Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 17, 2021

Potências devem aceitar a derrota e ser realistas com Talibã afegão

O Ocidente não pode optar por se opor ao domínio do Talibã. Esse jogo acabou. A verdadeira escolha é entre um recuo que aumenta a esperança de um governo moderado do Talibã e um recuo que, ao se opor a essa regra, aumenta ainda mais a miséria.

por Sten Rynning, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A versão resumida dos acontecimentos no Afeganistão é que o Paquistão venceu e a aliança internacional liderada pelos Estados Unidos perdeu. Claro que a história não acabou e as coisas podem mudar – o Iraque, por exemplo, é um caso de uma intervenção que deu muito errado, mas depois voltou a um estado de jogo mais esperançoso.

O mesmo pode acontecer no Afeganistão também, mas é muito improvável. A escala da perda e o grau de esgotamento político em casa fizeram com que os principais jogadores ocidentais repensassem sua posição. Eles agora vão refletir sobre o fato de que o Afeganistão lhes oferece muito pouco em termos de interesses econômicos e também sobre o fato de que uma competição estratégica mais ampla entre a China e os Estados Unidos dominará cada vez mais o tabuleiro de xadrez global.

O Paquistão, que alimentou o \e ganhou tempo para manter sua esfera de influência, será, portanto, de forma duradoura, o “dono” do Afeganistão. Tem as maiores participações políticas e econômicas no Afeganistão, tem mais influência sobre o movimento do Talibã do que qualquer outro ator externo, e seu aliado de longa data, a China, já indicou sua disposição em ajudar.

Agora, os parceiros ocidentais, incluindo a Otan e a UE, devem aproveitar esta realidade. Sua principal prioridade deve ser apoiar a estabilidade. Não será o tipo de estabilidade ou ordem política pela qual eles lutaram por duas décadas, mas um Talibã no Afeganistão patrocinado pelo Paquistão é o que está sendo oferecido. O objetivo imediato deve ser fornecer ao Talibã e ao Paquistão um certo grau de apoio a seu governo em troca de uma ordem desradicalizada: isto é, uma ordem que não produza ou patrocine o terrorismo internacional e não se envolva em atrocidade humana.

Obviamente, os EUA e a Europa não querem nem o terrorismo nem os refugiados que vêm do radicalismo. Nem o Paquistão, que arcou com um alto custo com a radicalização de sua própria sociedade durante a guerra, evidenciada pelo terrorismo doméstico, agitação política e refugiados.

Talvez o regime do Talibã chegue à mesma conclusão. Para governar, precisa de recursos e apoio, e corre o risco de estar em guerra não só com a sociedade internacional, mas também com grandes segmentos da própria sociedade afegã, que, claro, mudou nos 20 anos desde 2001. A população é mais urbana e com melhor educação, e embora a tendência não seja avassaladora, é suficientemente forte para ser um fator de restrição ao Talibã.

Uma guerra contínua de baixa intensidade com o Talibã pode ser tentadora como uma defesa dos valores dos direitos humanos. E haverá determinação política para redefinir o fracasso como um revés temporário. O Talibã pode ser pressionado financeiramente, seus oponentes domésticos podem estar armados, as forças de operações especiais podem ocasionalmente atrapalhar e o Paquistão pode ser pressionado a se manter discreto. Mas negar o fracasso é uma estratégia ruim. Um conflito prolongado nesses termos não mudaria e não poderia mudar os parâmetros básicos que trouxeram a derrota em primeiro lugar.

Reconhecimento e aceitação

Uma política voltada para o futuro deve começar com um reconhecimento aberto de que o Talibã e o Paquistão foram vitoriosos. Em seguida, deve definir os termos do envolvimento ocidental. Tendo perdido a guerra, o Ocidente deve oferecer o potencial de desenvolvimento do Talibã: reconhecimento diplomático e, com ele, oportunidades de financiamento e comércio. O Ocidente também deve oferecer canalizar ajuda humanitária para o Afeganistão em termos que atendam a ambos os lados. O Paquistão, por sua vez, deve estar convencido de que esse reconhecimento de sua esfera de influência política é real e duradouro.

O primeiro passo deve ser fazer todo o possível – e para o lado perdedor, isso pode não ser muito – para promover um governo de transição liderado pelo Talibã que inclua o maior número possível de partidos afegãos. A partilha do poder iludiu a república erguida em 2002-2004, e a comunidade internacional nunca colocou esta peça que faltava no quebra-cabeça e no centro de sua política. Mas também vale a pena lembrar ao Taleban e ao Paquistão que a alternativa à divisão do poder é um risco muito real de guerra civil. Grupos étnicos no oeste e no norte do Afeganistão têm a capacidade de organizar resistência armada com o apoio de potências externas. O Ocidente deve, a este respeito, apelar para o senso de história do Talibã e reforçar o lembrete com uma política de reconhecimento e desenvolvimento.

Evacuados embarcam em aviões no Aeroporto Internacional Hamid Karzai, em Cabul

Por sua vez, o Ocidente não pode aceitar o terrorismo internacional proveniente do Afeganistão – e a Europa, especialmente, não pode aceitar um fluxo contínuo de refugiados por medo de inflamar ainda mais a política interna. Os estados ocidentais estariam certos em sinalizar que sanções financeiras, operações militares secretas e outros meios de coerção podem entrar em jogo se forem pressionados.

A chave, porém, é reconhecer esses instrumentos pelo que são: instrumentos de uma retirada ordenada (esperançosamente), não meios de guerra contínua. O Ocidente não pode optar por se opor ao domínio do Talibã. Esse jogo acabou. A verdadeira escolha é entre um recuo que aumenta a esperança de um governo moderado do Talibã e um recuo que, ao se opor a essa regra, aumenta ainda mais a miséria.

Enfrentando fatos

Tempo é essencial. O Afeganistão pode estar à beira de uma guerra civil, enquanto os desnorteados governos ocidentais parecem estar mais preocupados com sua imagem pública diante do sofrimento humano. Pode-se facilmente imaginar que nada mais acontecerá em termos de resposta ocidental – e certamente não coordenada.

Os principais governos devem desafiar a letargia e se unir para definir uma política de reconhecimento e engajamento. Isso permitiria que instituições comuns, como a Otan e a UE, fizessem o que fazem de melhor: cercar os interesses ocidentais e fortalecer a voz das nações líderes.

Por mais tentador que seja abrir mão, ou apresentar-se e continuar a guerra por outros meios, a coisa certa a fazer é reformular a política e permanecer engajado, embora em termos mais estreitos e muito reduzidos. Essa reviravolta acabará por definir os parâmetros pelos quais julgaremos o alto custo da política afegã pós-2001.


por Sten Rynning, Professor de Segurança Internacional e Estudos de Guerra, University of Southern Denmark   |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -