em ecossistemas e mudanças climáticas, Universidade de Melbourne


Transporte

Grandes promessas para impulsionar veículos elétricos.

A COP26 deu mais atenção do que nunca ao transporte, com resultados mistos graças à confusão de aspirações globais e políticas nacionais. O transporte é o maior emissor de gases de efeito estufa em muitos países e, depois da eletricidade renovável, a segunda estratégia mais importante para alcançar emissões líquidas zero.

Mais de 30 países e seis montadoras se comprometeram a encerrar as vendas de veículos de combustão interna até 2040. A lista teve algumas não comparências notáveis ​​- incluindo EUA, Alemanha, Japão e China, e as duas maiores empresas automotivas, Volkswagen e Toyota – mas foi ainda impressionante. A mudança para veículos elétricos já era inequívoca. Os veículos elétricos (VEs) alcançaram 20% das vendas na Europa  e na China nos últimos meses, e ambos se dirigem para a eletrificação completa de carros novos em 2035 ou mais.

A transição para caminhões elétricos e a hidrogênio está prestes a seguir um caminho semelhante. Quinze países concordaram em trabalhar para fazer a transição de todos os novos caminhões e ônibus para emissões zero até 2040. A Califórnia já exige que 70% das vendas na maioria das categorias de caminhões tenham emissões zero até 2035 . A China está em uma trajetória semelhante . Esses são acordos não vinculativos, mas foram facilitados pela queda de cerca de 50% nos custos das baterias desde o acordo de Paris.

A aviação está mais difícil porque a eletrificação atualmente só é possível para voos curtos e aviões menores. Os EUA, Reino Unido e outros concordaram em promover combustíveis de aviação sustentáveis. É um começo.

Alguns lamentam o foco em EVs travando ainda mais uma vida centrada no carro. Mas, para reduzir os gases do efeito estufa, a eletrificação de veículos (incluindo hidrogênio) é a abordagem mais eficaz e econômica para descarbonizar o transporte – de longe.

Daniel Sperling, diretor fundador do Institute of Transportation Studies, University of California-Davis


Cidades e edifícios

Agora firmemente na agenda dos planos nacionais e acordos globais.

No mínimo, a COP26 colocou o ambiente construído de forma mais firme na agenda com um dia inteiro dedicado a ele – apenas metade de um dia em Paris em 2015 e antes disso teve pouco reconhecimento formal. Dado que os edifícios são responsáveis ​​por 40% das emissões globais de carbono, muitos argumentam que eles deveriam receber ainda mais atenção, com o World Green Building Council declarando que eles deveriam ser “ elevados a uma solução climática crítica ”.

Existem agora 136 países que incluíram edifícios como parte de seus planos de ação climática (conhecidos como NDCs), contra 88 na última grande COP. Como os NDCs são o mecanismo legal no qual o COP se baseia, isso é importante.

Os governos locais estão, em geral, mais engajados com o meio ambiente construído do que os governos nacionais. É aqui que os regulamentos de planejamento e construção são aprovados e as estratégias de desenvolvimento estabelecidas, que ditam como construímos nossas casas, escritórios e instalações comunitárias. O fato de as cidades criarem mais de 70% das emissões relacionadas à energia reforça sua importância. Portanto, espere que as autoridades locais tenham um papel mais ativo no futuro.

É claro que “carbono incorporado” e “emissões do Escopo 3” se tornarão linguagem cotidiana para construção muito rapidamente, então certifique-se de aprender o que eles significam.

Fora da agenda formal, a maior tensão era o debate entre tecnologia e consumo. Muitos grupos da indústria na COP26 falavam sobre a descarbonização da produção de aço e concreto com tecnologias novas e ainda não comprovadas. Precisamos disso, mas o mais importante é mudar a maneira como projetamos edifícios para que usem materiais que são intrinsecamente de baixo carbono, como madeira, e consuma menos recursos em geral.

Mas, sem dúvida, a maior vitória é a referência específica à eficiência energética no texto aprovado do Pacto pelo Clima de Glasgow. Esta é a primeira vez que a eficiência energética é explicitamente referenciada no processo COP, e a eficiência energética é a ação principal em que os edifícios têm um papel desproporcional na mitigação das mudanças climáticas.

O Artigo 36 exorta os governos a “acelerar o desenvolvimento, implantação e disseminação” de ações, incluindo medidas de eficiência energética de “rápida ampliação”. Observe a urgência da linguagem. Existe agora um imperativo legal para todos os países alinharem seus regulamentos de construção com um futuro de baixo carbono.

Ran Boydell, professor visitante em Desenvolvimento Sustentável, Heriot-Watt University


Transições de energia

As discussões basearam-se em tecnologias não comprovadas.

A COP26 apresentou centenas de compromissos para suprir o carvão e o gás natural e oferecer apenas transições para trabalhadores e comunidades, principalmente com foco nas transições de energia renovável.

No entanto, uma preocupação que tenho vindo da COP26 é que as discussões frequentemente promovem tecnologias que não estão prontas para o mercado ou escaláveis, especialmente pequenos reatores nucleares modulares, captura e armazenamento de hidrogênio e carbono.

De acordo com a Agência Internacional de Energia, 38 tecnologias estão prontas para implantação no momento, incluindo energia solar fotovoltaica, geotérmica e eólica. No entanto, nenhum foi implantado na escala que precisamos para atingir 1,5 ℃. A energia renovável, atualmente 13% do sistema global de energia, precisa chegar a 80% ou mais.

Globalmente, uma transição para a energia renovável custará entre US $ 22,5 trilhões e US $ 139 trilhões. O que é necessário são políticas que apoiem uma combinação de inovações , acelerem o aumento da escala de energia renovável e modernizem as redes de energia – incluindo o direito dos consumidores e cidadãos de gerar energia para vender aos seus vizinhos e à rede. Eles também precisam apoiar modelos de negócios que ofereçam receita para as comunidades e empregos para os setores em transição.

Christina E. Hoicka, Professora Associada de Geografia e Engenharia Civil, University of Victoria


Ciência e inovação

Aço de baixo carbono, concreto e biocombustíveis de última geração receberam um impulso.

O Dia da Ciência e Inovação na COP26 viu novos esquemas interessantes serem anunciados, e três foram particularmente importantes.

Primeiro, Reino Unido, Alemanha, Canadá, Índia e Emirados Árabes Unidos formaram uma iniciativa para desenvolver aço e concreto de baixo carbono para descarbonizar a construção. A meta declarada é aço e concreto líquido zero para projetos públicos até 2050, com uma meta anterior para 2030 ainda a ser anunciada. É um projeto estimulante, pois materiais de construção como esses contribuem com cerca de 10% das emissões de gases de efeito estufa.

Em segundo lugar, a meta de criar sistemas de saúde de baixo carbono também foi anunciada, com 47 países aderindo a essa iniciativa. Embora a meta de saúde líquida zero até 2050 seja bem-vinda, dificilmente é um compromisso adicional. Se uma nação alcança zero líquido, seu sistema de saúde terá atendido a esse critério de qualquer maneira.

Terceiro, Missão Inovação é uma colaboração entre governos que visa acelerar tecnologias que irão reduzir as emissões. A Holanda e a Índia estão liderando um programa bem-vindo de biorrefinaria, com o objetivo de tornar os combustíveis e produtos químicos alternativos de base biológica economicamente atraentes.

Menos útil é o projeto de “remoção de dióxido de carbono”, liderado pela Arábia Saudita, EUA e Canadá. Sua meta é uma redução anual líquida de 100 milhões de toneladas de CO₂ até 2030. Como as emissões globais agora são de 35 bilhões de toneladas por ano, este projeto visa prolongar o uso de combustível fóssil capturando apenas uma pequena fração simbólica.

Ian Lowe, Professor Emérito, School of Science, Griffith University


Gênero

O lento progresso nas políticas climáticas sensíveis ao gênero não corresponde à urgência da situação.

A relação entre a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, seu órgão supremo de decisão – a Conferência das Partes (COP) – e a igualdade de gênero começou tarde, mas tem havido algum progresso (lento).

Olhando para 2001 – quando a única preocupação da COP em termos de igualdade de gênero era com a representação e participação das mulheres na própria Convenção – é claro que algum progresso foi feito. A criação do Grupo Constituinte de Mulheres e Gênero em 2009, o Programa de Trabalho de Lima sobre Gênero de 2014 e o Acordo de Paris sobre Mudança Climática em 2015 (que enfatizou que as ações climáticas devem ser sensíveis ao gênero) são uma prova desse progresso.

A COP26 também viu promessas importantes de diferentes países para agilizar o trabalho sobre gênero e mudança climática. Por exemplo, o Reino Unido anunciou a alocação de £ 165 milhões para promover a igualdade de gênero nas ações de mudança climática, a Bolívia se comprometeu a refletir os dados de gênero em suas Contribuições Nacionalmente Determinadas e o Canadá prometeu que 80% de seus investimentos climáticos nos próximos cinco anos terão como alvo o gênero resultados de igualdade.

No entanto, o progresso no avanço da igualdade de gênero nas ações de mudança climática não corresponde à urgência da situação. Considerando que, em muitos contextos, as mulheres são desproporcionalmente mais adversamente afetadas pelos efeitos das mudanças climáticas e considerando que as mudanças climáticas estão ameaçando aumentar a desigualdade social, é imperativo acelerar as ações sobre igualdade de gênero.

Isso é particularmente importante em setores como a agricultura e a gestão de recursos naturais, que são altamente suscetíveis às mudanças climáticas e constituem a base para a subsistência das mulheres rurais em todo o mundo. Em um estudo que publicamos no ano passado, mostramos como a integração de gênero permanece geralmente fraca nas Contribuições Determinadas Nacionalmente e como esses planos tendem a não atacar as causas estruturais da desigualdade de gênero. O último é de suma importância. Se as ações climáticas não identificarem, abordarem e confrontarem as normas sociais discriminatórias e as causas estruturais que estão criando as desigualdades de gênero em primeiro lugar, as iniciativas e políticas de igualdade de gênero provavelmente não serão sustentáveis ​​nem atingirão seu potencial máximo.

Mariola Acosta é pesquisadora do Instituto Internacional de Agricultura Tropical (IITA) e da Universidade de Wageningen


Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -