Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 24, 2021

Após a onda brutal de covid na Índia, dois terços da população foram expostos ao vírus

Rajib Dasgupta do Centro de Medicina Social e Saúde Comunitária da Universidade Jawaharlal Nehru em Nova Delhi escreve sobre a Índia após sua onda devastadora de infecções no início de 2021.

por Rajib Dasgupta, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

O que explica o rápido aumento e, em seguida, o declínio acentuado de casos da onda de abril a junho?

A Índia emergiu em junho e julho de 2021 de uma segunda onda particularmente selvagem de COVID-19, com um total de casos confirmados em cerca de 32 milhões e mais de 400.000 mortes . Mas isso pode ser uma subestimação dramática. Estimativas alternativas colocam o excedente de mortes na faixa de 3,4 milhões a 4,9 milhões.

Essa onda foi impulsionada por múltiplas variantes do coronavírus, incluindo alfa, que foi detectado pela primeira vez no Reino Unido, e delta, identificado pela primeira vez na Índia e agora a principal fonte de infecções em muitos países. Como a ameaça emergente não foi reconhecida a tempo , os serviços de saúde ficaram sobrecarregados a partir do início de abril, com a falta de fornecimento confiável de oxigênio se tornando um grande problema.

Ambas as variantes alfa e delta são altamente contagiosas, com delta sendo quase duas vezes mais transmissível que a cepa original de SARS-CoV-2. O rápido aumento de casos na Índia é atribuído à alta carga viral – a quantidade de vírus que infecta uma pessoa – de delta, que é cerca de 1.000 vezes maior do que outras cepas. Isso resultou em infecções generalizadas entre os membros da família com taxas tão altas quanto 80% a 100%.

O declínio dos casos na Índia foi surpreendentemente rápido, dado que havia novos casos diários na faixa de 400.000 na primeira semana de maio e a taxa de positividade do teste em alguns distritos era de até 20%Declínios agudos semelhantes foram observados mais recentemente no Reino Unido, Holanda e Israel – talvez como resultado de uma combinação de altas taxas de vacinação e altos níveis de infecção. Os casos diários na Índia estão agora entre 30.000 e 40.000 por dia.

A Índia parou de exportar oxigênio para outros países depois que uma grave escassez ocorreu durante a primeira onda de casos de COVID-19 alimentados pela variante delta, que apareceu pela primeira vez na Índia

Qual é o progresso da vacinação?

Com a campanha de vacinação aumentando substancialmente na Índia, cerca de 15% dos adultos já receberam ambas as doses da vacina e quase 40% uma única dose . Um recorde de 8,8 milhões de doses foram administradas em 17 de agosto de 2021 em uma tentativa de atingir a meta de 250 milhões para agosto, embora algumas projeções considerem que provavelmente não será possível.

As situações de abastecimento continuam desafiadoras. A produção da vacina Covaxin, desenvolvida pela empresa indiana Bharat Biotech, não acelerou como previsto, pelo menos em parte devido a problemas de qualidade de alguns lotes. As negociações com a Moderna não deram certo e a Johnson & Johnson recebeu autorização emergencial para uso em agosto. A produção da Sputnik V desenvolvido na Rússia por um parceiro indiano foi adiada e a produção deve estar em andamento apenas em setembro. Covishield, da AstraZeneca, continua a ser o carro-chefe, respondendo por 87,5% das vacinas administradas até o momento.

Estima-se que 9 milhões de doses deverão ser administradas diariamente durante os próximos cinco meses para cumprir a meta de vacinação de todos os adultos até 31 de dezembro de 2021. Para efeito de comparação, a média de vacinações diárias nos EUA em seu pico em abril foi de 3,5 milhões por dia. Um desafio adicional para a campanha indiana será a vacinação de crianças. A vacinação de cerca de 400 milhões na faixa etária de 2 a 18 anos deve começar em março de 2022, embora a autorização de emergência deva começar neste mês.

Quantas das 1,3 bilhão de pessoas da Índia foram infectadas?

Após a segunda onda de aproximadamente abril a junho, o Conselho Indiano de Pesquisa Médica conduziu a quarta rodada de uma sero-pesquisa nacional em junho e julho de 2021 para testar anticorpos em amostras de sangue de residentes em 70 distritos de 21 estados. A soroprevalência geral foi de 67,6%, um grande aumento de 24,1% registrado na terceira rodada de dezembro de 2020 a janeiro de 2021. A presença de anticorpos indica que uma pessoa foi exposta ao coronavírus ou vacinada.

A soropositividade entre as crianças foi de 57,2% na faixa etária de 6 a 9 anos e 61,6% na faixa de 10 a 17 anos. Os especialistas acreditam que não há muitas evidências científicas de que as crianças seriam desproporcionalmente vulneráveis em uma terceira onda. O governo, porém, antecipa a possibilidade de picos intermitentes no número de casos e elaborou diretrizes operacionais para crianças e adolescentes em preparação para uma terceira onda. A soroprevalência entre os maiores de 45 anos foi de 77,6% e 66,7% nos adultos mais jovens, indicando o efeito da vacinação e também das infecções.

O coronavírus se espalhou por todo o país; a seroprevalência entre a população rural (66,5%) foi apenas ligeiramente mais baixa do que nas zonas urbanas. Surgiu uma ampla gama de diferenças interestaduais, de um mínimo de 44,4% em Kerala a 79% em Madhya Pradesh.

A extensão da subcontagem – a diferença entre os casos estimados (com base na soroprevalência) e os casos reais detectados por RT-PCR e testes rápidos de antígeno – é particularmente preocupante. Nacionalmente, o sistema perdeu 33 casos para cada um detectado.

Quais são as perspectivas para as próximas semanas e meses?

Com cerca de 40.000 casos e 400 mortes por dia em meados de agosto, um novo aumento é provável. Os estados indianos que experimentam a maioria desses novos casos são aqueles com soroprevalência relativamente mais baixa, variando entre 50% e 70%. O pool de 400 milhões de soronegativos – ou seja, pessoas que não foram infectadas ou receberam a vacina – continua a ser um grande grupo vulnerável.

A previsão dos modeladores indica uma terceira onda começando em agosto e chegando a 100.000 a 150.000 infecções por dia em outubro. Uma projeção alternativa prevê pico nos casos que vão até novembro. Os estados que atualmente relatam mais casos diários também estão testando duas ou três vezes a média nacional. A taxa de letalidade nesses estados também é inferior à média nacional e a capacidade dos serviços de saúde ainda não foi ampliada. Por sua vez, o governo federal anunciou a segunda fase de sua política de resposta a emergências com metas que vão até março de 2022.

A economia se recuperou?

A vacinação COVID-19 na Índia tem sido marcada por iniquidade e hesitação; negociar ambos será crucial nas próximas semanas.

gama de vulnerabilidades inclui locais rurais e remotos e falta de acesso à Internet; também surgiu uma divisão de gênero, com mais homens sendo vacinados do que mulheres. À medida que a vacinação avança com iniquidades subjacentes, surge o fenômeno da “ vacinação em patchwork ” – bolsões altamente vacinados e adjacentes a locais ou comunidades com baixa cobertura. As comunidades com baixa cobertura são vulneráveis ​​a surtos hiperlocais.

A maioria das atividades econômicas foi retomada e os setores de educação e entretenimento também estão se abrindo. Uma declaração conjunta em 6 de junho de 2021, emitida pelas associações de saúde pública na Índia, instou que sero-inquéritos em nível distrital sejam realizados pelos serviços de saúde estaduais ou federais para permitir uma compreensão mais granular do contexto epidemiológico para permitir o planejamento. Embora isso fosse aceito em princípio, essas pesquisas sistemáticas ainda precisam ser implementadas.

A Organização Mundial da Saúde aconselha que as medidas de saúde pública e sociais no contexto da COVID-19 sejam orientadas pela dinâmica de transmissão local. O planejamento em nível distrital na Índia deve ser crucial na jornada à frente.


por Rajib Dasgupta, Presidente do Centro de Medicina Social e Saúde Comunitária, Universidade Jawaharlal Nehru   |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -