Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Janeiro 21, 2022

Aquecimento global leva humanos a seus limites de resistência ao calor

Depender do resfriamento artificial para lidar com o calor crescente sobrecarregaria a demanda de energia e deixaria muitas pessoas perigosamente expostas a falhas de energia. Também abandonaria os membros mais vulneráveis ​​da sociedade e não ajuda aqueles que têm que se aventurar fora.

por Tom Matthews e Colin Raymond, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

O crescimento explosivo e o sucesso da sociedade humana nos últimos 10.000 anos foram sustentados por uma gama distinta de condições climáticas. Mas a gama de climas que os humanos podem encontrar na Terra – o “envelope climático” – está mudando à medida que o planeta se aquece, e condições inteiramente novas para a civilização podem surgir nas próximas décadas. Mesmo com a tecnologia moderna, isso não deve ser considerado levianamente.

Ser capaz de regular nossa temperatura desempenhou um papel fundamental ao permitir que os humanos dominassem o planeta. Andando sobre duas pernas, sem pelos e com um sistema de resfriamento à base de suor, fomos bem projetados para vencer o calor. Mas o tempo quente já limita nossa capacidade de trabalhar e nos mantermos saudáveis. Na verdade, nossa fisiologia estabelece limites no nível de calor e umidade com os quais podemos lidar.

A temperatura normal que você vê informada nas previsões do tempo é chamada de temperatura de “bulbo seco”. Uma vez que esse valor sobe acima de cerca de 35 ° C, o corpo precisa contar com a evaporação da água (principalmente através do suor) para dissipar o calor. A temperatura do “bulbo úmido” é uma medida que inclui o efeito de resfriamento da evaporação em um termômetro, então normalmente é muito mais baixa do que a temperatura do bulbo seco. Isso indica a eficiência com que nosso sistema de resfriamento à base de suor pode funcionar.

Quando a temperatura do bulbo úmido ultrapassa os 35° C, o ar fica tão quente e húmido que nem mesmo o suor pode baixar a temperatura do corpo para um nível seguro. Com a exposição contínua acima desse limite, pode ocorrer morte por superaquecimento.

Água é pulverizada para resfriar os participantes da peregrinação Hajj, na Arábia Saudita, em 29 de agosto de 2017

Um limite de 35° C pode parecer modesto, mas não é. Quando o Reino Unido abafou com uma temperatura recorde de bulbo seco de 38,7 ° C em julho de 2019 , a temperatura do bulbo úmido em Cambridge não era superior a 24 ° C. Mesmo na onda de calor assassina de Karachi em 2015, a temperatura do bulbo úmido ficou abaixo de 30 ° C. Na verdade, fora de uma sauna a vapor, poucas pessoas encontraram algo próximo a 35° C. A maior parte do tempo esteve além do envelope climático da Terra à medida que a sociedade humana se desenvolveu.

Mas nossa pesquisa recente mostra que o limite de 35° C está se aproximando, deixando uma margem de segurança cada vez menor para os lugares mais quentes e úmidos da Terra.

Calor além da tolerância humana

Estudos de modelagem já haviam indicado que as temperaturas do bulbo úmido poderiam regularmente ultrapassar 35° C se o mundo navegar além do limite de aquecimento de 2° C estabelecido no acordo climático de Paris em 2015, com o Golfo Pérsico , Sul da Ásia e Planície do Norte da China na linha de frente do calor úmido mortal.

Nossa análise das temperaturas do bulbo úmido de 1979-2017 não discordou desses avisos sobre o que pode estar por vir. Mas enquanto os estudos anteriores analisaram regiões relativamente grandes (na escala das principais áreas metropolitanas), também examinamos milhares de registros de estações meteorológicas em todo o mundo e vimos que, nessa escala mais local, muitos locais estavam fechando muito mais rapidamente em 35 Limite ° C. A frequência de punir as temperaturas de bulbo úmido (acima de 31 ° C, por exemplo) mais que dobrou em todo o mundo desde 1979, e em alguns dos lugares mais quentes e úmidos da Terra, como a costa dos Emirados Árabes Unidos, as temperaturas de bulbo úmido já passaram dos 35 ° C. O envelope climático está avançando em um território onde nossa fisiologia não pode acompanhar.

As consequências de cruzar os 35° C, embora breves, talvez tenham sido principalmente simbólicas até agora, já que os residentes dos lugares mais quentes estão acostumados a enfrentar o calor extremo abrigando-se em espaços com ar-condicionado. Mas depender do resfriamento artificial para lidar com o calor crescente sobrecarregaria a demanda de energia e deixaria muitas pessoas perigosamente expostas a falhas de energia. Também abandonaria os membros mais vulneráveis ​​da sociedade e não ajuda aqueles que têm que se aventurar fora.

Registros de calor úmido máximo histórico em estações meteorológicas ao redor do mundo, 1979-2017. Colin Raymond , autor fornecido

A única maneira de evitar ser levado mais longe e com mais frequência em território não mapeado do calor é reduzir as emissões de gases de efeito estufa a zero líquido. A desaceleração econômica durante a pandemia do coronavírus deve reduzir as emissões em 4-7% em 2020, aproximando-as de onde estavam as emissões globais em 2010. Mas as concentrações de gases de efeito estufa ainda estão aumentando rapidamente na atmosfera. Devemos também nos adaptar sempre que possível, encorajando mudanças comportamentais simples (como evitar atividades diurnas ao ar livre) e aumentando os planos de resposta de emergência quando os extremos de calor são iminentes. Essas medidas ajudarão a ganhar tempo contra a marcha inexorável do envelope climático da Terra.

Esperamos que nossa pesquisa ilumine alguns dos desafios que podem nos aguardar com o aumento das temperaturas globais. O surgimento de calor e umidade sem precedentes – além do que nossa fisiologia pode tolerar – é apenas uma parte do que poderia estar reservado. Um mundo ainda mais quente e úmido corre o risco de gerar extremos climáticos além de qualquer experiência humana, incluindo o potencial para uma série de “incógnitas desconhecidas”.

Esperamos que a sensação de vulnerabilidade às surpresas deixada pela COVID-19 revigore os compromissos globais para alcançar a neutralidade de carbono – reconhecendo o valor em preservar as condições que são um tanto familiares, em vez de arriscar o que pode estar à espera em um clima muito novo pela frente.


por Tom Matthews e Colin Raymond, em The Conversation  |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Tom Matthews, Professor em Ciências do Clima, Loughborough University
  • Colin Raymond, Pesquisador de pós-doutorado, Instituto de Tecnologia da Califórnia

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -